Sat. Jun 15th, 2024

O Tribunal Constitucional do Uganda confirmou na terça-feira em grande parte uma lei anti-gay abrangente que o Presidente Yoweri Museveni assinou no ano passado, minando os esforços de activistas e grupos de direitos humanos para abolir a legislação que atraiu a condenação mundial e prejudicou a relação da nação da África Oriental com o Ocidente.

A legislação, que foi sancionada por Museveni em maio, prevê prisão perpétua para qualquer pessoa que pratique sexo gay. Qualquer pessoa que tente ter relações com pessoas do mesmo sexo pode pegar até uma década de prisão.

O Uganda enfrentou consequências internacionais pela aprovação da lei, com o Banco Mundial a suspender todos os novos financiamentos e os Estados Unidos a imporem sanções e restrições de vistos a altos funcionários do Uganda. Mas a lei era popular no Uganda, uma nação sem litoral com mais de 48 milhões de habitantes, onde líderes religiosos e políticos investem frequentemente contra a homossexualidade.

As consequências para o Uganda serão observadas de perto noutros países africanos onde o sentimento anti-gay está a aumentar e a legislação anti-gay está a ser considerada, incluindo o Quénia, a Namíbia, a Tanzânia e o Sudão do Sul. Em Fevereiro, o Parlamento do Gana aprovou uma lei anti-gay, mas o presidente do país disse que não a assinaria até que o Supremo Tribunal decidisse sobre a sua constitucionalidade.

No caso do Uganda, Frank Mugisha, um proeminente activista dos direitos humanos e um dos peticionários, disse que iriam recorrer da decisão do Tribunal Constitucional para o Supremo Tribunal.

A lei no Uganda decreta a pena de morte para qualquer pessoa condenada por “homossexualidade agravada”, um termo abrangente definido como atos de relações entre pessoas do mesmo sexo com menores ou pessoas com deficiência, aqueles realizados sob ameaça ou enquanto alguém está inconsciente. Mesmo ser acusado do que a lei chama de “tentativa de homossexualidade agravada” acarreta uma pena de prisão de até 14 anos.

A aprovação da lei – que também impõe multas severas às organizações condenadas por promoverem a homossexualidade – alarmou os defensores dos direitos humanos, que disseram que daria um novo impulso à introdução de leis draconianas equivalentes noutras nações africanas. O Uganda está entre os países africanos que já proíbem o sexo gay, mas a nova lei cria crimes adicionais e prescreve penas muito mais punitivas.

As Nações Unidas, juntamente com grupos locais e internacionais de direitos humanos, afirmaram que a lei entrava em conflito com a Constituição do Uganda e que muito provavelmente seria utilizada para assediar e intimidar a sua população LGBTQ.

A lei foi introduzida pela primeira vez no início de Março por um legislador que disse que a homossexualidade estava a tornar-se generalizada e a ameaçar a santidade da família do Uganda. Alguns legisladores também alegaram que os seus eleitores os tinham notificado de alegados planos para promover e recrutar crianças em idade escolar para a homossexualidade – acusações que grupos de defesa dos direitos humanos consideraram falsas.

O sentimento anti-gay prevalece entre legisladores muçulmanos e cristãos e líderes religiosos de ambas as religiões. Dizem que a homossexualidade é uma importação ocidental e realizaram manifestações para mostrar apoio à lei antes de esta ser aprovada.

Poucas semanas depois de ter sido apresentada no Parlamento, a lei foi rapidamente aprovada, com apenas dois legisladores a oporem-se.

Activistas, académicos e advogados de direitos humanos que contestaram a lei em tribunal disseram que ela violava não só a Constituição do Uganda, que garante o direito à privacidade e a liberdade contra a discriminação, mas também tratados internacionais, incluindo a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. Argumentaram também que a lei foi aprovada demasiado rapidamente pelo Parlamento, sem tempo suficiente para a participação pública.

Grupos de direitos humanos afirmaram que desde que a lei foi introduzida e aprovada, os LGBTQ ugandeses têm enfrentado intensa violência e assédio.

A Convening for Equality, uma coligação de grupos de direitos humanos no Uganda, documentou centenas de violações e abusos de direitos, incluindo detenções e exames anais forçados. Gays e transexuais do Uganda também foram expulsos das suas casas e espancados por familiares – forçando muitos a fugir para países vizinhos como o Quénia. No início de Janeiro, Steve Kabuye, um proeminente defensor dos direitos dos homossexuais, foi esfaqueado num ataque que, segundo os activistas, foi estimulado pela homofobia ligada à lei. Desde então, Kabuye fugiu para o Canadá com a ajuda de uma organização não governamental.

A aprovação da lei também trouxe repercussões rápidas para Uganda. Os especialistas em saúde também temiam que a lei pudesse dificultar o acesso médico dos homossexuais, especialmente aqueles que procuram testes, prevenção e tratamento do VIH.

Os Estados Unidos disseram que restringiriam os vistos para atuais e ex-funcionários de Uganda que se acredita serem responsáveis ​​pela implementação da política anti-homossexual. A administração Biden também emitiu um comunicado comercial para o Uganda e retirou o país de um programa especial que permite o acesso isento de impostos aos produtos africanos aos Estados Unidos.

O Banco Mundial, citando a lei anti-gay, também disse em Agosto que iria suspender todo o financiamento futuro ao Uganda. As pressões económicas continuaram a aumentar, com os viajantes e investidores estrangeiros a manterem-se afastados do Uganda.

Antes da decisão, Museveni permaneceu publicamente desafiador, mas analistas e diplomatas disseram que ele estava particularmente preocupado com o facto de o seu país ser rotulado de pária e com as repercussões económicas devastadoras que isso estava a causar.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *