Mon. Jun 24th, 2024

A América está prosperando economicamente, mas politicamente disfuncional. Temos os recursos materiais, tecnológicos e militares para continuarmos a ser a principal superpotência mundial, mas o actual Congresso é incapaz de tomar decisões sobre questões básicas, como a forma de consertar o sistema de imigração ou que papel devemos desempenhar no mundo.

O que temos que fazer para corrigir esta situação? Bem, muitas coisas, mas uma delas é esta: mais de nós temos de abraçar uma ideia, uma forma de pensar que é fundamental para ser cidadão numa democracia.

Essa ideia é conhecida como pluralismo de valores. Está mais associado ao filósofo britânico Isaiah Berlin e baseia-se na premissa de que o mundo não se encaixa perfeitamente. Todos nós queremos buscar uma variedade de bens, mas, infelizmente, esses bens podem estar em tensão entre si. Por exemplo, podemos querer usar o governo para tornar a sociedade mais igualitária, mas se o fizermos, teremos de expandir tanto o poder do Estado que isso afetará a liberdade de algumas pessoas, um bem em que também acreditamos.

Como observou recentemente Damon Linker, que ministra um curso sobre Berlim e outros na Universidade da Pensilvânia, estes tipos de tensões são comuns nas nossas vidas políticas: lealdade a uma comunidade específica versus solidariedade universal com toda a humanidade; respeito pela autoridade versus autonomia individual; progresso social versus estabilidade social. Eu acrescentaria que esses tipos de tensões também estão presentes nos indivíduos: o desejo de estar enredado na comunidade versus o desejo de ter espaço pessoal para fazer o que quiser; o desejo de se destacar versus o desejo de se enquadrar; o grito por justiça versus o grito por misericórdia.

Se escolhermos um bem, estaremos sacrificando uma parte de outro. O fato trágico sobre a condição humana é que muitas escolhas envolvem perdas. Dia após dia, o truque é descobrir o que você está disposto a sacrificar pelo bem mais importante.

Claro, há algumas ocasiões em que a luta é realmente do bem contra o mal: a Segunda Guerra Mundial, o movimento pelos direitos civis, a Guerra Civil. Como argumentou Lincoln, se a escravidão não é errada, então nada está errado. Mas essas ocasiões são mais raras do que imaginamos.

Acho que detesto Donald Trump tanto quanto qualquer outro, mas o populismo Trumpiano representa alguns valores muito legítimos: o medo do exagero imperial; a necessidade de preservar a coesão social no contexto da migração em massa; a necessidade de proteger os salários da classe trabalhadora das pressões da globalização.

A luta contra o homem Trump é uma luta do bem contra o mal entre a democracia e o autoritarismo narcisista, mas a luta entre o liberalismo e o populismo trumpiano é uma luta sobre como equilibrar preocupações legítimas.

Berlim tinha uma palavra para as pessoas que pensam que existe uma solução certa para os nossos problemas e que, portanto, devemos fazer o que for necessário para impô-la: monistas. Berlim nasceu na Rússia pré-revolucionária e atingiu a maioridade na década de 1930, quando duas filosofias monistas estavam em marcha, o marxismo e o fascismo. Afirmavam ser ideologias que tudo explicavam e que prometiam o fim definitivo dos problemas políticos.

Hoje, o monismo assume a forma daqueles da esquerda ou da direita que vêem todos os conflitos políticos como lutas boas e más entre os opressores e os oprimidos. A esquerda descreve estes conflitos como o colonizador versus o colonizado. A direita Trumpiana descreve estes conflitos como as elites costeiras, os globalistas ou os marxistas culturais. Mas ambos os lados mantêm a ilusão de que podemos resolver os nossos problemas se simplesmente esmagarmos as pessoas más.

Nós, pluralistas, resistimos a esse tipo de moralismo maniqueísta. Começamos com a premissa de que a maioria das facções políticas numa sociedade democrática estão a tentar alcançar um bom fim. A pergunta certa não é quem é bom ou mau. A questão certa é que equilíbrio precisamos encontrar nestas circunstâncias?

Na década de 1980, pensei que a principal preocupação era a esclerose económica e que as políticas Reagan/Thatcher, incluindo cortes de impostos, eram a resposta certa. Agora penso que a principal preocupação é a desigualdade e a fragmentação social, e penso que as políticas de Biden, incluindo aumentos de impostos, são a resposta certa.

Nós, pluralistas, acreditamos que o conflito é uma parte eterna da vida pública – estaremos sempre a debater-nos sobre como equilibrar bens concorrentes – mas é um conflito de tipo limitado, um debate entre patriotas, e não um jogo mortal entre os filhos de luz e os filhos das trevas. Na nossa opinião, o Congresso deveria ser o local onde estes tipos de equilíbrios são alcançados, o local onde diferentes tipos de representantes se reúnem para pesar interesses e chegar a compromissos. Não deveria ser um lugar onde os representantes destroem compromissos para que possam aparecer na TV assumindo uma posição ideologicamente pura.

O pluralismo é um credo que induz à humildade (mesmo entre nós, especialistas, que somos resistentes à virtude). Um pluralista nunca acredita que possui a verdade e que todos os outros vivem no erro. O pluralista demora a afirmar a certeza, sabendo que mesmo aquelas pessoas que o denunciam vigorosamente estão provavelmente parcialmente certas. “Fico entediado de ler pessoas que são aliadas”, confessou certa vez Berlin.

Berlin fez um grande esforço para argumentar que o pluralismo não é relativismo. Não é a crença de que todos nós temos a nossa própria verdade. É a crença de que existem verdades objectivas, mas que infelizmente, na vida política, elas não se enquadram num todo sem atritos.

Ele era mais interessante quando escrevia sobre pessoas específicas – como Maquiavel ou Churchill – do que quando escrevia sobre ideias abstratas. Isso captura algo profundamente humanista em sua visão de mundo: que no centro está sempre aquele que busca, lutando com ironias e incongruências, sempre tentando empaticamente compreender outras mentes, sempre tentando manter a cabeça enquanto outros perdem a deles.

Berlin argumentou que se houvesse um conjunto final de soluções, “um padrão final no qual a sociedade pudesse ser organizada”, então “a liberdade tornar-se-ia um pecado”. Mas não existem respostas definitivas certas para questões políticas, por isso a história continua a ser uma conversa que não tem fim.

Muitos eleitores americanos recompensam os políticos que lhes oferecem uma guerra santa. Se houvesse mais pluralistas, elegeríamos mais pessoas interessadas em tornar a vida melhor de forma gradual e constante.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *