Mon. May 27th, 2024

Na sexta-feira, nos arredores de Palm Springs, Califórnia, você pode ter pensado que uma estranha miragem havia aparecido: um ou dois zilhões de pré-adolescentes desceram sobre uma arena, todos usando plataforma Doc Martens.

Teria sido emitido algum comunicado oficial, com frequência indetectável para maiores de 25 anos? Todos foram subconscientemente incitados a combinar botas com meia arrastão e polainas?

Ninguém parecia se importar com o fato de estar quente. O que importava era que as botas, símbolos punk de rebeliões musicais passadas, eram fundamentais para o uniforme não oficial, mas visivelmente oficial, da Guts World Tour de Olivia Rodrigo, que começou naquela noite.

Cada turnê recente de uma grande estrela pop aparentemente deu origem a um microclima estético que acompanha o artista de show em show, geralmente evaporando quando a turnê termina. Vestir-se bem para shows não é novidade – veja os fãs do Grateful Dead em seus tie-dye, os fãs da Madonna dos anos 90 em seus trajes – mas as turnês de grande sucesso do verão passado aumentaram a aposta. Imagine aparecer na Eras Tour de Taylor Swift sem chapéu de cowboy ou participar da Renaissance Tour de Beyoncé sem parecer pelo menos um pouco com uma bola de discoteca brilhante.

Esses uniformes nascem do desejo dos fãs de imitar seus artistas favoritos e de se identificarem visualmente uns com os outros. Agora, a mídia social dá às pessoas a oportunidade de compartilhar e ver o que todo mundo está vestindo. E não faz mal que sites de comércio eletrônico como Amazon e Shein facilitem o pedido e o recebimento de um par de botas de lantejoulas até a coxa no tempo que Beyoncé leva para voar de Vancouver a Seattle.

Para os fãs de Dona Rodrigo, atual poetisa laureada pela vulnerabilidade adolescente, como seria o visual? Eles chegaram à primeira parada de sua Guts Tour mundial já vestidos em um uníssono surpreendente.

No estacionamento antes do show, os fãs esperavam em longas filas em todas as direções – pelo caminhão de mercadorias, pelos ingressos VIP, pelos porta-penicos – cada um deles um desfile lento. O roxo estava por toda parte. Borboletas também. Muitos seguiram o exemplo da cantora ao se inspirar na moda riot grrrl e grunge dos anos 90, como Lucy Elfelt, 14, que deu algumas dicas para sua mãe sobre como se vestir para imitar uma década que apenas uma delas realmente viveu.

“Ela disse, ‘Mãe, você não é grunge o suficiente’”, disse Alicia Elfelt, 49 anos. “Eu estou tipo, meu cabelo está roxo.”

O uniforme evocava a feminilidade amarrada em botas de combate, como se quisesse equipar quem a usava para o território acidentado da catarse emocional. Havia muitos detalhes femininos, como laços, espartilhos e minissaias com lantejoulas, mas não sem um sapato grosso ou um delineador sujo.

Para alguns, talvez tenha sido um reflexo da capacidade de Rodrigo de transformar as humilhações da adolescência em armas letais de composição. “É como se ela tivesse lido meu diário”, disse Bridget Lee, 20, sobre as canções da artista sobre se sentir ingênua, envergonhada, vingativa, insegura. “Cada música sou literalmente eu”, disse Diego Soriano, 19 anos. Outros dizem que se identificam com ela porque ela é pisciana, porque é descendente de filipinos ou porque fica brava com as mesmas coisas que eles fazem.

“Adoro o jeito que ela grita”, acrescentou Val Mok, 28 anos. “Tipo, a história da minha vida.”

Lee usou um vestido Betsey Johnson em camadas que encontrou no aplicativo de roupas de segunda mão Depop, simplesmente pesquisando “Olivia Rodrigo”. Ela e um grupo de outros nove superfãs vinham planejando suas roupas em um bate-papo em grupo há meses. Eles seguiram aquelas contas de mídia social que postaram atualizações emocionantes sobre cada novo produto da turnê? Eles riram. “Nós são as contas”, disse um deles.

Muitos fãs veem o senso de moda de Rodrigo como um símbolo lisonjeiro da Geração Z. Mas Tegan Astani, 18 anos, disse que alguns alunos de sua escola de artes achavam que Rodrigo era “básico”. De quem é a música que eles ouvem? Eles preferem artistas menos conhecidos, disse Astani: “Você já ouviu falar do Led Zeppelin?”

Quando as portas se abriram, às 18h, um desfile de arcos roxos invadiu a arena. Natalia Adams, 20 anos, sentou-se entre os pais, que ficaram maravilhados com a juventude da multidão. Seu pai, Matt Adams, 58, comentou que havia uma longa fila para comprar cones de neve, mas nenhuma fila para comprar cerveja.

Poucos dias antes, quando Dona Rodrigo lançou copos comemorativos para seu aniversário de 21 anos, um usuário do X, anteriormente conhecido como Twitter, respondeu que nunca tinha visto uma fã de Olivia Rodrigo com idade legal para beber: “O que eles vão levar doses de… suco???” Não era exagero: uma criança de 7 anos estava sentada na última fila com os ouvidos cobertos por enormes fones de ouvido roxos.

Quando os fãs se vestem da mesma forma, como alguém se destaca? Mok construiu uma roupa inteira em torno da letra do artista “Garrafas de Coca-Cola que eu só uso para enrolar o cabelo”. Astani costurou uma roupa de líder de torcida baseada em uma fantasia do videoclipe de Rodrigo para “good 4 u”.

Outros ficaram perfeitamente felizes por estarem vestidos como todos os outros, por terem um sentimento de pertencimento que tanto um fandom quanto um código de vestimenta podem permitir. Às vezes, a cutucada vem de cima: Beyoncé chegou ao ponto de incentivar os fãs a usarem itens prateados em sua turnê. Se a Sra. Rodrigo não oferecesse instruções tão específicas, suas postagens no Instagram e seus produtos roxos claros davam dicas do tipo de visual que ela estava procurando.

Seus fãs acabaram interpretando essas pistas corretamente. Quando Dona Rodrigo subiu ao palco, ela usava a mesma plataforma Doc Martens que todos os outros.

“Alguém se vestiu bem?” ela perguntou a uma multidão gritando.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *