Sun. May 26th, 2024

A China anunciou na terça-feira uma meta oficial de crescimento de cerca de 5%, que já parece difícil de alcançar. A segunda maior economia do mundo enfrenta ventos contrários, desde um abrandamento do consumo até à fraca confiança dos investidores e uma guerra comercial com o Ocidente.

Mas a meta de crescimento apenas conta parte da história de como Pequim está a repensar a política económica.

Fora dos pronunciamentos: um pacote de estímulos. Os investidores acompanham a reunião anual do Congresso Nacional do Povo, o parlamento oficial do país, e uma reunião paralela do principal órgão político da China, em busca de pistas sobre as prioridades do governo. Os gastos deverão permanecer aproximadamente no nível do ano passado, sugerindo que não há um grande impulso no horizonte.

Isso não é uma boa notícia para as marcas ocidentais, que impulsionaram o aumento dos gastos dos consumidores chineses para um grande crescimento nos últimos anos. A Apple supostamente viu suas vendas de iPhones chineses despencarem este ano.

A meta de crescimento também corresponde à do ano passado, quando a economia pós-bloqueio cresceu 5,2%. (Alguns analistas dizem que a taxa de crescimento real é muito mais baixa.) Os investidores globais precisam de aceitar que o crescimento lento é a nova norma, diz Yu Jie, pesquisador sênior sobre a China na Chatham House, um think tank. “Pequim quer traçar um limite com o modelo econômico anterior que se concentrava em infraestrutura e propriedade”, disse ela ao DealBook.

O verdadeiro foco de Pequim é remodelar a economia. O governo sabe que enfrenta uma série de desafios, mas o líder da China, Xi Jinping, está a tentar afastar-se de sectores alimentados pela dívida, como o imobiliário, e passar para indústrias estrategicamente importantes. Os termos que utiliza são “desenvolvimento de alta qualidade” e “novas forças produtivas”, que incluem veículos eléctricos, tecnologia climática, ciências da vida e inteligência artificial. As últimas medidas para conseguir isso: O primeiro-ministro Li Qiang, o segundo mais alto funcionário da China, disse na terça-feira que o governo aumentaria os gastos com pesquisa científica e tecnológica em 10%.

Mais investimento liderado pelo Estado é a prioridade, em vez de “outros tipos de reformas politicamente mais dolorosas”, disse George Magnus, pesquisador associado do China Center da Universidade de Oxford e ex-economista-chefe do UBS, ao DealBook.

Poderá também significar mais pressão sobre as empresas privadas para seguirem a linha do partido, com até mesmo os banqueiros a serem ordenados a serem mais patrióticos e a desenvolverem uma “cultura financeira com características chinesas”.

Espera-se que Donald Trump ganhe muito nas competições da Super Terça. Eleitores em 15 estados, incluindo Califórnia e Texas, vão às urnas. Uma vitória avassaladora de Trump nas primárias republicanas poderia forçar Nikki Haley a desistir. Noutros lugares, o bilionário declarado Mark Cuban apoiou o Presidente Biden nas eleições gerais, e os apoiantes da iniciativa de terceiros No Labels temem que o grupo já não seja politicamente viável.

A Casa Branca assume “fraudes corporativas”. A administração Biden disse na terça-feira que estava formando uma “força de ataque” para coordenar os esforços federais para combater “preços injustos e ilegais”. Faz parte do esforço de Biden para atribuir o aumento dos preços – uma preocupação dos eleitores que lhe está a custar politicamente – em parte às empresas gananciosas, um tema que certamente ressurgirá durante o seu discurso sobre o Estado da União na quinta-feira.

Nelson Peltz publica seu caso completo contra a Disney. O investidor ativista compartilhou seu white paper delineando suas recomendações para recuperar o gigante da mídia; entre eles estão encontrar um parceiro para os ativos de transmissão de TV da Disney e abandonar os planos para lançar um novo serviço de streaming da ESPN que substituiria o ESPN +. O dossiê de 133 páginas de Peltz chega menos de um mês antes de os acionistas da Disney decidirem se lhe darão o controle de dois assentos no conselho.

As autoridades antitruste europeias finalmente enfrentaram a Apple, multando a fabricante do iPhone em US$ 2 bilhões por tentar impedir a concorrência no streaming de música. Um teste maior à capacidade da UE de restringir os gigantes da tecnologia ainda está por vir.

Na quinta-feira, entrará em vigor a Lei dos Mercados Digitais, destinada a garantir a concorrência entre plataformas digitais populares. Mas os céticos acham que gigantes da tecnologia como a Apple encontrarão maneiras de evitar serem encurralados.

O DMA representa um esforço agressivo para policiar a concorrência digital. A multa de segunda-feira cobria a questão restrita da Apple se mover para frustrar rivais como o Spotify no streaming de música. A nova lei deverá impedir que os “gatekeepers” das principais plataformas – incluindo Amazon, Apple, Google e Meta – utilizem o seu poder de mercado para bloquear novos participantes.

O custo do não cumprimento é elevado: os infratores do DMA podem ser forçados a pagar até 10% da sua receita global, ou até 20% por violações repetidas.

A Apple diz que cumprirá a lei, oferecendo várias opções para desenvolvedores de aplicativos que, segundo ele, poderiam reduzir suas taxas. Vários envolvem o pagamento à Apple de uma taxa por download quando seus aplicativos atingem um milhão de downloads por ano.

Mas os críticos dizem que a Apple procurou contornar as novas regras. Na Holanda e na Coreia do Sul, que adotaram legislação que exigia que os proprietários de lojas de aplicações permitissem sistemas de pagamento alternativos, o fabricante do iPhone concordou em abrir a sua loja de aplicações. Mas começou a cobrar uma comissão de 26 por cento daqueles que usam métodos de pagamento que não sejam da Apple, uma medida que o governo coreano disse que prejudicava sua lei.

Numa carta à Comissão Europeia publicada na semana passada, três dezenas de empresas argumentaram que a Apple estava a adoptar uma abordagem semelhante ao DMA “A Apple tem um histórico de contornar estas regras”. Daniel Ek, disse o cofundador e CEO do Spotify depois que a multa da UE foi anunciada na segunda-feira. “Ele continuará agindo da maneira que tem agido.”

A Apple tem recursos para lutar. A empresa disse que planeava recorrer da decisão de segunda-feira e poderia contestar as acusações feitas no âmbito do DMA. É importante notar que a gigante tecnológica ainda está a lutar contra outras punições governamentais, incluindo uma avaliação fiscal de 13 mil milhões de euros que a Comissão Europeia proferiu em 2016.


A SEC deverá votar amanhã uma nova regra que exigiria que as empresas divulgassem os riscos climáticos dos seus negócios, uma peça-chave da agenda verde da administração Biden.

Quando a proposta foi apresentada há dois anos, Gary Gensler, presidente da SEC, disse que ajudaria a salvaguardar “dezenas de biliões de dólares” do dinheiro dos investidores. Mas os especialistas em clima e os antigos comissários da SEC esperam que a medida tenha sido enfraquecida devido ao intenso lobby empresarial e a uma resistência conservadora mais ampla ao poder das agências.

A regra pretendia ajudar os investidores a avaliar os riscos climáticos. O dinheiro que flui para empresas que dão prioridade a princípios ambientais, sociais e de governação cresceu muito nos últimos anos, constituindo um enorme gerador de lucros para Wall Street. Mas os investidores ESG começaram a recuar ultimamente devido a preocupações com o greenwashing, os boicotes dos Estados vermelhos e a incerteza regulamentar.

Alguns temem que as regras silenciadas da SEC possam prejudicar a transparência. Outra questão: a Califórnia e a Europa avançaram com mandatos de divulgação agressivos, deixando as grandes empresas potencialmente a navegar numa confusão de regulamentações.

O que se espera que desapareça? O aspecto mais controverso que teria sido eliminado envolve as chamadas descargas de Escopo 3, que se aplicariam à maior parte das emissões de uma empresa. Mas medir o Escopo 3 envolve um exame dispendioso de toda a cadeia de valor dos fornecedores aos clientes.

O escopo 3 é uma “métrica de importância central para os investidores” e crítica para prevenir a lavagem verde, disse Allison Herren Lee, ex-presidente interina da SEC, ao DealBook. (Em 2021, ela pressionou por esse requisito.)

O que provavelmente está dentro? Espera-se que as emissões de Escopo 1 e Escopo 2, que medem a pegada direta de carbono de uma empresa, façam parte das novas regras, mas apenas se forem consideradas “materiais”. Essa qualificação deixa alguma margem de manobra para as empresas.

“Se a SEC, em última análise, deixar as decisões de divulgação climática para os executivos corporativos, essa será uma escolha política com um histórico infeliz”, disse Satyam Khanna, ex-consultor climático da SEC.

Mesmo regras diluídas podem desencadear uma batalha jurídica. Grupos empresariais desafiaram repetidamente a agenda ambiental da administração Biden nos tribunais.

A SEC será processada “com a mesma certeza com que o sol nasce no Leste”, disse Joseph Grundfest, professor da Faculdade de Direito de Stanford e ex-comissário da SEC.


96Fênix, membro da comunidade online WallStreetBets, sobre os planos de IPO do Reddit. O Reddit tem apostado no entusiasmo de seus usuários, mas alguns expressam reservas.


Mais de um ano depois de Elon Musk ter fechado a aquisição do Twitter (agora X) por 44 mil milhões de dólares, os desafios – e processos judiciais – estão a acumular-se.

Musk, que abriu seu próprio processo de grande sucesso na semana passada contra a OpenAI, já enfrentou uma montanha de problemas legais antes. Mas estas distrações surgem num momento especialmente difícil para o bilionário. Musk está enfrentando um êxodo de investidores na Tesla, sua fabricante de veículos elétricos, e os bancos que lhe emprestaram bilhões para comprar o Twitter há dois anos teriam se reunido com ele para discutir o refinanciamento dos termos.

Ex-executivos do Twitter são os últimos a aderir. Um dos primeiros atos de Musk depois de comprar a empresa foi demitir Parag Agrawal, seu CEO; Ned Segal, o CFO; Vijaya Gadde, chefe jurídico e político; e Sean Edgett, o conselheiro geral. Eles processaram Musk em US$ 128 milhões na segunda-feira, acusando-o de reter indenizações e privá-los de prêmios em ações não adquiridas quando ele tornou a empresa privada em outubro de 2022.

Musk acredita que os demitiu “por justa causa”. O processo cita Musk dizendo ao biógrafo Walter Isaacson que “caçaria” os executivos “até o dia em que morressem”.

“Este é o manual de Musk: ficar com o dinheiro que ele deve a outras pessoas e forçá-las a processá-lo”, escrevem os advogados dos executivos. “Mesmo na derrota, Musk pode impor atrasos, complicações e despesas a outros menos capazes de arcar com isso.”

O caso coloca os vários processos judiciais de Musk novamente no centro das atenções. Aqui estão mais alguns:

Ofertas

Política

O melhor do resto

Gostaríamos de receber seu feedback! Envie pensamentos e sugestões por e-mail para [email protected].

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *