Sat. Jun 15th, 2024

Quando os investidores falam de empresas “zumbis”, normalmente referem-se a start-ups em dificuldades que estão a mancar, incapazes de crescer e com pouca probabilidade de algum dia devolverem o dinheiro que angariaram.

Mas enquanto os negociadores debatiam febrilmente os esforços dos legisladores esta semana para forçar a controladora chinesa do TikTok, ByteDance, a vender o aplicativo, eles falavam sobre uma nova versão: zumbis chineses.

Os zombies da China podem ter negócios em expansão, mas é pouco provável que proporcionem qualquer retorno imediato aos investidores porque estão presos na mira geopolítica.

Não são apenas os investidores da ByteDance que, depois de entregarem mais de US$ 8 bilhões, estão presos. O que há apenas alguns anos parecia ser uma enorme oportunidade de crescimento – inspirando investidores a injetar dinheiro em empresas como Ant Financial, PingPong e Geekplus – tornou-se hostil.

“Há mais por aí, como ByteDance”, disse Evan Chuck, sócio da empresa de consultoria Crowell, sobre empresas com investidores que podem se encontrar nesta posição. “Está realmente esquentando ainda mais.”

Vender é cada vez mais um tiro no escuro. Veja o TikTok. Mesmo que a ByteDance coloque o aplicativo à venda, é improvável que o governo chinês permita que o ativo mais valioso da empresa, seu algoritmo de recomendação, seja incluído. O país introduziu novas regras de controle de exportação para tecnologias como esse algoritmo em 2020, no momento em que a TikTok se aproximava de um acordo com compradores dos EUA (que acabou desmoronando).

Jonathan Knee, professor da Columbia Business School e consultor do banco de investimentos Evercore, disse que qualquer empresa que adquirisse o TikTok provavelmente seria proprietária da marca, mas não do software e algoritmos subjacentes. Ele comparou a compra do TikTok sem seu algoritmo à compra do Hulu sem os direitos de seu conteúdo. “Não está completamente claro o que você está comprando”, disse ele.

Muitas outras empresas tecnológicas chinesas enfrentariam obstáculos semelhantes se tentassem vender a um comprador norte-americano. E a desaceleração da economia da China deprimiu as avaliações das empresas, tornando a venda naquele país pouco atraente para os investidores. O número de empresas chinesas adquiridas no ano passado, 3.151, foi metade do total de 6.341 em 2019, segundo a empresa de dados financeiros Dealogic.

IPOs tornaram-se complicados. Poucas empresas chinesas foram cotadas nos Estados Unidos desde que a gigante do transporte privado Didi retirou as suas ações da Bolsa de Valores de Nova Iorque no meio de uma repressão por parte dos reguladores chineses poucos meses após a sua oferta pública inicial em 2021. O número de start-ups chinesas que cotam as suas as ações nas bolsas dos EUA caíram de cerca de 18 por ano entre 2018 e 2021 para apenas três em 2022, de acordo com o PitchBook, que acompanha start-ups.

As listagens nas bolsas da China também enfrentam um escrutínio cada vez maior. O regulador do mercado do país prometeu esta semana reforçar a supervisão das empresas listadas no mercado interno, dado o colapso do mercado de ações chinês.

Bilhões de dólares estão em jogo. Ainda em 2021, investidores de risco estavam investindo quase US$ 47 bilhões em empresas chinesas, de acordo com o PitchBook. Não é apenas o capital de risco que está em risco. As pensões públicas e as doações universitárias dos EUA investiram cerca de 146 mil milhões de dólares entre 2018 e 2022, de acordo com a Future Union, um grupo de defesa centrado na exploração de investimentos dos EUA no estrangeiro.

Mas há pouco incentivo para uma venda rápida a um parceiro local sob pressão. “No final das contas, terá de haver alguma oportunidade de saída – a questão é o momento”, disse Andrew King, que escreveu o relatório União Futura. E dados os elevados retornos que os investidores em empresas como a ByteDance podem obter sem pressão geopolítica, acrescentou, “é pouco provável que queiram seguir um caminho de atalho”.

Os investidores têm outras rotas para obter liquidez, como pedir emprestado contra seu investimento. Os investidores também poderiam esperar até que a relação entre a China e os Estados Unidos melhore, ou apostar que a China valoriza mais a infusão de capital que um grande negócio poderia proporcionar do que a geopolítica.

Mas principalmente, Jonathan Rouner, chefe de fusões e aquisições internacionais da Nomura, disse ao DealBook, “suas mãos estão atadas”. -Lauren Hirsch

Os mercados caem devido a relatórios de inflação mais quentes do que o esperado. O S&P 500 sofreu a segunda queda semanal consecutiva, com dois relatórios – o Índice de Preços ao Consumidor e o Índice de Preços ao Produtor – a mostrarem que a inflação subiu ao ritmo mais rápido em meses. Ontem, o mercado de futuros ainda previa um corte nas taxas de juro em Junho, mas essas probabilidades caíram drasticamente nas últimas semanas, à medida que aumentavam as preocupações com a inflação.

Um acordo histórico poderia aliviar significativamente os preços dos imóveis. A Associação Nacional de Corretores de Imóveis, um poderoso grupo de lobby, concordou ontem em pagar US$ 418 milhões em danos legais e eliminar suas regras que regem as comissões, que normalmente são de 6% do preço final de venda. Os vendedores de casas nos Estados Unidos pagam anualmente 100 mil milhões de dólares em tais comissões, algumas das mais elevadas do mundo.

Os promotores federais querem que Sam Bankman-Fried cumpra de 40 a 50 anos de prisão. Eles escreveram em documentos judiciais apresentados na sexta-feira que Bankman-Fried, o fundador da FTX, merecia uma pena severa por conduzir “uma das maiores fraudes financeiras de todos os tempos”. Seus advogados recomendaram que ele não cumprisse mais de seis anos e meio de prisão.

Nas últimas três décadas, a Hewlett-Packard fechou alguns dos negócios mais desastrosos do Vale do Silício. Um deles – a aquisição da Autonomy por US$ 11 bilhões em 2011 – entrará em foco na segunda-feira, quando o julgamento por fraude criminal de Mike Lynch, fundador da empresa britânica de software, estiver previsto para começar.

A HP disse que reduziu o acordo em US$ 8,8 bilhões por causa de fraude. Mas, como escreve Michael de la Merced, do DealBook, a defesa de Lynch dependerá da reversão do senso comum de que a Autonomy enganou a HP.

A maioria se lembra da Autonomia como um capítulo embaraçoso para a HP. O acordo foi orquestrado por Léo Apotheker, que como presidente-executivo da HP procurou transformá-la numa empresa de software de ponta. Uma chave para esse plano foi comprar a Autonomy, que se concentrava na análise de dados.

Mas Wall Street revoltou-se pouco depois do anúncio do acordo e, um mês depois, Apotheker foi despedido. (James Stewart, do The New York Times, uma vez o chamou de candidato a pior CEO de tecnologia da história.) Lynch foi demitido em maio de 2012. Em novembro daquele ano, a HP assumiu uma despesa contábil de US$ 8,8 bilhões relacionada à Autonomy, citando “impropriedades contábeis” como a datação retroativa. dos contratos e a caracterização indevida das vendas de hardware para inflar a receita.

Lynch procurou oferecer uma conta alternativa. Ele culpou os executivos seniores que entraram em conflito com ele – incluindo Meg Whitman, que substituiu Apotheker como presidente-executiva da HP – pela desintegração da Autonomy. Seus advogados argumentaram que os executivos da HP, por exemplo, sabiam das vendas de hardware e não as levantaram como um problema.

Eles apontaram para e-mails internos mostrando mudanças nos cálculos do valor da Autonomy, que a certa altura estimaram seu valor em mais de US$ 11 bilhões.

O acordo de autonomia teve consequências duradouras. Foi um grande problema para a HP, que desde então foi ofuscada por empresas como Alphabet e Meta.

E Lynch, outrora referido como o Bill Gates britânico, foi repetidamente derrotado em batalhas judiciais ao longo dos anos. Caso perca o julgamento criminal nos EUA, poderá pegar até 20 anos de prisão.


Poucos sabem mais sobre “produtividade” do que Cal Newport, que publicou vários livros e apresenta um podcast popular sobre o assunto. Seu último livro, “Produtividade lenta: a arte perdida da realização sem esgotamento”, é um chamado para que os trabalhadores sobrecarregados por reuniões, e-mail e aplicativos de mensagens repensem como trabalham. Ele conversou com o DealBook sobre por que a “produtividade lenta” funciona não apenas para os trabalhadores, mas também para as empresas. A entrevista foi condensada e editada.

Como fazer menos coisas é bom para seu chefe?

Quando você concorda em fazer algo, isso traz consigo despesas administrativas: e-mails e reuniões relacionadas a esse compromisso. Se você tem muitas coisas para fazer, passa tanto do seu dia falando sobre seu trabalho que você tem muito pouco tempo ininterrupto para realmente fazê-lo. E a velocidade com que você termina as coisas pode cair drasticamente. Portanto, trabalhar apenas em um pequeno número de projetos, paradoxalmente, acelera o ritmo com que você termina as coisas.

Esta não é uma dinâmica de soma zero – não é que eu vá tornar minha vida mais fácil às custas de piorar os resultados financeiros do meu empregador. Isso torna a vida de todos melhor.

Você escreveu que o trabalho híbrido pode piorar a sobrecarga administrativa. Muitas pessoas também veem o trabalho híbrido como uma forma de criar algum alívio da rotina corporativa desnecessária. Qual é?

Com o trabalho híbrido conforme implementado agora, você não obtém alívio da pseudoprodutividade porque pode demonstrar esforço visível digitalmente. A maneira de fazer o trabalho híbrido funcionar é dizer, quando você está em casa, sem reuniões, sem e-mail. Os dias em casa realmente deveriam ter total flexibilidade intelectual. Você está trabalhando no que é importante e, em dias de escritório, podemos fazer reuniões.

O que os executivos podem fazer para garantir que os funcionários estejam realizando um trabalho significativo?

Eu diria: “Vamos ser explícitos sobre a carga de trabalho e em quantas coisas você deveria estar trabalhando ativamente, e como vamos monitorar isso, e como vamos garantir que você não tenha muito trabalho. muita coisa acontecendo ao mesmo tempo.”

Alguns executivos podem considerar uma iniciativa como essa algo superficial. Eles acreditam que obterão melhores resultados se os funcionários suportarem longas horas e sobrecarga. Como você os convenceria de que realmente ganhariam mais dinheiro dessa maneira?

Se você quiser provar que você ou seus funcionários são durões, instale uma barra pull-up. Mas se você realmente quer produzir coisas boas, o que você quer é que as pessoas se concentrem como um laser em uma coisa de cada vez, fazendo o melhor trabalho possível e depois passando para a próxima coisa. Ficar sentado no e-mail ou no Slack o dia todo não é uma demonstração de que você é difícil. É apenas uma demonstração de que sua organização é relativamente aleatória na forma como conduz seus negócios.

Obrigado por ler! Nos vemos na segunda-feira.

Gostaríamos de receber seu feedback. Envie pensamentos e sugestões por e-mail para [email protected].

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *