Mon. May 27th, 2024

Os militares do Equador foram enviados para assumir o controle das prisões do país no mês passado, depois que dois grandes líderes de gangues escaparam e grupos criminosos rapidamente desencadearam uma revolta nacional que paralisou o país.

Na semana passada, no Brasil, dois presos com ligações a uma grande gangue se tornaram os primeiros a escapar de uma das cinco prisões federais de segurança máxima do país, disseram autoridades.

As autoridades colombianas declararam emergência nas prisões depois de dois guardas terem sido mortos e vários outros terem sido alvo de ataques, no que o governo disse ser uma retaliação pela repressão a grandes grupos criminosos.

Dentro das prisões em toda a América Latina, grupos criminosos exercem autoridade incontestável sobre os presos, extraindo-lhes dinheiro para comprar proteção ou necessidades básicas, como alimentos.

As prisões também funcionam como uma espécie de porto seguro para líderes criminosos encarcerados gerirem remotamente as suas empresas criminosas no exterior, ordenando assassinatos, orquestrando o contrabando de drogas para os Estados Unidos e a Europa e dirigindo sequestros e extorsões de empresas locais.

Quando as autoridades tentam restringir o poder que os grupos criminosos exercem atrás das grades, os seus líderes muitas vezes mobilizam membros do exterior para reagir.

“O principal centro de gravidade, o nexo de controle do crime organizado, reside nos complexos prisionais”, disse Mario Pazmiño, coronel reformado e ex-diretor de inteligência do Exército do Equador e analista de questões de segurança.

“É onde estão digamos os cargos de gestão, os cargos de comando”, acrescentou. “É onde eles dão ordens e dispensas para as gangues aterrorizarem o país.”

A população carcerária da América Latina explodiu nas últimas duas décadas, impulsionada por medidas criminais mais rigorosas, como as detenções preventivas, mas os governos de toda a região não gastaram o suficiente para lidar com o aumento e, em vez disso, muitas vezes entregaram o controlo aos presos, dizem especialistas em sistemas penais.

Os que são enviados para a prisão muitas vezes têm uma escolha: juntar-se a um gangue ou enfrentar a sua ira.

Como resultado, as prisões tornaram-se centros de recrutamento cruciais para os maiores e mais violentos cartéis e gangues da América Latina, fortalecendo o seu controlo sobre a sociedade em vez de a enfraquecer.

Os funcionários penitenciários, subfinanciados, em menor número, sobrecarregados e frequentemente pagos, cederam em grande parte aos líderes de gangues em muitas prisões em troca de uma paz frágil.

Os grupos criminosos controlam total ou parcialmente mais de metade das 285 prisões do México, segundo especialistas, enquanto no Brasil o governo frequentemente divide as penitenciárias com base na filiação a gangues, numa tentativa de evitar distúrbios. No Equador, especialistas dizem que a maioria das 36 prisões do país está sob algum grau de controle de gangues.

“A gangue está resolvendo um problema para o governo”, disse Benjamin Lessing, professor de ciências políticas da Universidade de Chicago que estuda gangues e prisões latino-americanas. “Isso dá à gangue um tipo de poder que é realmente difícil de medir, mas também difícil de superestimar.”

A população carcerária da América Latina aumentou 76 por cento entre 2010 e 2020, de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, excedendo em muito o aumento de 10 por cento da população da região durante o mesmo período.

Muitos países impuseram políticas mais rigorosas de lei e ordem, incluindo penas mais longas e mais condenações por delitos de drogas de baixa gravidade, empurrando a maioria das penitenciárias da região para além da capacidade máxima.

Ao mesmo tempo, os governos deram prioridade ao investimento nas suas forças de segurança como forma de reprimir o crime e de exercer a sua influência perante o público, em vez de gastarem em prisões, que são menos visíveis.

O Brasil e o México, os maiores países da América Latina e com as maiores populações de reclusos da região, investem pouco nas prisões: o governo do Brasil gasta cerca de 14 dólares por prisioneiro por dia, enquanto o México gasta cerca de 20 dólares. Os Estados Unidos gastaram cerca de 117 dólares por prisioneiro por dia em 2022. Os guardas prisionais na América Latina também ganham salários escassos, o que os torna susceptíveis a subornos de gangues para contrabandear contrabando ou ajudar detidos importantes a escapar.

As autoridades federais no Brasil e no Equador não responderam aos pedidos de comentários, enquanto as autoridades federais no México recusaram. Em geral, as prisões federais do México e do Brasil têm melhores financiamentos e condições do que as prisões estaduais.

O estado do Rio de Janeiro, que administra algumas das prisões mais famosas do Brasil, disse em comunicado que há décadas separa os presos de acordo com sua filiação a gangues “para garantir sua segurança física” e que a prática é permitida pela lei brasileira.

Ressaltando o poder dos gangues prisionais, alguns líderes de grupos criminosos vivem relativamente confortavelmente atrás das grades, administrando supermercados, brigadas de galos e discotecas, e por vezes contrabandeando as suas famílias para viverem com eles.

As prisões do Equador são um exemplo clássico, dizem os especialistas, dos problemas que afligem os sistemas penais na América Latina e de como podem ser difíceis de resolver.

Os tumultos de Janeiro eclodiram depois de o recém-eleito presidente do Equador ter tomado medidas para reforçar a segurança nas prisões, depois de uma investigação do procurador-geral ter mostrado como um líder de gangue preso, enriquecido pelo tráfico de cocaína, corrompeu juízes, agentes da polícia, guardas prisionais e até ex- chefe do sistema prisional.

O presidente, Daniel Noboa, planeou transferir vários líderes de gangues para uma instalação de segurança máxima, tornando mais difícil para eles operarem os seus negócios ilícitos.

Mas esses planos foram divulgados aos líderes de gangues e um deles desapareceu de uma grande prisão.

Uma busca pelo líder dentro da prisão desencadeou tumultos nas prisões do país, com dezenas de presos escapando, incluindo o chefe de outra gangue poderosa.

As gangues também ordenaram que seus membros atacassem do lado de fora, disseram especialistas. Eles sequestraram policiais, queimaram carros, detonaram explosivos e tomaram brevemente uma importante emissora de televisão.

Noboa respondeu declarando um conflito armado interno, autorizando os militares a atacar gangues nas ruas e a invadir prisões. Os presos em pelo menos uma prisão foram despidos e tiveram seus pertences confiscados e queimados, de acordo com os militares e vídeos nas redes sociais.

As cenas lembravam algumas de El Salvador, onde o presidente Nayib Bukele declarou estado de emergência em 2022 para combater a violência das gangues. Cerca de 75 mil pessoas foram presas, muitas sem o devido processo, segundo grupos de direitos humanos.

Dois por cento dos salvadorenhos estão encarcerados, a maior proporção de qualquer país do mundo, de acordo com o World Prison Brief, uma base de dados compilada por Birkbeck, Universidade de Londres.

As táticas de Bukele dizimaram as gangues de rua do país centro-americano, reverteram anos de violência horrível e ajudaram a impulsioná-lo a um segundo mandato.

Mas os especialistas dizem que milhares de pessoas inocentes foram encarceradas.

“Que consequências isso tem?” disse Carlos Ponce, especialista em El Salvador e professor assistente da Universidade de Fraser Valley, no Canadá. “Isso vai assustar eles e suas famílias para o resto da vida.”

O uso frequente de prisões preventivas em toda a região para combater o crime deixou muitas pessoas definhando na prisão durante meses e até anos à espera de serem julgadas, dizem grupos de direitos humanos. A prática tem sido particularmente dura para os mais pobres, que não podem pagar advogados e enfrentam um sistema judicial semelhante a uma tartaruga, com casos apoiados há anos.

Nos primeiros sete meses do estado de emergência em El Salvador, 84 por cento de todos os detidos estavam em prisão preventiva e quase metade da população prisional do México ainda aguarda julgamento.

“As prisões podem ser definidas como centros de exploração para pessoas pobres”, disse Elena Azaola, uma académica mexicana que estuda o sistema prisional do país há 30 anos.

“Alguns foram presos por 10 ou 20 anos sem julgamento”, acrescentou ela. “Muitos saem piores do que quando entraram.”

Na verdade, as prisões em alguns países latino-americanos são, até certo ponto, uma porta giratória.

Cerca de 40 por cento dos prisioneiros no Brasil, Argentina, México e Chile são libertados apenas para serem encarcerados novamente. Embora a taxa de reincidência seja muito mais elevada nos Estados Unidos, na América Latina muitas pessoas presas por crimes menores, por vezes não violentos, acabam por cometer crimes mais graves, dizem os especialistas, em grande parte porque pequenos criminosos partilham celas de prisão com infratores mais graves.

Ambas as maiores gangues do Brasil — o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital — na verdade começaram nas prisões, que continuam sendo seus centros de poder.

Jefferson Quirino, um ex-membro de gangue que completou cinco detenções separadas nas prisões do Rio, disse que as gangues controlavam todas as prisões em que ele estava. de guardas que foram subornados.

As gangues têm tanta influência nas prisões do Brasil, onde as próprias autoridades muitas vezes dividem as prisões por afiliação às gangues, que as autoridades forçam os novos presos a escolher um lado, para limitar a violência.

“A primeira pergunta que lhe fazem é: ‘A que gangue você pertence?’”, disse Quirino, que dirige um programa que ajuda a manter crianças pobres fora das gangues. “Em outras palavras, eles precisam entender onde colocá-lo dentro do sistema, caso contrário você morrerá.”

Isso ajudou os grupos criminosos a aumentarem as suas fileiras.

“A prisão funciona como um espaço para recrutamento de mão de obra”, disse Jacqueline Muniz, ex-chefe de segurança do Rio de Janeiro.

“E por construir lealdade entre sua força de trabalho criminosa.”

Reportagem de Emiliano Rodriguez Mega da Cidade do México; Jose Maria Leon Cabrera de Quito, Equador; Thalie Ponce de Guayaquil, Equador; Genevieve Glatsky de Bogotá, Colômbia; e Laurence Blair de Assunção.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *