Sat. Jun 15th, 2024

A Ucrânia atingiu um depósito de petróleo na Rússia em um ataque de drone na sexta-feira, disseram autoridades de ambos os lados, o mais recente de uma série de ataques recentes contra instalações petrolíferas russas, enquanto Kiev busca cada vez mais atacar infraestruturas críticas atrás das linhas russas.

Alexander Bogomaz, governador da região russa de Bryansk, que faz fronteira com a Ucrânia, disse que tanques de petróleo na cidade de Klintsy pegaram fogo depois que um drone lançou munições no depósito. O drone, acrescentou ele, foi derrubado por interferência eletrônica. Um oficial da inteligência ucraniana, falando sob condição de anonimato para discutir assuntos militares sensíveis, disse que a Ucrânia estava por trás do ataque.

O ataque de sexta-feira foi o quarto a uma instalação petrolífera russa nas últimas três semanas, no que os especialistas dizem ser um esforço da Ucrânia para causar reveses às capacidades militares da Rússia, visando as instalações que fornecem combustível para tanques, aviões de combate e outros equipamentos militares críticos.

“Os ataques a depósitos e instalações de armazenamento de petróleo perturbam as rotas logísticas e atrasam as operações de combate”, disse Olena Lapenko, especialista em segurança energética do DiXi Group, um think tank ucraniano. “A interrupção destes fornecimentos, que são como sangue para o corpo humano, faz parte de uma estratégia mais ampla para combater a Rússia no campo de batalha.”

É pouco provável que estes ataques tenham um impacto substancial na postura geral dos combates, em que a Rússia passou à ofensiva nos últimos meses. Mas continuam a ser importantes para a Ucrânia, que tem procurado formas de infligir danos longe da linha da frente, em grande parte num impasse. Sem armas e tropas suficientes para recuperar a iniciativa no terreno, Kiev recorreu cada vez mais a tácticas de guerrilha para perturbar as operações russas, incluindo actividades de sabotagem contra infra-estruturas ferroviárias e depósitos de munições.

Oleksandr Kamyshin, ministro das Indústrias Estratégicas da Ucrânia, disse na quinta-feira que uma “guerra assimétrica” estava em curso. Ele assumiu a responsabilidade por um ataque que teve como alvo uma instalação de armazenamento de petróleo em São Petersburgo na quinta-feira, que, segundo ele, envolveu um drone produzido internamente que voou 1.250 quilômetros, ou cerca de 775 milhas.

“Tenho certeza de que veremos cada vez mais coisas acontecendo este ano”, disse Kamyshin durante um painel de discussão no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

Embora o ataque de São Petersburgo não parecesse ter causado danos graves, as imagens do depósito de petróleo de Klintsy mostraram um grande incêndio entre vários tanques. A agência de notícias estatal russa TASS disse que o incêndio cobriu uma área de cerca de 1.000 metros quadrados, e que quatro tanques de gasolina estavam queimando.

Bogomaz, o governador russo, disse numa publicação nas redes sociais que mais de 140 bombeiros estavam a tentar extinguir o incêndio. Ele divulgou um vídeo mostrando-os borrifando água em tanques de petróleo enegrecidos, dos quais subiam enormes nuvens de fumaça preta.

A infra-estrutura energética tem sido um importante teatro da guerra. No Inverno passado, a Rússia atacou as instalações energéticas da Ucrânia com drones e mísseis, mergulhando os ucranianos no frio e na escuridão, no que foi visto como uma tentativa de Moscovo de transformar o inverno numa arma e desmoralizar a população. A Ucrânia conseguiu sobreviver aos ataques graças aos sistemas de defesa aérea fornecidos pelo Ocidente e ao trabalho ininterrupto dos engenheiros para reparar equipamentos vitais.

A Ucrânia, numa escala menor, tem como alvo a infra-estrutura russa de petróleo e gás desde o início do conflito. Mas a recente vaga de ataques pode indicar que as infra-estruturas energéticas se tornaram agora um objectivo crítico para Kiev.

Dois outros ataques de drones, em 29 de dezembro e 9 de janeiro, resultaram em incêndios numa refinaria na região de Krasnodar, no sudoeste da Rússia, e numa instalação de combustível em Oryol, uma cidade não muito longe de Klintsy. Em ambas as ocasiões, os militares ucranianos assumiram a responsabilidade nos meios de comunicação ucranianos.

Ao visar instalações petrolíferas, a Ucrânia não está apenas a tentar interromper o fornecimento aos militares russos, mas também a visar activos que gerem receitas substanciais para apoiar o esforço de guerra de Moscovo.

Lapenko, especialista em segurança energética, disse que Moscou ganhou mais de US$ 400 bilhões com exportações de petróleo desde o início da guerra. A Rússia conseguiu, em parte, contornar as sanções internacionais, utilizando serviços financeiros alternativos e até investindo numa frota “sombra” para exportar o seu petróleo clandestinamente.

“Vemos que as sanções impostas não funcionam de forma suficientemente eficaz, por isso o agressor ainda recebe fundos suficientes para travar a guerra”, disse Lapenko.

Além dos ataques a instalações petrolíferas, Kiev lançou pelo menos quatro ataques contra subestações eléctricas desde Setembro, alguns dos quais levaram a cortes de energia para civis, segundo as autoridades locais russas. O exército ucraniano afirma que ataca apenas instalações eléctricas directamente ligadas à campanha militar da Rússia.

Várias autoridades ucranianas disseram nos últimos meses que a Ucrânia responderia aos ataques de Moscovo a infra-estruturas críticas.

“Deixe-os começar. Eles também receberão uma resposta”, disse Kyrylo Budanov, chefe da inteligência militar da Ucrânia, à revista The Economist em Setembro, acrescentando que os seus serviços estavam a trabalhar numa campanha limitada de dissuasão e retaliação.

Daria Mitiuk relatórios contribuídos.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *