Fri. Feb 23rd, 2024

O Papa Francisco concentrou na segunda-feira o seu discurso de Natal na violência em Israel e na guerra em Gaza, que causou uma perda “terrível” de vidas civis e trouxe “tristeza” a Belém, tradicionalmente vista como o local de nascimento de Jesus, ao pedir a libertação dos reféns israelitas e o fim dos ataques militares devastadores.

Ao entregar a sua “Urbi et Orbi” – ou “à cidade e ao mundo” – bênção de Natal sobre o nascimento de Jesus como símbolo de paz, Francisco, que completou 87 anos na semana passada, falou de uma varanda da Basílica de São Pedro sob nuvens cinzentas em um dia excepcionalmente quente em Roma diante de uma multidão de dezenas de milhares de pessoas.

Ele apelou à paz em todo o mundo, nomeando conflitos específicos, incluindo na Arménia, no Azerbaijão, no Sudão e na Ucrânia, mas foi o conflito em Gaza que esteve em primeiro lugar na sua mensagem.

“Os olhos e os corações dos cristãos em todo o mundo se voltam para Belém”, disse Francisco, chamando a atenção para “sombras profundas que cobrem a terra”. Ele apelou para que a paz “chegasse a Israel e à Palestina, onde a guerra está a devastar as vidas desses povos”, e disse que abraçava “todos eles, particularmente as comunidades cristãs de Gaza, a paróquia de Gaza e toda a Terra Santa”.

Os comentários de Francisco serviram para amplificar a sua mensagem da missa da meia-noite da véspera de Natal na Basílica de São Pedro, poucas horas antes, onde declarou que “os nossos corações estão em Belém, onde o Príncipe da Paz é mais uma vez rejeitado pela lógica fútil da guerra. ”

Continuando esse tema no discurso Urbi et Orbi, ele disse que o seu “coração sofre pelas vítimas do abominável ataque” de 7 de outubro, e reiterou o seu “apelo urgente pela libertação daqueles que ainda estão mantidos como reféns”.

Ao mesmo tempo, instou Israel a recuar na sua campanha em Gaza, onde o Ministério da Saúde afirma que o número de mortos ultrapassou recentemente os 20 mil, e grupos de ajuda humanitária afirmam que as pessoas estão a passar fome e a ser empurradas para partes mais pequenas do enclave.

“Apelo ao fim das operações militares com a sua terrível colheita de vítimas civis inocentes”, disse o papa, “e apelo a uma solução para a situação humanitária desesperada através de uma abertura à prestação de ajuda humanitária”.

Francisco entregou a bênção no meio de uma explosão de atividades da Igreja, incluindo as suas recentes decisões de permitir que os padres abençoassem casais do mesmo sexo e a sua repressão aos prelados dissidentes que tentaram minar a sua missão de tornar a Igreja mais pastoral e menos rígida.

Mas os esforços diplomáticos em questões de guerra e paz fora do seu controlo tiveram pouco sucesso, frustrando claramente um pontífice que tem apelado incessantemente à paz, especialmente na Terra Santa.

“Que haja um fim ao fomento da violência e do ódio. E que a questão palestiniana seja resolvida através de um diálogo sincero e perseverante entre as partes, sustentado por uma forte vontade política e pelo apoio da comunidade internacional”, disse Francisco na segunda-feira. Ele lembrou que, segundo o Novo Testamento, o nascimento de Jesus foi “seguido pela matança dos inocentes”.

“Quantos inocentes estão sendo massacrados em nosso mundo!” perguntou Francisco, estendendo a lista de vítimas a fetos abortados, imigrantes e filhos da guerra. “No ventre das suas mães, nas odisseias empreendidas no desespero e em busca de esperança, na vida de todos aqueles pequenos cuja infância foi devastada pela guerra.”

Voltando-se para o comércio de armas, alvo frequente das suas críticas, Francisco exortou os fiéis a dizerem não “à própria mentalidade de guerra”, chamando-a de “viagem sem rumo”.

“Se encontrarmos instrumentos de morte nas nossas mãos, mais cedo ou mais tarde iremos utilizá-los”, acrescentou. “E como podemos falar de paz, quando a produção, as vendas e o comércio de armas estão a aumentar?”

Ele lamentou que os pobres fossem frequentemente mantidos no escuro sobre o dinheiro usado para comprar armas que poderiam ser gastas na alimentação dos necessitados. “Isso é algo que eles deveriam saber!” ele disse.

Francisco também rezou pela paz no Líbano, na Síria e no Iémen. Ele exortou o mundo a recordar os conflitos no Sahel, no Corno de África, no Sudão e nos Camarões, bem como na República Democrática do Congo e no Sudão do Sul, duas nações que visitou como um pacificador sério, se não bem sucedido.

Ele voltou a falar da Ucrânia, um tema frequente das suas orações, e exortou os fiéis a “renovarem a nossa proximidade espiritual e humana ao seu povo em apuros”.

Apelou também ao alívio das tensões e à reconciliação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul, e abordou o conflito entre a Arménia e o Azerbaijão, onde apelou ao regresso seguro e legal dos refugiados às suas casas, e à garantia do respeito pelas tradições religiosas e locais de culto em ambos os lados.

E nas Américas, uma parte do mundo querida ao papa argentino, ele expressou esperança de que a mensagem de paz do Natal inspire os políticos “a resolver conflitos sociais e políticos, a combater formas de pobreza que ofendem a dignidade das pessoas, a reduzir desigualdade e para enfrentar o fenómeno preocupante dos movimentos migratórios”.

Ele disse que era responsabilidade dos cristãos ser a voz dos que não têm voz, incluindo aqueles que “arriscam as suas vidas em viagens cansativas e são vítimas de traficantes sem escrúpulos”. A preparação para o Ano Santo de 2025, disse ele, foi “uma oportunidade para a conversão dos corações, para a rejeição da guerra e para o abraço da paz”.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *