Tue. May 28th, 2024

Nas fitas, enquanto divaga sobre assuntos mundiais – os seus colegas raramente se atrevem a interrompê-lo –, Hussein pode ser impressionantemente astuto e presciente. Em Outubro de 2001, dias depois de Bush ter anunciado a guerra liderada pelos EUA contra a Al Qaeda e os Taliban, Hussein perguntou ao seu gabinete: “Se a América estabelecer um novo governo em Cabul de acordo com os seus desejos, pensa que isto acabará com a guerra? Problemas do povo afegão? Não. Isto irá acrescentar mais causas para o chamado terrorismo, em vez de eliminá-lo.” Perante a hostilidade americana, esquivou-se e fintou-se, motivado sobretudo por dois objectivos: permanecer no poder e alcançar a glória no mundo árabe, de preferência atacando Israel.

Hussein tinha crenças profundamente racistas sobre os judeus e confundia-se com elaboradas teorias de conspiração sobre o poder americano e israelita no Médio Oriente. Ele acreditava que sucessivos presidentes dos EUA, sob a influência do sionismo, conspiraram secreta e continuamente com os aiatolás radicais do Irão para enfraquecer o Iraque. A conspiração Irão-Contra da década de 1980, quando a América se juntou brevemente a Israel para vender armas ao regime do aiatolá Ruhollah Khomeini, consolidou as convicções do líder iraquiano nos anos seguintes. Que o Irão-contra representava um tipo de incompetência estúpida na política externa americana não lhe ocorreu.

As razões pelas quais Hussein não esclareceu que não tinha armas de destruição maciça no período que antecedeu 2003 estão incorporadas no seu trágico conflito de décadas com Washington: a sua colaboração furtiva e desconfiada com a CIA durante a década de 1980; a Guerra do Golfo de 1990 e 1991; a luta apoiada pela ONU pelo desarmamento do Iraque que se seguiu; e o confronto climático após 11 de setembro.

Pouco depois da Guerra do Golfo, ele ordenou secretamente a destruição das suas armas químicas e biológicas, tal como Washington e as Nações Unidas tinham exigido. Ele esperava que esta acção permitisse ao Iraque passar nas inspecções de desarmamento, mas encobriu o que tinha feito e mentiu repetidamente aos inspectores. Ele não disse a verdade aos seus próprios generais, temendo poder provocar ataques internos ou externos. A sua decisão de cumprir as exigências internacionais, mas de mentir sobre o assunto aos inspectores da ONU, desafiou a lógica ocidental. Mas Hussein não se submeteria à humilhação pública, até porque pensava que isso não funcionaria. “Um dos erros que algumas pessoas cometem é que quando o inimigo decide feri-lo, você acredita que há uma chance de diminuir o dano agindo de uma determinada maneira”, disse ele a um colega. Na verdade, ele disse: “O dano não será menor”.

Hussein acreditava que a CIA era praticamente omnisciente e, por isso, especialmente depois do 11 de Setembro, quando Bush o acusou de esconder armas de destruição maciça, presumiu que a agência já sabia que ele não tinha armas perigosas e que as acusações eram apenas um pretexto para invadir.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *