Mon. Jun 24th, 2024

As saunas no estado, parte de uma tradição com raízes em 1800, tornaram-se especialmente populares desde a pandemia, à medida que mais pessoas procuravam uma experiência comunitária.

POR QUE ESTAMOS AQUI

Estamos explorando como a América se define, um lugar de cada vez. Para as pessoas em Minnesota, a sauna é uma ligação com o passado e uma forma de formar novos vínculos.


Tremer em lagos congelados e suar em saunas durante horas ajudou Ernesto Londoño a fazer as pazes com os invernos de Minnesota, que foram um choque para o sistema quando ele se mudou do Brasil há dois anos.

Pular em um buraco em um lago congelado durante uma noite de inverno abaixo de zero em Minnesota é brutal. Seu corpo tem espasmos e você começa a hiperventilar. A dor é mais aguda nos dedos dos pés e das mãos, à medida que a pele fica rosa brilhante. Com os dentes batendo incontrolavelmente, você se pergunta: O que diabos eu estava pensando?

Nas margens do Lago Minnewashta, em Excelsior, nos arredores de Minneapolis, a resposta está em uma sauna mal iluminada em forma de barril a lenha, a poucos metros de distância. Lá dentro, um bando de estranhos compartilhou risadas, palavras de encorajamento e suspiros audíveis de alegria em uma noite recente, enquanto nos revezávamos pedalando entre a água gelada e o refúgio fumegante a 190 graus.

Os habitantes de Minnesota começaram a participar em massa de uma versão desse ritual, à medida que uma tradição importada pelos colonos nórdicos do estado no final do século XIX se tornou popular. Desde 2000, e particularmente após a pandemia de Covid-19, tem havido uma explosão de empreendimentos de sauna em Minnesota e no centro-oeste superior, atendendo às fileiras crescentes que passaram a amar o ritual do ciclo de suor congelado. Embora a imersão no frio não seja obrigatória – e alguns optam por não participar – a maioria dos novos locais de sauna incentiva até mesmo formas leves de exposição ao frio, como despejar um balde de água fria na cabeça.

Os fabricantes de saunas de quintal estão lutando para atender à demanda. Watershed Spa, um balneário sofisticado em Minneapolis, costuma ter uma lista de espera de meses para reservas. Algumas empresas alugam saunas em trailers que podem ser entregues em residências e cabanas no lago.

Há saunas flutuantes, academias temáticas de sauna, sessões meditativas de sauna guiadas em hotéis de luxo e até saunas em barracas portáteis que podem ser transportadas em canoas. Entre as ofertas lançadas neste inverno – que tem sido excepcionalmente ameno em Minnesota – está o Sauna Camp, que oferece passes sazonais e diários para usar suas 10 saunas perto do Lago Minnewashta.

O seu slogan – “O inverno é o novo verão” – pode soar como uma hipérbole, admitiu o cofundador Luis Leonardo, um imigrante guatemalteco que se mudou para Minnesota em 2013 e foi abalado pelos seus dois primeiros invernos de gelar os ossos.

“Esta é a minha estação favorita do ano agora!” exclamou Leonardo, 44, um personal trainer que recentemente também abriu uma academia com tema de sauna. “Você não pode me pagar o suficiente para sair de Minnesota durante o inverno.”

Muitos minnesotanos que se tornaram aficionados pela sauna disseram que foram inicialmente atraídos por relatos sobre os benefícios para a saúde física e mental de submeter regularmente o corpo a frio e calor extremos. Para os recém-chegados, os ciclos de frio e calor extremos podem ser esmagadores no início. Mas com a prática fica mais fácil e muitas vezes induz um estado meditativo.

Aqueles que adotaram isso como um hábito regular disseram que passaram a valorizar profundamente os laços íntimos que os espaços abarrotados e suados promovem.

A pandemia impulsionou a indústria de saunas do estado, já que muitos minnesotanos construíram saunas domésticas durante a fase de bloqueio e, mais tarde, famintos por conexão humana, reuniram-se para reuniões de banho comunitárias, disse Glenn Auerbach, fundador e editor do SaunaTimes, que cobre a indústria.

“Hoje em dia posso atirar um pedaço de pau e acertar um construtor de sauna”, disse Auerbach, 60 anos, que tem uma sauna em seu quintal em Minneapolis e outra em uma cabana no lago.

As sementes deste renascimento foram plantadas no final dos anos 1800, quando imigrantes da Suécia, Noruega e Finlândia se estabeleceram no Minnesota para assumir empregos árduos em minas, fábricas e quintas. As saunas comunitárias construídas nas cidades tornaram-se locais de encontro para novos imigrantes, disse Justin Juntunen, um descendente de finlandeses que se mudou para o estado na década de 1880.

Muitos desses colonos compraram terras agrícolas alguns anos após a sua chegada, disse Juntunen, muitas vezes priorizando a construção de saunas rústicas a lenha antes de construírem casas.

“Muita vida aconteceu lá: bebês nasceram lá, famílias cresceram lá, histórias foram contadas lá e os mortos foram preparados para serem enterrados lá”, disse Juntunen, 37, que em 2020 fundou a Cedar and Stone Nordic Sauna em Duluth, que oferece experiências de sauna privadas e comunitárias. “Todo esse espectro de vida aconteceu neste pequeno espaço quente.”

A cultura da sauna em Minnesota permaneceu vibrante nas décadas seguintes, principalmente entre as famílias que as construíram em casas e cabanas à beira do lago. Várias saunas e balneários públicos resistiram durante décadas nas cidades, até que a crise da SIDA levou as autoridades a fecharem muitas delas às pressas, devido à preocupação de que se tivessem tornado locais de encontro populares para homens homossexuais, disse Juntunen.

A noção de que as saunas eram locais de “má reputação” ainda era amplamente difundida quando John Pederson, um saunapreneur de Minneapolis – sim, é assim que eles se autodenominam – estabeleceu uma cooperativa de saunas em 2016, alguns anos depois de construir uma pequena casa que incluía uma sauna. Os hóspedes de primeira viagem muitas vezes chegavam com reservas.

“Havia olhares e piadas sobre estar nu”, disse Pederson, 41 anos, que dirige a Thermaculture, que oferece sessões ritualísticas de sauna guiadas em vários locais. Mas logo as pessoas ficaram fisgadas. “Eu tinha uma lista de espera e era anfitrião quase todas as noites da semana”, acrescentou. (A nudez em saunas comunitárias, antes comum, não é a norma atualmente em Minnesota.)

Darin Mays nunca tinha pensado muito em saunas até se mudar para uma casa do outro lado da rua do Sr. Auerbach, o editor do SaunaTimes, que o convidou. As conversas que os dois tiveram, pingando suor, foram singularmente profundas, disse Mays.

“À medida que nos tornamos mais baseados na tecnologia, perdemos realmente aquele aspecto especial de ter essa ligação humana com as pessoas”, disse Mays, 40 anos. não percebi que poderia ser preenchido.

As muitas horas que passou em saunas foram catárticas e esclarecedoras, disse Mays, estimulando-o a parar de tomar um medicamento psiquiátrico para ansiedade. Depois de deixar um emprego corporativo em uma empresa de saúde no final de 2020, Mays começou a construir saunas leves e translúcidas – um empreendimento que realizou um sonho de infância de “ser um inventor”.

A paixão pelas saunas o levou a fazer muitos novos amigos, disse Mays, incluindo Jen Gilhoi, organizadora de eventos e consultora de cultura no local de trabalho em Minneapolis, que no ano passado foi cofundadora de um grupo social chamado Sauna and Sobriety. Gilhoi, 51 anos, começou a organizar pequenas reuniões no quintal de Mays e logo descobriu que elas faziam sucesso entre outras pessoas que lutaram contra o uso de substâncias no passado.

“Você pode aparecer sozinho e logo estará neste ambiente muito íntimo com outras oito pessoas”, disse ela. “Você nunca pode fazer isso em um bar.”

Não foram conexões íntimas que levaram Sarah Chapman Siedschlag, 47, a passar muito tempo em saunas. Após o diagnóstico de câncer de mama há dois anos e meio, ela começou a buscar hábitos que tornassem sua mente e seu corpo mais saudáveis, disse ela. Mas as muitas horas que passou em saunas desde então proporcionaram muito mais do que isso.

“Você está neste lugar vulnerável, não usa tantas roupas, está muito próximo e suando”, disse ela. “Tudo parece mais aberto: seu corpo parece estar aberto, seu coração e sua alma parecem um pouco mais abertos.”

Numa tarde recente, ela compartilhou uma sauna flutuante em Duluth com uma estranha: Peggy Zorbas-Gough, 64 anos, natural de Duluth que recentemente voltou da Califórnia. Em poucos minutos, os dois estavam perdidos no tipo de conversa fácil e íntima que é rara entre estranhos. Eles compartilharam notas sobre terem tido câncer, falaram sobre seus filhos e às vezes sentaram-se em silêncio.

Zorbas-Gough disse que começou a explorar as ofertas de sauna da região no ano passado como parte do objetivo de “fazer algo todos os dias que me deixe desconfortável”.

A queda no frio certamente é adequada, disse Zorbas-Gough. Os ciclos frio-quente a ajudaram, disse ela, a “sair da minha cabeça”. As saunas se tornaram seu “vício saudável” neste inverno, acrescentou ela – tanto que está pensando em viajar para a Finlândia.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *