Mon. Feb 26th, 2024

O tribunal superior das Nações Unidas decidiu na sexta-feira que iria abordar a questão de saber se a Ucrânia cometeu genocídio nas regiões de Donetsk e Luhansk, uma acusação que está no centro do argumento da Rússia para a sua invasão em grande escala em 2022.

A decisão foi tomada num caso levado pela Ucrânia ao Tribunal Internacional de Justiça. O tribunal disse que a alegação da Ucrânia de que não havia provas credíveis de que Kiev era “responsável por cometer genocídio” nas suas regiões de Donetsk e Luhansk era admissível e que iria examinar essa alegação com base nos seus méritos.

O caso, que provavelmente levará muitos meses para ser concluído, dará uma resposta legal a uma das principais alegações feitas pela Rússia contra a Ucrânia – que Kiev tem cometido genocídio contra os falantes de russo no leste do país.

No seu discurso de fevereiro de 2022 que anunciou a invasão da Ucrânia, o presidente Vladimir V. Putin disse que o objetivo da “operação militar especial”, como a Rússia chamou a guerra, era “proteger as pessoas que, há oito anos, têm sido enfrentando a humilhação e o genocídio perpetrados pelo regime de Kiev.”

A Ucrânia denunciou as alegações de genocídio da Rússia na altura, chamando-as de “manipulativas”. Pouco depois da invasão, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia disse que serviram de desculpa para a “agressão ilegal” da Rússia.

Dois dias após o ataque russo, a Ucrânia levou o seu caso ao tribunal, com sede em Haia, nos Países Baixos, argumentando que a alegação de genocídio era falsa e, portanto, o uso da força pela Rússia contra ela era uma violação da Convenção do Genocídio.

Na sua decisão de sexta-feira, o tribunal rejeitou a jurisdição sobre essa alegação da Ucrânia, bem como a sua alegação de que Moscovo violou a convenção ao reconhecer as repúblicas separatistas no leste da Ucrânia como estados independentes. Mas o painel de 16 juízes disse que decidirá se a Ucrânia cometeu genocídio nas regiões de Donetsk e Luhansk.

Na Rússia, a decisão do tribunal foi celebrada como uma vitória. O Ministério dos Negócios Estrangeiros do país afirmou num comunicado que o caso da Ucrânia “desmoronou” e que o governo de Kiev “se colocou no banco dos réus” e “deu um tiro no próprio pé”.

Mas se o tribunal decidir a favor da Ucrânia, isso rejeitaria a alegação da Rússia de que Kiev cometeu genocídio contra os falantes de russo no leste do país, o que tem estado no centro do argumento de Moscovo a favor da invasão e da hostilidade geral para com o governo ucraniano. As decisões do tribunal são juridicamente vinculativas, mas não há forma de as aplicar.

Em 2021, último ano antes da invasão, 25 pessoas foram mortas nas zonas orientais e 85 ficaram feridas devido ao conflito, segundo um relatório da ONU.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *