Wed. Feb 21st, 2024

Um ataque ucraniano atingiu um navio de guerra russo atracado na Crimeia na manhã de terça-feira, no que parecia ser um dos ataques mais significativos contra a valiosa frota de Moscou no Mar Negro em meses.

A Força Aérea Ucraniana disse em comunicado que destruiu o Novocherkassk, um grande navio de desembarque, no porto de Feodosia, no sudeste da Crimeia, durante a noite. O Ministério da Defesa da Rússia disse à agência de notícias estatal Tass que o navio foi danificado num ataque com “mísseis guiados por aeronaves”, mas não informou se o navio foi permanentemente desativado.

Vídeos do ataque que pareciam ter sido feitos por residentes locais e divulgados pela Força Aérea Ucraniana mostraram uma enorme explosão que produziu uma grande bola de fogo, seguida por uma nuvem gigante de fumaça e fogo subindo para o céu noturno. As imagens não puderam ser verificadas imediatamente, mas Sergei Aksyonov, o governador da Crimeia empossado pela Rússia, disse que o ataque iniciou um incêndio em Feodosia. Uma pessoa foi morta e outras duas ficaram feridas no ataque, acrescentou.

“A frota na Rússia está ficando cada vez menor!” Mykola Oleshchuk, comandante da Força Aérea da Ucrânia, escreveu em um post no aplicativo de mensagens Telegram comemorando o ataque, que ele observou ter acontecido depois que mísseis ucranianos afundaram a nau capitânia da Frota Russa do Mar Negro no ano passado.

Os militares ucranianos há muito que sustentam que a guerra não pode ser vencida sem visar os activos e as operações russas na Crimeia, que Moscovo anexou ilegalmente em 2014.

Nos últimos meses, a Ucrânia acelerou drasticamente o ritmo dos ataques na península, que os militares russos utilizam como centro logístico para o seu domínio no sul da Ucrânia – armazenando combustível, munições e outros fornecimentos para serem canalizados para os campos de batalha – mas também como plataforma de lançamento. pelos ataques à Ucrânia.

A Frota do Mar Negro tem sido usada para lançar ataques devastadores com mísseis de cruzeiro de precisão nas profundezas da Ucrânia. Numa tentativa de reduzir a ameaça, os militares ucranianos atacaram repetidamente a frota este ano – alegando em Setembro ter matado o seu comandante.

Esses ataques foram conquistas significativas para um país sem navios de guerra próprios e raros sucessos num ano marcado por esforços decepcionantes para romper as linhas defensivas russas no campo de batalha.

A Força Aérea Ucraniana disse que usou mísseis de cruzeiro no ataque de terça-feira, que ocorreu por volta das 2h30, horário local. A mídia russa informou que o Novocherkassk, de 360 ​​pés de comprimento, era capaz de transportar até 10 tanques e 340 soldados.

Os militares ucranianos disseram suspeitar que o navio transportava drones de ataque de fabricação iraniana para uso na guerra. Natalia Humeniuk, porta-voz do exército ucraniano no sul, disse à televisão nacional que “está claro que uma detonação tão grande não foi causada apenas pelo combustível ou pela munição do próprio navio”.

Andrii Klymenko, chefe do Instituto de Estudos Estratégicos do Mar Negro, concorda. “A julgar pelo vídeo da explosão, que foi muito poderosa, ela carregava explosivos: ou projéteis ou mísseis, ou, como algumas pessoas dizem, drones”, escreveu ele em uma mensagem de texto.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *