Fri. Feb 23rd, 2024

Os promotores federais pediram a um tribunal de apelações no sábado que rejeitasse as alegações do ex-presidente Donald J. Trump de que ele está imune a acusações criminais de conspiração para derrubar as eleições de 2020 e disseram que a acusação deveria permanecer em vigor, embora tenha surgido de ações que ele tomou enquanto estava no poder. Casa Branca.

A apresentação do governo ao Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia foi parte de uma luta contínua entre os advogados e promotores de Trump no gabinete do procurador especial, Jack Smith, sobre se ex-presidentes podem ser criminalmente responsáveis ​​por coisas que eles fez no escritório.

A luta pela imunidade é sem dúvida o aspecto mais importante do caso de interferência eleitoral, envolvendo tanto novas questões de direito como consequentes questões de timing. O caso deverá ir a julgamento no Tribunal Distrital Federal de Washington no início de março, mas foi suspenso até que as tentativas de Trump de rejeitar as acusações por motivos de imunidade sejam resolvidas.

O apelo é juridicamente significativo porque se centra numa questão que nunca antes foi feita ou totalmente respondida. Isto porque Trump é o primeiro ex-presidente a ser acusado de crimes e porque optou por se defender neste caso com uma alegação nova: que o cargo que ocupava na altura deveria protegê-lo inteiramente de processos judiciais.

Mas a luta girou em torno de mais do que a questão técnica de saber se a acusação deveria sobreviver e se Trump deveria eventualmente ser julgado. A defesa e a acusação têm travado uma batalha separada, mas não menos crítica, sobre quando o julgamento acontecerá – especificamente sobre se ocorrerá antes ou depois das eleições de 2024. Se o julgamento for realizado após a eleição e Trump vencer, ele terá o poder de ordenar que as acusações que enfrenta sejam retiradas.

Em seu entrando com o processo no tribunal de apelações, os promotores se concentraram em argumentos jurídicos e disseram que nada na Constituição ou em outros documentos fundadores do país apoiava a ideia de que um ex-presidente não deveria estar sujeito à lei penal federal.

“A presidência desempenha um papel vital no nosso sistema constitucional, mas o mesmo acontece com o princípio da responsabilização por actos criminosos – particularmente aqueles que atingem o cerne do processo democrático”, escreveu James I. Pearce, um dos deputados de Smith. “Em vez de defender o nosso quadro constitucional, a ampla reivindicação de imunidade do réu ameaça autorizar os presidentes a cometer crimes para permanecerem no cargo. Os fundadores não pretendiam e nunca teriam tolerado tal resultado.”

A juíza Tanya S. Chutkan, que cuida do caso desde que foi aberto neste verão, rejeitou as reivindicações de imunidade de Trump no início de dezembro. Na sua decisão, ela reconheceu que o Departamento de Justiça há muito que segue uma política de não indiciar presidentes enquanto estes estão no cargo, mas disse que como Trump já não estava na Casa Branca, deveria ser processado.

“Independentemente das imunidades que um presidente em exercício possa desfrutar, os Estados Unidos têm apenas um chefe executivo de cada vez, e essa posição não confere um passe vitalício para ‘sair da prisão’”, escreveu ela. “Os ex-presidentes não gozam de condições especiais quanto à sua responsabilidade criminal federal.”

Trump recorreu da decisão para o primeiro tribunal acima do juiz Chutkan – o tribunal que agora julga o caso.

Mas temendo que uma contestação prolongada pudesse atrasar o caso de ir a julgamento conforme programado, o Sr. Smith fez um pedido incomum à Suprema Corte: pediu aos juízes que se apresentassem ao tribunal de apelações e considerassem o caso primeiro, para acelerar o processo. o processo e preservar a data atual do julgamento.

A Suprema Corte rejeitou o pedido de Smith na semana passada, devolvendo o caso ao tribunal de apelações.

Um painel de três juízes desse tribunal está agora a considerar a questão da imunidade num calendário altamente acelerado. Todos os resumos escritos do caso devem ser apresentados até terça-feira. As argumentações orais foram marcadas para 9 de janeiro.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *