Sun. May 26th, 2024

A administração Biden está a considerar a possibilidade de fornecer à Ucrânia armas e munições extremamente necessárias dos arsenais do Pentágono, embora o governo tenha ficado sem dinheiro para substituir essas munições, de acordo com duas autoridades norte-americanas e um legislador sénior.

Tal medida seria uma medida de curto prazo para ajudar as forças armadas da Ucrânia até que o Congresso rompa um impasse de meses e aprove um pacote maior de ajuda militar ao país, disseram as autoridades.

Mas ao considerar a possibilidade de recorrer novamente aos arsenais do Pentágono, a administração está a ponderar tanto os riscos políticos como as questões sobre a prontidão militar americana.

“É algo que sei que está em cima da mesa”, disse numa entrevista o senador Jack Reed, um democrata de Rhode Island que lidera o Comité das Forças Armadas. Reed, que regressou recentemente de uma viagem à Ucrânia, disse que apoiaria tal medida provisória em “usos incrementais para ganhar tempo”.

Os Estados Unidos forneceram à Ucrânia cerca de 44,2 mil milhões de dólares em ajuda militar desde que a Rússia lançou a sua invasão em grande escala, há dois anos.

Cerca de metade desse montante foi enviado ao abrigo da chamada autoridade de saque presidencial. Isso permite à administração transferir imediatamente os stocks do Pentágono para a Ucrânia, em vez de esperar os vários meses ou anos que pode levar até que os empreiteiros da defesa fabriquem armas ao abrigo de novos contratos. A última remessa foi em dezembro.

A administração ainda tem autoridade do Congresso para sacar cerca de 4 mil milhões de dólares em armas e munições. Mas esgotou em Dezembro um fundo separado que reabastecia as munições que os Estados Unidos tinham doado à Ucrânia. Funcionários do Pentágono e da Casa Branca disseram desde então que não estavam preparados para arriscar a prontidão militar dos EUA para mergulhar nos arsenais do Departamento de Defesa sem serem capazes de os substituir.

Esse pensamento está a mudar, principalmente devido à situação cada vez mais terrível da Ucrânia no campo de batalha. Em menor número e desarmadas, as forças terrestres ucranianas estão a ficar sem artilharia, armamento de defesa aérea e outras munições, dizem responsáveis ​​e analistas ocidentais, e estão talvez na sua posição mais precária desde os primeiros meses da guerra.

Em meados de Fevereiro, a Ucrânia retirou-se da cidade oriental de Avdiivka, a primeira grande perda do país num campo de batalha desde a queda de Bakhmut no ano passado. A administração Biden atribuiu a retirada à falha do Congresso em fornecer dinheiro adicional para apoiar o esforço de guerra de Kiev.

O Senado aprovou um projeto de lei de ajuda emergencial que inclui US$ 60,1 bilhões para a Ucrânia. Mas a medida enfrenta um destino incerto na Câmara dos Representantes, onde o presidente Mike Johnson indicou que não pretende submetê-la a votação.

Algumas autoridades temem que a redução dos inventários do Departamento de Defesa agora aliviaria a pressão sobre o Congresso para agir sobre o pacote de ajuda a longo prazo.

Também exporia a administração às críticas dos opositores republicanos à ajuda à Ucrânia, de que tal medida sem reabastecer os stocks do Pentágono prejudicaria os Estados Unidos numa altura de hostilidades no Médio Oriente e de tensões crescentes com a China.

Pelo menos por enquanto, a administração não está a discutir publicamente a opção de levantamento, que a CNN noticiou anteriormente. Em vez disso, está a pesar sobre a conta de ajuda de 60,1 mil milhões de dólares.

“Estamos concentrados em instar a Câmara dos Representantes a aprovar o pacote suplementar de segurança nacional o mais rapidamente possível”, disse Adrienne Watson, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, em resposta a perguntas do The New York Times. “A Ucrânia precisa de todos os recursos desse pacote, e o Presidente Johnson deveria submetê-lo a votação, onde seria aprovado por esmagadora maioria, uma vez que não há outra forma de satisfazer plenamente as necessidades da Ucrânia.”

Oficiais militares dizem que estão prontos para enviar munições de artilharia, interceptadores de defesa aérea e outras armas para a Ucrânia assim que receberem luz verde.

“Ainda nos reunimos todos os dias, ainda rastreamos tudo o que precisaríamos enviar assim que for aprovado”, disse o tenente-general Leonard J. Kosinski, diretor de logística do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, na quarta-feira em uma conferência. sobre a Ucrânia.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *