Tue. May 28th, 2024

A União Europeia levantou as sanções contra um magnata da tecnologia russo, numa rara ruptura com uma política de punir as elites do país pela invasão da Ucrânia.

Arkady Volozh, cofundador da maior empresa de tecnologia da Rússia, a Yandex, foi retirado da lista de indivíduos sancionados depois de condenar a invasão da Ucrânia e tomar medidas públicas para romper os laços com a Rússia. A decisão foi anunciada num documento publicado pelo Conselho Europeu na quarta-feira.

Volozh é uma das figuras russas mais proeminentes a ser inocentada de sanções por uma grande potência ocidental desde o início da guerra. A medida foi bem recebida por alguns membros da oposição russa, que apelaram ao Ocidente para que utilizasse incentivos, bem como sanções, para exercer pressão sobre o Kremlin.

“Há finalmente alguma lógica nas ações do Ocidente”, escreveu Abbas Gallyamov, ex-redator de discursos do Kremlin que se tornou consultor político, no aplicativo de mensagens Telegram. “Se você se manifestar contra” a guerra, acrescentou, “então as sanções serão levantadas”.

A União Europeia colocou Volozh e um dos seus deputados na lista de sanções nas primeiras semanas da guerra por promoverem a propaganda do Kremlin no serviço de agregação de notícias do Yandex. A Yandex, comumente conhecida como Google da Rússia, disse que não tinha escolha a não ser seguir as rígidas leis de censura da Rússia. Vendeu o serviço de notícias logo depois.

Volozh, que mora em Israel, renunciou ao Yandex após ser sancionado. Ele também parou de viajar para a Rússia e, no ano passado, emitiu uma forte condenação da guerra.

“A invasão da Ucrânia pela Rússia é bárbara e sou categoricamente contra ela”, disse Volozh num comunicado em Agosto.

A controladora da Yandex, na qual Volozh detém 8% das ações, fechou um acordo no mês passado no valor de cerca de US$ 5 bilhões para alienar todos os seus ativos na Rússia, que incluem um navegador popular e um aplicativo de carona. A venda foi aprovada pelos acionistas da Yandex na semana passada.

O porta-voz de Volozh não fez comentários imediatos sobre a decisão da UE.

Centenas de empresários, políticos e funcionários russos foram alvo de sanções ocidentais desde a invasão, parte de uma estratégia para aumentar o custo político do Kremlin para a continuação da guerra.

Mas alguns opositores do Kremlin disseram que o Ocidente pode aumentar as hipóteses de virar as elites russas contra o Presidente Vladimir V. Putin, combinando a punição com o alívio para aqueles que condenam publicamente a guerra.

Esse alívio tem sido raro. A Grã-Bretanha levantou as sanções contra o banqueiro russo Oleg Tinkov no ano passado, depois de este ter condenado a guerra e renunciado à sua cidadania russa. Ele pagou um preço interno pelas suas críticas – o governo ameaçou assumir o controle do banco que ele fundou, disse ele, forçando-o a vender sua participação pelo que chamou de preço de “venda imediata”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri S. Peskov, no ano passado chamou de “traidores” os empresários que se manifestam contra a guerra para obter alívio das sanções.

O alívio das sanções também se revelou controverso entre alguns dos opositores de Putin, que argumentam que poucos indivíduos na Rússia são capazes de alcançar riqueza ou poder sem formar laços estreitos com o governo.

No ano passado, um proeminente líder da oposição russa, Leonid Volkov, demitiu-se de um grupo anticorrupção que liderava depois de uma carta vazada parecer mostrá-lo fazendo lobby junto à União Europeia para remover as sanções impostas a um oligarca russo.

Volkov, que serviu como assessor sênior do líder da oposição Aleksei A. Navalny, disse em uma série de postagens nas redes sociais anunciando sua renúncia que estava errado ao pensar que o alívio das sanções poderia “criar uma reação em cadeia de condenações públicas do guerra e uma divisão nas elites russas.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *