Mon. May 27th, 2024

Uma pequena faixa de terra imprensada entre a Ucrânia e a Moldávia pediu na quarta-feira à Rússia que lhe fornecesse protecção, repetindo em miniatura o cenário altamente inflamável representado pelas regiões do leste da Ucrânia agora ocupadas por Moscovo.

O apelo à protecção russa por parte da Transnístria, um microestado autodeclarado mas não reconhecido internacionalmente na margem oriental do rio Dniester, aumentou as tensões que datam do colapso da União Soviética. O território, em grande parte de língua russa, separou-se da Moldávia e, após uma breve guerra em 1992, criou o seu próprio governo nacional.

O apelo a Moscovo foi feito numa sessão especial do Congresso dos Deputados da Transnístria, uma assembleia de estilo soviético que raramente se reúne. Na sua última sessão, em 2006, a assembleia pediu para ser anexada pela Rússia, embora Moscovo não tenha dado seguimento a esse pedido.

O último apelo à Rússia ocorreu um dia antes do discurso sobre o estado da nação em Moscou pelo presidente Vladimir V. Putin.

O Congresso da Transnístria apelou às duas câmaras do Parlamento russo para que tomassem medidas não especificadas “para proteger a Transnístria face à pressão crescente” da Moldávia, dado que “mais de 220.000 cidadãos russos residem permanentemente na região”.

Os noticiários russos citaram Vadim Krasnoselsky, o presidente professo do enclave, a pedir ajuda de Moscovo porque “uma política de genocídio está a ser aplicada contra a Transnístria”. Alegações incendiárias semelhantes e sem provas foram feitas durante anos por representantes russos no leste da Ucrânia e usadas por Moscovo para ajudar a justificar a sua invasão em 2022.

Mas a Transnístria não chegou a solicitar a anexação pela Rússia – algo que a Moldávia temia que pudesse fazer – e também apelou à ajuda do Parlamento Europeu, da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa e da Cruz Vermelha.

O primeiro vice-presidente da Comissão de Assuntos Internacionais da Legislatura Russa, Aleksei Chepa, disse à agência de notícias Interfax que a Transnístria estava a pedir assistência económica e não militar.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, acusou a Moldávia e o Ocidente de alimentar desnecessariamente as tensões com especulações sobre uma possível anexação russa. “A NATO está literalmente a tentar moldar outra Ucrânia”, disse ela, acrescentando que isto “era contrário às atitudes da maioria da população moldava”.

Ao contrário das regiões ucranianas que Putin declarou no ano passado como parte da Rússia, a Transnístria fica a centenas de quilómetros das fronteiras da Rússia e está cercada por todos os lados pela Ucrânia e pela Moldávia, ambas hostis a Moscovo.

A Rússia tem uma base militar no enclave, tripulada por uma suposta força de manutenção da paz de cerca de 1.500 pessoas, estacionada no território desde 1992.

Mas a força, que costumava receber entregas de equipamento e alimentos através do porto ucraniano de Odesa, viu os seus fornecimentos cortados desde o início da invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia, há dois anos. A Ucrânia selou a sua fronteira com a Transnístria, deixando a Moldávia, cujas fronteiras reconhecidas internacionalmente incluem o território, como a única forma de entrada ou saída.

As tensões sobre a Transnístria têm aumentado e diminuído desde o início da década de 1990, quando se tornou um dos chamados conflitos congelados deixados pela retirada de Moscovo do império durante o colapso do poder soviético. É reconhecido como um estado apenas pela Abkhazia e pela Ossétia do Sul, duas outras antigas regiões da União Soviética que também declararam a condição de Estado e não têm reconhecimento internacional.

Até recentemente, o risco de um novo conflito parecia distante devido às extensas trocas comerciais e outras entre o enclave e a Moldávia.

O governo da Transnístria, com falta de suprimentos, tem ficado cada vez mais ansioso nas últimas semanas quanto ao seu futuro, acusando a Moldávia de “destruir” a sua economia e de “violar os direitos humanos e as liberdades na Transnístria”.

As suas queixas ecoaram as feitas pelas regiões orientais da Ucrânia de Donetsk e Luhansk, que, apoiadas por tropas russas e oficiais de inteligência, declararam-se estados separados em 2014 e ajudaram a fornecer um pretexto para a invasão da Rússia em 2022.

Alguns analistas consideram que o pedido de protecção da Transnístria visa principalmente desestabilizar o governo pró-Ocidente na Moldávia, que Moscovo tem trabalhado durante meses para derrubar através de representantes como Ilan Shor, um milionário moldavo exilado e fraudador condenado.

Shor, que fugiu para Israel para evitar uma pena de prisão por fraude e lavagem de dinheiro, financiou protestos antigovernamentais e uma campanha bem-sucedida para governador no ano passado, levada a cabo por um político pró-Rússia no sul da Moldávia. Ele e os seus apoiantes exigem que a Moldávia, uma das nações mais pobres da Europa, abandone as suas ambições de aderir à União Europeia, que lhe ofereceu o “estatuto de candidato” em 2022, e em vez disso junte-se a um bloco económico liderado pela Rússia.

Anton Troyanovski relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *