Mon. Feb 26th, 2024

As primárias presidenciais republicanas já terminaram?

Não exatamente, mas é uma pergunta razoável depois que as primeiras primárias do país em New Hampshire proporcionaram uma vitória clara para Donald Trump na noite passada. E se a sua definição de “acabou” é se Trump está agora no caminho certo para vencer sem uma disputa séria, a resposta é provavelmente “sim”.

Com quase toda a contagem feita, ele obteve 55% dos votos. Sua única rival remanescente, Nikki Haley, obteve 43 por cento.

A margem de vitória de 12 pontos de Trump não é extraordinariamente impressionante por si só. Na verdade, ele venceu por uma margem menor do que sugeriam muitas pesquisas pré-eleitorais.

O que torna a vitória de Trump tão importante – e o que levanta a questão sobre se a corrida acabou – é que New Hampshire foi a melhor oportunidade de Haley para mudar a trajetória da corrida. Foi sem dúvida sua melhor oportunidade de ganhar um estado, ponto final.

Se ela não conseguisse vencer aqui, talvez não conseguisse vencer em lugar nenhum – nem mesmo em seu estado natal, a Carolina do Sul, onde a corrida acontece a seguir. E mesmo que ela vencesse em seu estado natal, ela ainda enfrentaria um caminho difícil.

Trump lidera as pesquisas nacionais por mais de 50 pontos percentuais, faltando apenas seis semanas para a Superterça, quando quase metade de todos os delegados à convenção republicana serão premiados. Sem uma mudança enorme, ele garantiria a nomeação em meados de março.

Por que New Hampshire era uma excelente oportunidade para ela?

  • As pesquisas: New Hampshire foi o único estado onde as pesquisas a mostraram a uma distância impressionante. Ela perdia por apenas 15 pontos no estado, em comparação com seu déficit de mais de 50 pontos em todo o país. Ela não está a menos de 30 pontos em nenhum outro estado, incluindo seu estado natal, a Carolina do Sul.

  • História: O estado tem um longo histórico de apoio a candidatos republicanos moderados e convencionais, incluindo John McCain e Mitt Romney. Trump venceu o estado com 35% dos votos em 2016, mas principalmente porque o voto moderado estava dividido.

  • O eleitorado: Haley se sai melhor entre os graduados universitários e os moderados, e o eleitorado de New Hampshire está cheio desses eleitores. O estado ocupa o oitavo lugar na parcela da população com ensino superior e, ao contrário de muitos estados, os eleitores não afiliados podem participar das primárias republicanas.

  • A mídia: As primeiras primárias do país em New Hampshire recebem muito mais atenção da mídia do que as competições posteriores. Oferecia a possibilidade – ainda que fraca – de que uma vitória pudesse mudar sua sorte em outro lugar.

Haley aproveitou todas essas vantagens ontem. Ela ganhou 74% dos moderados, de acordo com as pesquisas de boca de urna, junto com 58% dos graduados universitários e 66% dos eleitores que não eram republicanos registrados.

Mas não foi o suficiente. Haley perdeu para os republicanos por surpreendentes 74% a 25% – um grupo importante nas primárias republicanas. Os conservadores deram a Trump 70% dos votos. Eleitores sem diploma universitário apoiaram Trump por 2 a 1.

Noutras primárias republicanas, números como estes resultarão numa derrota. Conservadores, republicanos e eleitores sem diploma representarão uma parcela muito maior do eleitorado. Não existe um caminho credível para ela ganhar a nomeação de um partido conservador da classe trabalhadora e ao mesmo tempo ficar aquém entre os eleitores conservadores da classe trabalhadora.

Pior ainda, a força de Haley entre os independentes e os democratas tornará ainda mais difícil para ela expandir o seu apelo, já que Trump e outros republicanos retratarão a sua campanha como um cavalo de Tróia liberal.

Se Haley tivesse vencido em New Hampshire, a possibilidade de aproveitar o impulso para estados posteriores e ampliar seu apelo teria permanecido. Não mais. Em vez disso, é Trump quem tem o impulso. Ele ganhou em todo o país nas pesquisas realizadas desde os caucuses de Iowa. Mesmo autoridades republicanas céticas, vistas como os aliados mais prováveis ​​de Haley, como Tim Scott ou Marco Rubio, apoiaram o ex-presidente nos últimos dias.

Quer a corrida esteja “acabada” ou não, o resultado de New Hampshire coloca Trump num caminho confortável para a nomeação. Se ele for condenado por um crime, talvez perca a indicação na convenção. Mas pelas regras habituais das eleições primárias, não há muito tempo para a corrida mudar. Caso contrário, Trump poderá facilmente varrer todos os 50 estados.

Relacionado: “Agora está claro que Donald Trump será o candidato republicano”, disse o presidente Biden em comunicado. “As apostas não poderiam ser maiores.”

  • Trump não é um presidente em exercício, mas “é funcionalmente um titular e os eleitores estão reagindo a ele como tal”. Josh Kraushaar do Jewish Insider postado nas redes sociais.

  • “A batalha agora é entre o ex-presidente e o atual”, escreve Karen Tumulty do Washington Post. “O trabalho árduo entre agora e novembro será longo, sombrio e amargo.”

  • Ainda assim, os resultados de New Hampshire foram suficientemente próximos para sugerir “que estávamos apenas a algumas hipóteses de uma campanha mais competitiva”, argumenta Ross Douthat numa coluna do Times Opinion.

  • “As tentativas de Trump de demitir Haley podem servir para torná-la mais comprometida em permanecer”, escreve Monica Potts, do FiveThirtyEight.

  • Os hosts noturnos processaram o primário.

  • O senador Bob Menendez, um democrata de Nova Jersey que enfrenta acusações de corrupção, disse que o FBI “saqueou” sua casa em uma busca em 2022 que encontrou barras de ouro e meio milhão de dólares em dinheiro.

  • Legisladores de pelo menos 10 estados – incluindo Vermont – apresentaram ou estão a planear projetos de lei para tributar a riqueza. (Separadamente, mais de 250 bilionários e milionários pediram recentemente aos líderes mundiais que os tributassem mais, relata Quartz.)

Benny Gantz, um ex-general centrista que argumentou que Netanyahu prejudicou Israel, poderia tornar-se o seu substituto. Anshel Pfeffer tem um perfil.

A prática crescente de “golpear” funcionários públicos – usando falsas chamadas de emergência para atrair policiais armados para suas casas – ameaça a democracia americana, Bárbara McQuade escreve.

As acusações contra a promotora distrital Fani Willis colocam em risco o seu caso contra Trump. Ela deveria se afastar, Clark Cunningham argumenta.

Aqui estão colunas por Bret Stephens nos túneis de Gaza e Thomas Edsall em Trump.

São João Lipioni: Uma pequena cidade italiana tem a população média mais velha de um país envelhecido. Está tentando atrair novos residentes.

Uma eterna pergunta, respondida: Quanta batata um chip deve conter?

Levante-se e jante: Não é uma pessoa matinal? Essas 24 receitas podem ajudá-lo a sair da cama.

Olho para cima: Andar com o rosto enterrado em um smartphone afeta seu humor – e seu passo.

Vidas vividas: Charles Osgood apresentou o “CBS Sunday Morning” por 22 anos. Mas a sua paixão era a rádio, onde contava histórias não convencionais de formas não convencionais, muitas vezes em rima. Osgood morreu aos 91 anos.

NBA: O Milwaukee Bucks chocou a liga ao demitir seu técnico, Adrian Griffin, com apenas 43 jogos em seu mandato, que terminou com 30-13. O ex-técnico do Celtics e Sixers, Doc Rivers, é um dos principais candidatos para substituí-lo.

Beisebol: Adrián Beltré, Todd Helton e Joe Mauer foram eleitos para o Hall da Fama, anunciou a organização.

Uma doação única: O ex-quarterback do estado de Ohio, CJ Stroud, que agora joga no Houston Texans, doou uma grande quantia diretamente ao coletivo de nome, imagem e semelhança da escola, a primeira contribuição desse tipo publicamente conhecida.

A corrida começa: “Oppenheimer”, de Christopher Nolan, lidera o Oscar deste ano, com 13 indicações. “Barbie” ganhou oito, incluindo o de melhor filme – embora sua diretora, Greta Gerwig, e sua estrela, Margot Robbie, tenham sido notavelmente esquecidas. Os indicados para melhor filme são uma mistura eclética, com filmes estrangeiros – “Zone of Interest” e “Anatomy of a Fall” – ao lado de filmes independentes menores, como “Poor Things” e “The Holdovers”, e épicos como “Killers of the”, de Martin Scorsese. Lua Flor.”

Veja a lista completa dos indicados ao Oscar.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *