Fri. Feb 23rd, 2024

Aqui vai uma ideia para o ano novo: vamos fazer de 2024 o ano das delícias.

Isso parece ridículo, dado o estado do mundo neste momento? Me ouça.

A premissa básica de uma prática de deleite (que aprendi na coleção de ensaios “O Livro das Delícias”, de Ross Gay) é simples: você faz questão de perceber coisas em sua vida cotidiana que o encantam. Pode ser qualquer coisa – uma linda flor, um sorriso que você compartilha com um estranho, a visão de uma pessoa tocando trompete enquanto anda de monociclo por uma importante via da Filadélfia (história verídica). Nada é muito pequeno ou absurdo. Aí sempre que você notar algo que te encanta, você levanta o braço, levanta o dedo indicador no ar e diz, em voz alta e com entusiasmo: “Delicia!” (Sim, mesmo se você estiver sozinho.) O ideal é que você compartilhe suas delícias com outra pessoa.

O conceito de dar prioridade ao prazer pode parecer tolo ou quase irresponsável, dada a gravidade dos acontecimentos actuais, os sentimentos de esgotamento e as próximas eleições presidenciais dos EUA, nas quais parece que a própria democracia pode estar em jogo. Mas é exatamente por isso que é tão importante. Longe de ser uma prática frívola, fazer questão de observar e compartilhar coisas que achamos agradáveis ​​pode melhorar nosso humor, perspectivas, relacionamentos e até mesmo saúde física.

Como? Perceber as delícias exige que prestemos atenção, algo que é necessário para a nossa felicidade e satisfação, mas que pode ser difícil em nosso mundo cada vez mais distraído. Essencialmente, esta é uma forma de prática de gratidão – ou seja, cultivar o hábito de perceber e apreciar as coisas pelas quais você é grato.

As práticas de gratidão são populares por um bom motivo; se você criar um hábito, os benefícios mentais e físicos associados incluem redução dos sintomas de depressão, ansiedade e estresse e (provavelmente relacionado) melhoria dos biomarcadores para a saúde do coração.

Mas se você mantiver uma prática de gratidão por tempo suficiente, poderá expressar seu apreço pelas mesmas coisas repetidamente, quase por um senso de obrigação. Você é grato por seus amigos e familiares. Você está grato por ter comida suficiente. Você é grato por ter um lugar para morar. Eventualmente, a prática pode começar a parecer menos nutritiva e mais parecida com uma tarefa árdua.

Em contraste, uma prática de deleite explora o profundo poder da gratidão sem o risco de se tornar banal. Isso porque as coisas que nos encantam costumam ser novas – duvido que verei outro monociclista alardeando tão cedo.

Perceber e compartilhar prazer também é uma forma do que os psicólogos chamam de saborear, a prática de apreciar deliberadamente experiências de vida positivas. Foi demonstrado que saborear melhora o humor das pessoas e também contrabalança a tendência natural do nosso cérebro de se concentrar nas coisas que alimentam a ansiedade e o medo. (Estar sintonizado com estressores potencialmente ameaçadores é útil do ponto de vista evolutivo; é preciso trabalho para focar nossos cérebros no positivo.)

Além do mais, os efeitos de saborear são mais fortes se você fizer questão não apenas de perceber as coisas positivas, mas também de rotulá-las e compartilhá-las. (É por isso que é importante dizer “Delicia!” em voz alta e levantar o dedo, mesmo que a princípio pareça bobo.)

E essa talvez seja a minha parte favorita da prática: compartilhar delícias com outras pessoas. Comece uma reunião ou aula convidando as pessoas a compartilhar algo que as encantou naquele dia. Use o compartilhamento de delícias como um quebra-gelo ou como um ritual antes das refeições em família. Tenho vários bate-papos em grupo de delícias, e cada nova mensagem melhora meu humor, me faz sentir mais conectado com outras pessoas e me inspira a perceber e compartilhar mais delícias.

Por exemplo, uma vez um amigo me enviou uma foto de cristais de gelo em seu para-brisa com a legenda “Deleite!” Isso não apenas me fez sentir mais próxima dele, mas também me fez decidir tentar encontrar prazer em situações (como ter que raspar o gelo do meu carro) que de outra forma poderiam ser irritantes.

Esses momentos de conexão são bons para o nosso físico saúde. Como observou o recente comunicado do Cirurgião Geral Vivek Murthy sobre a epidemia de solidão do país, a falta de laços sociais está associada ao aumento dos riscos de hipertensão, doenças cardíacas, deficiência cognitiva, depressão, ansiedade, diabetes tipo 2 e susceptibilidade a doenças infecciosas. Na verdade, uma meta-análise bem conceituada concluiu que os riscos para a saúde decorrentes da solidão e do isolamento são comparáveis ​​aos de fumar até 15 cigarros por dia.

Isso me faz pensar: o que poderia acontecer se nós, como indivíduos e como comunidades, nos comprometêssemos com uma prática de prazer? Como isso afetaria nossa felicidade e saúde? E o que poderia acontecer ao clima político do país se prestássemos menos atenção às coisas que nos dividem e mais às coisas que nos encantam? É possível discordar das pessoas, reconhecer os desafios da vida, debater, sentar-se com tristeza, pesar e medo enquanto se maravilha e busca alegrias simples.

Você pode se surpreender com o quanto há para se maravilhar. Como escreve o Sr. Gay: “Não demorei muito para aprender que a disciplina ou a prática de escrever esses ensaios ocasionou uma espécie de radar de prazer. Ou talvez fosse mais como o desenvolvimento de um músculo do prazer. Algo que implica que quanto mais você estuda prazer, mais prazer há em estudar.”

Este ano, como todos eles, será repleto de conflitos e tragédias. Mas também será repleto de delícias. Resolva notá-los.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *