Mon. Feb 26th, 2024

Em seu próprio mundo, Barbie pode realizar praticamente qualquer coisa. Mas no mundo real, “Barbie” sofreu um revés significativo na manhã de terça-feira: embora a comédia colorida de Greta Gerwig espetando o patriarcado tenha sido o maior sucesso de bilheteria do ano passado e tenha estabelecido um recorde de filme de maior bilheteria já dirigido por uma mulher, Gerwig falhou. para receber uma indicação ao Oscar de melhor diretor.

O desprezo deixou muitos em Hollywood coçando a cabeça, já que a cineasta de 40 anos recebeu indicações de melhor diretor do Globo de Ouro e do Directors Guild of America por “Barbie” e recebeu uma indicação ao Oscar por sua estreia solo, “Lady Bird”, apenas seis anos atrás.

Ryan Gosling, o Ken da Barbie de Margot Robbie, criticou a votação da academia mesmo quando ele próprio recebeu uma indicação ao Oscar. “Nenhum reconhecimento seria possível para ninguém no filme sem seu talento, coragem e genialidade”, disse ele em comunicado, referindo-se a Gerwig e Robbie, que perderam o prêmio de melhor atriz. “Dizer que estou decepcionado por eles não terem sido indicados em suas respectivas categorias seria um eufemismo.”

A questão se resume ao simples sexismo? Certamente, se não fosse a presença de Justine Triet, a cineasta de “Anatomia de uma Queda”, entre os indicados à direção, a academia teria muito mais explicações a dar. Os eleitores do Oscar há muito são acusados ​​de atribuir mais importância às histórias lideradas por homens, um preconceito que a academia tem tentado corrigir nos últimos anos, diversificando as suas fileiras. Ainda assim, as comédias muitas vezes lutam para ganhar o favor do Oscar, e uma comédia liderada por uma mulher tem ainda mais obstáculos a superar, como descobriu Robbie.

É importante notar que, embora “Barbie” não tenha tido problemas para entrar na categoria de melhor filme, na qual todos os membros da academia podem votar, o desprezo por Gerwig foi feito pelo ramo dos diretores, que é composto por apenas 587 eleitores. cerca de um quarto dos quais são mulheres. Este grupo intelectual é de longe o mais propenso a rejeitar os estúdios convencionais, como descobriram diretores desprezados como Denis Villeneuve (por “Dune”) e Ben Affleck (“Argo”). Mesmo Kathryn Bigelow não ficou imune: a primeira mulher a ganhar o Oscar de melhor diretor, por “Guerra ao Locker”, ela recebeu uma surpresa surpreendente por seu sucessor, “A Hora Mais Escura”. Se houvesse algum ramo que olhasse de soslaio para “Barbie” por se tratar de um brinquedo, é este.

A academia também se tornou muito mais internacional ao longo da última década, com membros de 93 países votando este ano. Essa mudança teve um efeito pronunciado na categoria de melhor diretor, já que três dos indicados deste ano – Triet, Jonathan Glazer (“A Zona de Interesse”) e Yorgos Lanthimos (“Coisas Pobres”) – vivem e trabalham principalmente na Europa. Essa tendência cada vez mais internacional provavelmente expulsou o diretor Alexander Payne, um favorito anterior deste ramo, que teria se tornado o cineasta vivo com menos de 65 anos mais indicado se “The Holdovers” lhe tivesse rendido uma quarta indicação de direção.

Ainda assim, Gerwig tem muito com que se consolar, além de retornos recordes de bilheteria. Ela é agora a primeira cineasta da história a ter seus três primeiros filmes solo – “Lady Bird”, “Little Women” e “Barbie” – indicados para melhor filme. Também é possível que a simpatia gerada por esse desprezo possa impulsionar sua sorte em outra categoria – provavelmente a corrida de roteiro adaptado, onde ela e seu marido, Noah Baumbach, foram indicados contra um campo forte que inclui Christopher Nolan por “Oppenheimer”, mas agora estão bem posicionados para conquistar suas primeiras vitórias.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *