Mon. May 27th, 2024

Um influente órgão de direitos humanos das Nações Unidas fez uma avaliação contundente na quinta-feira sobre a protecção dos direitos civis na Grã-Bretanha, acusando o governo conservador de retrocesso e instando o país a abandonar a sua controversa legislação que permite o envio de requerentes de asilo para o Ruanda.

As críticas do Comité dos Direitos Humanos da ONU surgiram quando este apresentou as suas conclusões de dois dias de reuniões em Genebra este mês com uma delegação de 24 responsáveis ​​britânicos para avaliar o cumprimento do país de um tratado internacional para a protecção dos direitos civis e políticos.

“Estamos a testemunhar uma tendência e uma trajetória realmente regressivas” na Grã-Bretanha, disse Hélène Tigroudja, membro do comité, numa conferência de imprensa em Genebra. Ela disse que a tendência estava ocorrendo “em muitos, muitos setores quando se trata de direitos civis e políticos, e espero que a nossa mensagem seja ouvida pelo Reino Unido”.

O comité da ONU, composto por 18 pessoas, abordou preocupações abrangentes ao longo dos dois dias. A Grã-Bretanha é um dos mais de 170 países que ratificaram o tratado – o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos – e os estados membros passam por períodos de revisão. As conclusões da comissão são geralmente levadas a sério, mas não tem o poder de impor sanções.

A comissão apelou ao Reino Unido para “revogar rapidamente” as disposições de uma lei aprovada no ano passado para tentar conter a migração ilegal e de um projecto de lei fortemente contestado no Parlamento que enviaria requerentes de asilo para o país da África Oriental, o Ruanda.

Observando que o Supremo Tribunal britânico decidiu que o projecto de lei violava o direito internacional, o comité afirmou que privava os requerentes de asilo dos seus direitos mais básicos.

“Estes textos exemplificam a tendência regressiva vivida no Reino Unido”, disse Tigroudja, professora francesa de direito internacional, num comentário escrito, “e não apenas no exercício dos direitos civis e políticos, mas também no respeito pela regra”. do direito, do judiciário e dos princípios básicos de humanidade consagrados na Convenção de Genebra de 1951 sobre o estatuto dos refugiados”.

O primeiro-ministro Rishi Sunak, da Grã-Bretanha, fez da redução da imigração ilegal uma política emblemática do seu governo, enquanto se prepara para as eleições previstas para este ano. E um porta-voz do governo britânico disse numa declaração enviada por e-mail na quinta-feira que o país estava “comprometido com a Lei de Segurança do Ruanda, que ajudará a impedir a migração ilegal para o Reino Unido, desmantelar as gangues de contrabando de pessoas e salvar vidas”.

As autoridades britânicas argumentaram que a melhor forma de impedir a chegada ilegal de migrantes e requerentes de asilo é garantir que não possam permanecer no país e que os requerentes de asilo possam continuar a contestar a sua deportação.

O comité da ONU também questionou a legislação antiterrorista britânica e alertou que as alterações propostas às leis que regem o escrutínio da informação pelas agências de inteligência poderiam permitir uma recolha excessivamente ampla de dados pessoais pelo governo.

O comitê disse que uma lei antiprotesto aprovada no ano passado, a Lei de Ordem Pública de 2023, impôs “restrições sérias e indevidas” ao direito de reunião pacífica e criminalizou algumas formas de protesto pacífico por parte dos britânicos. Afirmou que estava profundamente preocupado com o uso excessivo da lei para restringir o espaço cívico e que as agências de aplicação da lei deveriam acabar com o uso de reconhecimento facial e tecnologias de vigilância em massa em protestos.

A comissão também manifestou preocupação com uma lei aprovada no ano passado para abordar o legado do conflito violento na Irlanda do Norte, que permite imunidade condicional de acusação a pessoas que cometeram crimes graves e violações dos direitos humanos, e com uma lei aprovada há três anos que estabelece um limite de tempo sobre ações legais contra militares decorrentes de operações no exterior.

As leis levantaram questões de longa data sobre a falta de investigações sobre alegações de tortura ou de processos por crimes de guerra e outros abusos, observou a Sra. Tigroudja. “Colocamos isso na conversa porque é realmente uma preocupação séria”, disse ela.

O porta-voz do governo britânico disse no comunicado de quinta-feira que “o Legacy Act procura implementar uma recuperação eficaz de informações para vítimas e famílias, ao mesmo tempo que cumpre as nossas obrigações internacionais”.

Autoridades britânicas disseram que a legislação sobre operações militares no exterior deixava aberta a possibilidade de processo em todos os casos, sujeito ao critério do promotor.

“Não podemos dizer que estamos satisfeitos com esta resposta geral”, disse Tigroudja.

A Sra. Tigroudja disse que a comissão estava particularmente preocupada com as leis que limitavam a possibilidade de investigar ou processar graves abusos dos direitos humanos cometidos durante o conflito na Irlanda do Norte ou por militares britânicos em operações no exterior. O comitê disse que a Grã-Bretanha deveria revogar ou alterar ambas as leis.

Castelo Estêvão contribuiu com reportagens de Londres.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *