Sat. Jun 15th, 2024

Os americanos sempre adoraram um escândalo real, até um pouquinho mais do que os próprios monarquistas britânicos. Parte disso é facilmente atribuível ao nosso desejo inato de não haver mais reis. Ultimamente, porém, a realeza britânica tem recebido o mesmo tratamento de estrela da realidade que toda microcelebridade na América atrai.

Dê-nos tudo. Ou você vai se arrepender.

Historicamente, é claro, a realeza forneceu. Houve a abdicação do duque de Windsor e o aparente apoio ao nazismo. As flagrantes infidelidades e o divórcio do príncipe Charles e da princesa Diana. Os laços estreitos do príncipe Andrew com o já condenado criminoso sexual Jeffrey Epstein e suas próprias acusações de abuso sexual. E uma série extremamente popular da Netflix apareceu, dramatizando essas e outras provações ignóbeis, pronta para manchar o brilho diante de olhos atentos.

Neste meio, a recusa de Kate Middleton em cooperar é ainda mais frustrante. Em janeiro, Catarina, Princesa de Gales, como é oficialmente conhecida, afastou-se dos deveres reais com um anúncio insatisfatoriamente vago e breve do Palácio de Kensington. O comunicado dizia que ela planejava se submeter e se recuperar de uma cirurgia abdominal até a Páscoa.

A resposta foi indignação e descrença. Por que a princesa não especificou a natureza de sua cirurgia? Qual foi exatamente o diagnóstico dela? Como, como ela poderia nos deixar assim?

“Dizer que ela quebrou a Internet seria apenas o começo”, observou The Spectator em um ensaio sobre a fixação da América pela princesa britânica. “Rumores sobre seu bem-estar estão chegando a todas as redações, bares e encontros religiosos em toda a América.”

Então, esta semana, em um breve depoimento em vídeo, Kate Middleton revelou que havia sido diagnosticada com câncer e estava em tratamento. Este é um forte contraste com sua companheira real Meghan Markle, semi-duquesa de Sussex e muito mais sintonizada com a necessidade do público de conhecer detalhadamente sua jornada interior, que anunciou uma nova marca de estilo de vida na mesma semana, completa com um nova página e site do Instagram.

Ao contrário de Meghan, Kate se relacionou amplamente com o público por meio de suas funções oficiais e, de outra forma, tentou manter sua vida familiar privada. O objetivo aqui não é contrastar essas duas mulheres muito diferentes e seus respectivos relacionamentos com o público, mas sim apontar que, embora as revelações de Meghan possam ser perfeitamente adequadas à nossa era voraz da Internet, a abordagem de Kate claramente falhou em sobrecarregar suficientemente a fera.

O público americano tornou-se tão habituado ao acesso irrestrito a figuras públicas que esperamos uma auto-exposição total como algo natural. Entretanto, satisfazemos a sua necessidade de privacidade, que pertence a todos os seres humanos, sejam eles monótonos ou célebres, com uma espécie de suspeita raivosa. No momento em que qualquer pessoa visível ao público solicita o desejo de se afastar do brilho, fazemos coletivamente as suposições do pior cenário possível.

Agora é um bom momento para repensar tudo isso. As terríveis notícias de Kate não deveriam apenas nos fazer sentir péssimos por Kate; também deveria fazer com que nos sentíssemos péssimos conosco mesmos.

Reconsidere, sob esta nova luz, o clamor que surgiu com a fotografia retocada do Dia das Mães de Kate e suas estranhas anomalias. Seus esforços para saciar os leais à realeza que esperavam sua saudação anual do Dia das Mães e para reprimir a especulação pública que invadiu os tablóides e o TikTok durante meses apenas atiçaram as chamas por mais informações e sinalizaram a necessidade de cada vez mais transparência.

As demandas dos não membros da realeza foram imediatas. O que exatamente foi feito com a fotografia e por quê? O que eles estavam encobrindo? Quem foi o responsável?

“Um sinal do aprofundamento da instabilidade da monarquia”, advertiu The Cut.

“Prejudicando a confiança do público na família real”, disse o The Telegraph.

É vital, escreveu o observador real do The Spectator, “para o Palácio de Kensington que a crescente histeria seja controlada”.

Alguém, insistiu o público, precisava assumir a responsabilidade pela catástrofe. Em resposta, relatou o The Times de Londres, “uma princesa abalada disse aos assessores que queria fazer as pazes e assumir a responsabilidade pelo seu erro”.

Mas a resposta ao pedido de desculpas de Kate sobre X foi ainda mais ceticismo e especulação. Fofocas furiosas diziam que o palácio “se recusava” a divulgar a foto original. Um prolífico crítico da mídia denunciou a monarquia como uma “profundamente falso”, “Seu desaparecimento da vista do público está ficando mais estranho”, escreveu Vox ameaçadoramente. “Kate Middleton foi FORÇADA a assumir a culpa no escândalo das fotos reais?” O Daily Mail berrou.

Aos olhos da internet conspiratória, foi mais um encobrimento. Kate estava morta. O príncipe William estava tendo um caso. O autoproclamado “conspirador de Kate” Andy Cohen opinou com suas teorias. O TMZ divulgou um vídeo borrado supostamente da dupla real comprando alimentos, que foi rapidamente submetido a uma análise quadro a quadro. A figura feminina era, de fato, Kate ou, mais provavelmente, uma substituta ou mesmo a marquesa de Cholmondeley, Rose Hanbury?

A resposta é: essas perguntas devem ser feitas? Às vezes, o pedido de privacidade de uma pessoa é apenas isso, e não um convite para uma invasão ainda mais vertiginosa, auto-indulgente e obsessiva.

O que sabemos agora é que toda esta especulação foi dirigida a uma mulher com cancro. O que quer que esta notícia signifique para o futuro da monarquia britânica, quer a apoiemos ou a desprezemos, tem muito menos consequências do que o que significa para uma jovem com três filhos em idade escolar, independentemente do estatuto real. Ao lidar com esta doença terrível, Kate é apenas mais um ser humano, com tanto direito de lidar com sua doença quanto quiser.

No momento, Kate Middleton está doente e a esperança é que, com cuidados médicos adequados, ela melhore. O que, devemos perguntar-nos, seria necessário para que uma cultura doente com o seu próprio apetite lupino de auto-exposição tentasse melhorar também?

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *