Wed. Feb 21st, 2024

O presidente enfrentava uma economia em desaceleração, uma multidão mortal e ameaças nucleares de um vizinho beligerante. Então veio um escândalo muito mais pessoal: imagens de câmeras espiãs que mostravam sua esposa aceitando uma bolsa Dior de US$ 2.200 como presente.

Rapidamente se transformou numa das maiores crises políticas para o presidente Yoon Suk Yeol da Coreia do Sul, que deixou a sua marca na política externa ao alinhar o seu país mais estreitamente com os Estados Unidos e o Japão, mas tem estado atolado em controvérsias internas. muitos deles envolvendo a primeira-dama, Kim Keon Hee.

O vídeo da Sra. Kim, que surgiu no final do ano passado, causou um desentendimento entre Yoon e um de seus tenentes de maior confiança. Isso abalou seu partido político – um membro sênior pediu desculpas à Sra. Kim e comparou-a a Maria Antonieta. E, como mostram as sondagens, tornou-se uma questão significativa antes das eleições parlamentares cruciais, numa atmosfera política cada vez mais polarizada.

Durante quase dois anos, a Sra. Kim desafiou a forma como esta sociedade profundamente patriarcal vê o papel do cônjuge presidencial. Ao contrário das anteriores primeiras-damas, que normalmente permaneciam na sombra do marido, ela deleitou-se com a atenção da mídia e até pressionou publicamente o governo de Yoon a proibir a criação e o abate de cães para consumo humano. Ela falou sobre a devoção do Sr. Yoon por ela, dizendo em 2022 que ele havia prometido cozinhar para ela e “cumpriu essa promessa durante a última década”.

Mas Kim também tem frequentemente gerado polêmica, às vezes de maneiras que, dizem os críticos, destacam sua influência indevida sobre o governo.

Em 2021, quando Yoon, um ex-promotor, fazia campanha para a presidência, ela pediu desculpas por inflar seu currículo para promover seu negócio de exposições de arte. Depois veio a divulgação de conversas com um repórter, que gravou secretamente a Sra. Kim sugerindo que ela estava profundamente envolvida na campanha de seu marido. Ela chamou o Sr. Yoon de “um tolo” que “não pode fazer nada sem mim”. Ela também declarou que retaliaria contra a mídia hostil “se eu tomar o poder”.

A Sra. Kim também enfrentou acusações de que estava envolvida em um esquema de manipulação de preços de ações antes da eleição do Sr. Em Dezembro, o Parlamento controlado pela oposição aprovou um projecto de lei que teria mandatado um procurador especial para investigar as alegações. Yoon, 63 anos, que assim como Kim, 51 anos, negou as acusações e vetou o projeto.

Yoon, que disse que sua “memória mais feliz” foi de se casar com Kim em 2012, não conseguiu seguir em frente com as filmagens da Dior.

O vídeo foi feito em setembro de 2022 por um pastor coreano-americano chamado Choi Jae-young com uma câmera escondida dentro de um relógio de pulso. A primeira notícia sobre o episódio veio mais de um ano depois, de um canal esquerdista do YouTube chamado Voice of Seoul, o mesmo meio de comunicação que divulgou o bate-papo da Sra.

A filmagem mostra Choi visitando Kim em seu escritório pessoal fora do complexo presidencial e entregando-lhe o presente.

“Por que você continua trazendo isso?” A Sra. Kim é ouvida dizendo. “Por favor, você não precisa fazer isso.”

Choi defende relações amistosas entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, enquanto Yoon assumiu uma postura mais agressiva em relação ao Norte. Ele disse que conheceu Kim quando Yoon estava concorrendo à presidência e recebeu um convite para a posse de Yoon em maio de 2022. Ele visitou o escritório de Kim um mês depois para agradecê-la e disse que lhe deu um Chanel de US$ 1.300. conjunto de presente de cosméticos.

Durante essa reunião, Choi disse que ouviu uma conversa na qual a Sra. Kim parecia estar desempenhando um papel na nomeação de um alto funcionário do governo. Ele disse que foi então que decidiu “expô-la”. Um repórter da Voice of Seoul forneceu-lhe a câmera espiã e a bolsa Dior de couro de bezerro azul-nuvem, e Choi enviou uma foto da bolsa Dior para a Sra.

Choi disse que, embora tenha pedido várias vezes para se encontrar com a primeira-dama, só lhe foi concedida uma audiência duas vezes e apenas quando a informou com antecedência que estava trazendo presentes caros. Os funcionários do governo e os seus cônjuges estão proibidos de aceitar presentes de valor superior a 750 dólares, mesmo que não esteja envolvido nenhum potencial conflito de interesses.

“O presente foi um ingresso para uma audiência com ela”, disse Choi.

No vídeo, a Sra. Kim também expressou o seu desejo de “envolver-me ativamente nas relações Sul-Norte-Coreanas”, levantando receios de que ela estivesse a ultrapassar o seu papel.

À medida que o escândalo se alastrava, a Sra. Kim evitou aparições públicas durante um mês e meio. O gabinete de Yoon, quando questionado se o presidente e a Sra. Kim tinham algum comentário sobre o assunto, disse que “não tinha nada a compartilhar”.

Kim não comentou publicamente as várias acusações contra ela desde seu pedido de desculpas em 2021, quando disse que “manteria o papel de esposa” se Yoon fosse eleito. Mas durante uma rara entrevista, com a Artnet News no ano passado, ela sinalizou uma mudança, dizendo que queria se tornar “uma vendedora de cultura K” e apoiar o Sr. Yoon e seu governo na “diplomacia cultural”.

Nas conversas gravadas pelo Sr. Choi e pela Voice of Seoul, ela pareceu negar as alegações de irregularidades, caracterizando-as como campanhas de difamação política.

Alguns dirigentes do Partido do Poder Popular, de Yoon, acusaram Choi de preparar uma “armadilha” para Kim e de cronometrar a divulgação do vídeo para influenciar as eleições de abril. Eles também disseram que a Sra. Kim não usou a sacola, que estava guardada em um repositório presidencial.

A maioria dos sul-coreanos, em pesquisas, afirma que foi inapropriado que Kim aceitasse a bolsa e afirma que quer uma investigação e uma explicação de Yoon.

“Esta é uma questão explosiva” porque lembra aos sul-coreanos a corrupção recorrente que desonrou a maioria dos ex-presidentes do país, disse Ahn Byong-jin, cientista político da Universidade Kyung Hee, em Seul.

Alguns membros do partido do Sr. Yoon exigiram um pedido de desculpas da Sra. Kim para controlar os danos. A oposição acusou a Sra. Kim de tráfico de influência e “manipulação de assuntos governamentais”. Yoon, acrescentaram, estava sendo excessivamente protetor com sua esposa, em total contraste com a perseguição agressiva de seu governo às acusações de corrupção contra Lee Jae-myung, o líder da oposição.

Yoon também foi criticado por seus aliados na mídia.

“Os conservadores deste país já não podem correr o ‘risco Kim Keon Hee’”, disse um colunista do diário conservador Dong-A Ilbo.

Com o aumento da pressão, o presidente do PPP, Kim Gi-hyeon, renunciou. Yoon o substituiu por um aliado próximo, Han Dong-hoon. Mas Han pareceu criticar a forma como o governo lidou com o escândalo e nomeou o alto funcionário que comparou Kim a Maria Antonieta, uma crítica que ressoou amplamente entre o público.

Yoon então exigiu a renúncia de Han, de acordo com a mídia local, mas na semana passada os dois homens pareciam ter firmado uma trégua desconfortável.

A maneira como lidaram com o escândalo mostrou quanta influência Kim exerce dentro do gabinete de Yoon, disseram analistas políticos. É por isso que os sul-coreanos brincam, disse Ahn, que “há dois VIPs no escritório de Yoon e o VIP número 1 é Kim Keon Hee”.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *