Mon. May 27th, 2024

Quatro dias de reuniões económicas de alto nível entre os Estados Unidos e a China terminaram em Pequim na segunda-feira sem grandes avanços, mas as duas maiores economias do mundo concordaram em realizar mais discussões para resolver o crescente atrito sobre o comércio, o investimento e a segurança nacional.

No entanto, a conversa está prestes a tornar-se ainda mais difícil, à medida que as esperanças de uma maior cooperação económica colidem com uma dura realidade política: é um ano eleitoral nos Estados Unidos e a antipatia pela China é elevada. Ao mesmo tempo, as autoridades chinesas pareceram indiferentes ao pedido da secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, para que a China reduzisse o seu recente aumento nas exportações de tecnologia de energia verde, o que poderia ameaçar os empregos americanos.

Apesar das calorosas boas-vindas na sua segunda viagem à China como secretária do Tesouro, que incluiu reuniões com o primeiro-ministro e com altos funcionários económicos e financeiros, ficou evidente que o nível de confiança entre as duas partes não é profundo.

“Há muito mais trabalho a fazer”, disse Yellen numa conferência de imprensa em Pequim, na segunda-feira. “E ainda não está claro o que esse relacionamento irá durar nos próximos meses e anos.”

Yellen também se reuniu na segunda-feira com Pan Gongsheng, governador do Banco Popular da China. Ela já havia conversado na cidade de Guangzhou, no sul do país, com seu homólogo principal, o vice-primeiro-ministro He Lifeng. As duas partes concordaram em realizar mais discussões, inclusive sobre a promoção do “crescimento equilibrado”, uma referência à inundação de exportações da China que algumas autoridades argumentam estar a distorcer os mercados globais.

Várias questões sensíveis irão testar as novas linhas de comunicação que os Estados Unidos e a China têm trabalhado para cultivar.

A questão mais premente que provavelmente os dividirá nos próximos meses é como a administração Biden planeia abordar as preocupações de que as exportações chinesas de veículos eléctricos, baterias de iões de lítio e painéis solares representam uma ameaça às mesmas indústrias que os Estados Unidos estão a gastar. trilhões de dólares para desenvolver internamente.

Durante as suas reuniões com os seus homólogos chineses, Yellen tentou argumentar que a China deveria concentrar-se mais no investimento no consumo interno e alertou que inundar os mercados com exportações perturbaria as cadeias de abastecimento. A Europa, o México e o Brasil estão todos a prosseguir investigações anti-dumping contra a China que poderão levar a novas restrições comerciais, e a Sra. Yellen sugeriu que os Estados Unidos estavam preparados para proteger as suas indústrias emergentes.

A China negou subsidiar ilegalmente as suas novas exportações de energia e levantou preocupações sobre o que os seus responsáveis ​​consideram uma onda de proteccionismo injusto. Durante uma reunião no domingo entre Yellen e o primeiro-ministro Li Qiang em Pequim, Li recuou na questão das exportações chinesas. Ele disse que a questão deve ser vista de forma objectiva e “numa perspectiva de mercado”, apontando para a posição da China de que o aumento nas exportações é impulsionado pela procura global.

“A China espera que o lado dos EUA trabalhe com o lado chinês para aderir às normas básicas da economia de mercado de concorrência leal e cooperação aberta, e abster-se de politizar e securitizar nacionalmente as questões económicas e comerciais”, disse o Sr. em um resumo oficial da reunião divulgado pelo governo chinês. (No entanto, economistas e responsáveis ​​do comércio externo argumentam que a política industrial da China – incluindo empréstimos a juros baixos dos bancos estatais às fábricas e transferências de terras a baixo custo – ajuda as exportações do país.)

A perspectiva de tarifas americanas adicionais surge num momento em que a China procura uma reversão de algumas das que Washington impôs às importações chinesas durante a administração Trump.

Funcionários do Tesouro afirmaram que não fizeram quaisquer ameaças tarifárias durante as suas reuniões na China, mas observaram que vários outros países tinham iniciado investigações anti-dumping em resposta à enxurrada de exportações baratas de energia verde chinesa.

“Há poucas perspectivas de uma redução significativa das tarifas e outras restrições comerciais impostas por Washington, mas evitar qualquer nova escalada de hostilidades comerciais bilaterais abertas nos próximos meses seria por si só uma conquista para ambos os lados”, disse Eswar Prasad, um ex-chefe da divisão chinesa do Fundo Monetário Internacional.

Um alto funcionário do Tesouro que falou aos repórteres sob condição de anonimato, como é habitual em tais briefings do governo, disse que as autoridades chinesas expressaram preocupações sobre as medidas de segurança nacional dos EUA dirigidas à China. A administração Biden tem-se concentrado em impedir que a China tenha acesso a informações sobre os consumidores americanos; restringir o acesso da China à tecnologia, como os semicondutores, que poderia promover o avanço das suas forças armadas; e impedir que veículos eléctricos com componentes chineses sejam elegíveis para subsídios dos EUA através da Lei de Redução da Inflação de 2022.

Em Washington, o Congresso está a elaborar uma legislação que visa forçar a empresa chinesa ByteDance, sob ameaça de proibição americana, a vender a plataforma de redes sociais TikTok. As autoridades chinesas levantaram essa questão com Yellen durante as negociações, disse o funcionário do Tesouro. A administração Biden vê o TikTok como uma preocupação de segurança nacional, e o presidente Biden indicou que assinará o projeto de lei do TikTok se for aprovado.

Na segunda-feira, Yellen descreveu as conversações de segurança nacional com a China como “difíceis” e indicou que os Estados Unidos trabalhariam para sinalizar claramente os seus planos e intenções.

“Embora os EUA precisem de avaliar continuamente as suas medidas de segurança nacional, dado o ritmo rápido do desenvolvimento tecnológico, estamos empenhados em ‘não haver surpresas’”, disse Yellen.

A administração Biden enfrenta apelos de legisladores democratas e republicanos a nível nacional e local para medidas que visem dissociar as duas economias, através de restrições ao investimento e novas tarifas sobre as importações chinesas. Ao mesmo tempo, Pequim tem procurado garantias de Washington de que não pretende dissociar-se da China.

Yellen enfatizou na segunda-feira que, embora os Estados Unidos queiram proteger a segurança nacional, não procuram cortar o comércio e o investimento entre os dois países.

“As nossas duas economias estão profundamente integradas e uma separação generalizada seria desastrosa para ambas as nossas economias”, disse ela.

Si Yi Zhao contribuiu com reportagens de Seul.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *