Tue. May 21st, 2024

O instituto de liberdade de informação do México, uma agência governamental, disse na quinta-feira que iniciaria uma investigação sobre a divulgação pelo presidente na televisão nacional do número de celular pessoal de um jornalista do The New York Times que havia noticiado uma investigação sobre possíveis ligações entre drogas traficantes e aliados próximos do presidente.

A investigação centra-se numa ação do presidente Andrés Manuel López Obrador durante uma conferência de imprensa televisiva na quinta-feira que deixou muitos horrorizados no México, que é um dos países mais mortíferos do mundo para os jornalistas. Pelo menos 128 jornalistas foram mortos no México desde 2006, segundo o Comité para a Proteção dos Jornalistas.

Durante a entrevista coletiva, López Obrador leu em voz alta um e-mail de Natalie Kitroeff, chefe do escritório do Times para o México, América Central e Caribe, no qual ela solicitava comentários para um artigo que revelava que as autoridades policiais dos EUA vinham há anos procurando em alegações de que aliados de López Obrador se reuniram e tiraram milhões de dólares de cartéis de drogas.

Além de identificar a senhora Kitroeff pelo nome, o senhor López Obrador recitou seu número de telefone.

“Isso equivale a doxxing, que é ilegal pelas leis de privacidade mexicanas e coloca os repórteres em risco”, disse Jan-Albert Hootsen, representante do México no Comitê para a Proteção dos Jornalistas, na X, a plataforma de mídia social.

O Instituto Nacional de Transparência, Acesso à Informação e Proteção de Dados Pessoais do México, ou INAI, disse em um declaração que a sua investigação procuraria estabelecer se o Sr. López Obrador violou a legislação mexicana que protege os dados pessoais. O instituto administra o sistema de liberdade de informação do México, que foi criado há mais de duas décadas para tornar as operações governamentais mais transparentes e coibir abusos de poder.

López Obrador, cujo mandato de seis anos termina este ano, há muito que mantém uma relação de confronto com os meios de comunicação social e ataca regularmente jornalistas pelo nome nas suas conferências de imprensa matinais.

A ação contra o jornalista do The Times segue semanas de ataques a um repórter da ProPublica, que ocorreram depois que a organização de notícias publicou uma matéria no mês passado detalhando uma investigação anterior sobre acusações de que cartéis de drogas haviam doado milhões para a primeira campanha presidencial de López Obrador, em 2006, que ele perdeu. O presidente chamou o repórter Tim Golden de “peão” e “mercenário a serviço” da Drug Enforcement Administration.

Separadamente, a reportagem do The Times na quinta-feira revelou um inquérito mais recente durante a presidência de López Obrador, que começou em 2018, no qual autoridades americanas responsáveis ​​pela aplicação da lei examinaram alegações de que confidentes de López Obrador tinham recebido milhões de dólares de cartéis de drogas. O artigo citava registros dos EUA e três pessoas familiarizadas com o assunto.

“Esta é uma tática preocupante e inaceitável de um líder mundial num momento em que as ameaças contra jornalistas estão a aumentar”, afirmou o New York Times num comunicado divulgado na quinta-feira em resposta à conferência de imprensa de López Obrador.

Os Estados Unidos nunca abriram uma investigação formal sobre López Obrador, e as autoridades envolvidas acabaram por arquivar o inquérito depois de concluírem que o governo dos EUA tinha pouca vontade de prosseguir com acusações contra o líder de um importante aliado americano.

Durante o inquérito, as autoridades norte-americanas identificaram possíveis ligações entre os cartéis e os aliados e conselheiros de López Obrador depois de este ter tomado posse, mas não encontraram quaisquer ligações directas entre o próprio presidente e grupos criminosos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *