Mon. Jun 24th, 2024

A Rússia de Vladimir Putin acaba de se tornar ainda mais sombria e sem alma com a alegada morte numa prisão no Árctico de Aleksei Navalny, o dissidente de 47 anos que demonstrou imensa coragem e humor enquanto tentava levar a democracia à sua terra natal.

A força, resiliência e coragem de Navalny contrastam com a irresponsabilidade de tantos americanos ao lidar com Putin. De Donald Trump a Tucker Carlson, um número notável de líderes americanos e os seus porta-vozes passam diante do presidente russo.

“Por que é que Trump e os seus facilitadores no Congresso querem apaziguar ainda mais este tirano russo?” Senador Dick Durbin, democrata de Illinois, perguntado após a notícia da morte de Navalny.

Espero que o exemplo de Navalny fortaleça tanto os americanos como os europeus, pois, apesar de todos os nossos recursos, não demonstrámos nem um pouco da força que ele demonstrou.

O teste mais fundamental à nossa coragem é simples: continuarão os Estados Unidos a apoiar a Ucrânia enquanto esta tenta combater os invasores russos? Espero que o sacrifício de Navalny nos ajude a encontrar a vontade de enfrentar Putin.

Navalny foi o principal dissidente e líder da oposição da Rússia, mas também emergiu como uma espécie de Mandela da nossa época. Apesar de ter sido envenenado, preso e repetidamente punido com longos períodos de isolamento em prisões remotas, Navalny permaneceu inabalável. Ele continuou a zombar de Putin e a denunciar a invasão da Ucrânia.

A sua inteligência e recusa em curvar-se à autoridade fizeram dele um pesadelo no Kremlin. Enviado para o gulag, ele tentou maliciosamente sindicalizar prisioneiros e guardas.

Ainda na quinta-feira, ele apareceu por vídeo em uma audiência e, brincando, pediu parte do salário do juiz. “Porque estou a ficar sem dinheiro, graças às suas decisões”, explicou Navalny, referindo-se às multas que lhe foram aplicadas.

Não admira que Navalny seja dado como morto. Muitos russos corajosos – jornalistas, advogados, figuras políticas – morreram depois de desafiarem as autoridades. É desconcertante quantos americanos responderam de forma oposta, agindo como os caniches de Putin.

Tucker Carlson conseguiu uma entrevista de 127 minutos com Putin este mês sem sequer fazer uma única pergunta sobre Navalny. Foi uma entrevista tão softball que Putin demonstrou exasperação com a deferência e disse que gostaria que lhe tivessem feito perguntas mais incisivas.

Carlson até embarcou no que parecia ser uma viagem promocional pela Rússia de Putin, elogiando Moscou. “É muito melhor do que qualquer cidade do meu país”, disse ele. “É muito mais limpa, segura e bonita, esteticamente, sua arquitetura, sua comida, seu serviço, do que qualquer cidade nos Estados Unidos.”

E o metrô de Moscou? “Não há grafite. Não há sujeira. Não há cheiros desagradáveis”, disse Carlson. “Não há vagabundos, nem viciados em drogas, nem estupradores, nem pessoas esperando para te empurrar para os trilhos do trem e te matar. Não, está perfeitamente limpo e arrumado.”

E compras de supermercado? É uma barganha! Carlson vai às compras em Moscovo, gasta menos dinheiro do que esperava e diz que a experiência o radicalizou contra os líderes americanos. Ele parece não compreender que os russos gastam quatro vezes mais do seu rendimento em alimentos do que os americanos, e que os preços são baratos porque a Rússia é um país pobre com uma moeda fraca.

É claro que é verdade que Moscovo tem um metro bonito, e não tenho qualquer objecção a que os comentadores apontem isso – ou que se perguntem em voz alta porque é que as cidades americanas não podem ter transportes de massa tão bons. Mas é profundamente preocupante quando os bajuladores norte-americanos parecem ansiosos por encobrir a brutalidade de Putin, ignorando em grande parte as suas vítimas e conquistando pontos políticos a nível interno de formas que polim a ditadura russa e diminuem a democracia norte-americana.

(Após a notícia da morte de Navalny, Carlson pareceu fazer uma pirueta. “É horrível o que aconteceu com Navalny”, disse ele ao Daily Mail. “A coisa toda é bárbara e horrível. Nenhuma pessoa decente a defenderia.”)

A filha de Navalny, Dasha, estudante em Stanford, disse-me no ano passado que teve reservas quando o seu pai decidiu regressar voluntariamente à Rússia em 2021, depois de agentes russos aparentemente o terem envenenado e quase o terem matado. Ele sabia dos riscos que enfrentava, mas seguiu em frente. “Minha preferência pessoal seria que ele ficasse comigo”, disse ela. “Mas nunca questionei sua decisão de voltar.”

“Estou sempre super preocupada com ele, como filha”, acrescentou ela. “Tenho na cabeça que talvez ele não devesse estar fazendo isso. Mas é por isso que ele é apaixonado e pelo bem maior do país.”

A afeição actual da direita por Putin é um eco da tradicional miopia que os ideólogos têm em relação aos ditadores estrangeiros, incluindo a antiga afeição da esquerda por Mao. A versão de hoje, liderada pelo próprio Trump, é perigosa – veja-se a recente sugestão de Trump de que poderia convidar a Rússia a atacar os aliados da NATO que não pagaram o suficiente pelas armas – e também ignora a longa história de brutalidade de Putin no país e no estrangeiro.

Putin solidificou a sua posição no poder em 1999, na sequência de vários misteriosos atentados bombistas em apartamentos que mataram mais de 300 pessoas. Putin culpou os terroristas chechenos e iniciou uma guerra na Chechénia que o apresentou como um patriota decidido e duro, defendendo os interesses da sua nação. No entanto, há muito que existem suspeitas de que os atentados foram orquestrados pelas próprias autoridades de segurança russas, para dar a Moscovo uma desculpa para reprimir. Ainda não temos a certeza, mas a minha opinião e a de muitos outros é que, no geral, as provas sugerem que as autoridades eram mais propensas a planear os atentados do que os terroristas chechenos.

Por outras palavras, desde o início do seu governo, Putin tem sido associado à repressão, ao engano e à brutalidade para com o seu próprio povo. A Rússia também desestabilizou ou atacou os seus vizinhos, da Geórgia à Moldávia, Estónia e Ucrânia, e, segundo o FBI, interferiu nas eleições presidenciais dos EUA em 2016.

Essa é a Rússia contra a qual Navalny se opôs. E essa é a Rússia que muitos americanos têm apoiado ao oporem-se à ajuda à Ucrânia.

É natural ver a perda da figura mais importante da oposição russa como um sinal do poder de comando de Putin, mas pergunto-me se não será também um sinal da sua insegurança.

Um dissidente russo, Vladimir Kara-Murza, escreveu há poucos dias no The Washington Post: “Mesmo numa prisão russa, consigo ver a fraqueza de Putin”. E o próprio Navalny disse uma vez: “Se eles decidirem me matar, isso significa que somos incrivelmente fortes. Precisamos utilizar esse poder.”

Estas são palavras que tanto os russos como os ucranianos deveriam levar a sério, mas são também uma mensagem aos membros americanos do Congresso e aos partidários de direita que se tornaram companheiros de viagem de Moscovo. Que o sacrifício heróico de Navalny os desperte.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *