Sun. May 26th, 2024

As notícias económicas em 2023 foram quase milagrosamente boas. A economia americana não só desafiou as previsões generalizadas de recessão, como também desafiou as alegações de que apenas um aumento significativo do desemprego poderia controlar a inflação. Em vez disso, obtivemos uma combinação de forte crescimento, desemprego próximo do nível mais baixo dos últimos 50 anos e inflação em queda livre.

Mas na semana passada, o Bureau of Labor Statistics informou que tanto o Índice de Preços no Consumidor como o Índice de Preços no Produtor subiram 0,3% em Janeiro, mais do que a maioria dos analistas esperava. E os suspeitos do costume – os baixistas permanentes da inflação, os inimigos políticos da administração Biden e os economistas que previram erradamente que a desinflação exigiria desemprego em massa – saltaram sobre os dados como se estes se tratassem de uma bola de futebol desastrada.

Então, os bons tempos acabaram?

Não. Tudo o que sabemos sugere que esses números decepcionantes foram, na sua maioria, uma falha estatística, em vez de assinalarem um agravamento significativo nas tendências da inflação.

Antes de explicar como essas oscilações podem acontecer, deixe-me dizer quais indicadores observei após os relatórios de inflação.

Primeiro, estava a olhar para os mercados financeiros, onde instrumentos como os swaps de inflação e as obrigações indexadas informam quais as taxas de inflação que os investidores que colocam dinheiro real em jogo esperam. Os preços destes instrumentos ainda apontam para uma inflação baixa, em torno de 2% ou um pouco mais.

Em segundo lugar, estava à espera para ver o que aconteceria no inquérito da Reserva Federal de Atlanta sobre as expectativas de inflação empresarial, que pergunta às empresas quanto esperam que os custos subam durante o próximo ano. Se a inflação aumentasse repentinamente, seria de esperar que as empresas notassem. Mas as suas expectativas de inflação subiram para 2,3 por cento em Fevereiro, de… 2,2 por cento em Janeiro.

Mas se nada mudou, de onde vieram esses números BLS um pouco assustadores?

Em princípio, o governo estima os preços gerais ao consumidor da mesma forma que a American Farm Bureau Federation estima o preço de um jantar clássico de Ação de Graças (que, aliás, caiu 4,5% em 2023): calcula o custo de compra de uma cesta fixa de bens e serviços.

Na prática, a nossa economia é muito mais complicada do que um menu padronizado de jantar de feriado, e estimar a inflação envolve muito trabalho estatístico sofisticado. O BLS é extremamente competente e profissional – na verdade, uma vantagem política raramente anunciada que os Estados Unidos têm sobre outros países é que geralmente temos melhores dados. Mas embora eu só tenha elogios à agência, os seus relatórios ainda podem, por vezes, ser enganosos, por diversas razões.

Um dos motivos é que, para compreender os dados mensais, é necessário ajustar os fatores sazonais. Alguns destes factores são óbvios: os vegetais frescos ficam mais caros no Inverno e mais baratos no Verão. Outros são menos óbvios. A Goldman Sachs, que previu corretamente um aumento na inflação oficial, salienta que há um “efeito janeiro” nos preços, porque muitas empresas aumentam os seus preços no início do ano. E o Goldman argumentou, antecipadamente, que os números oficiais não seriam suficientemente ajustados para reflectir este efeito, levando a um aumento espúrio na inflação medida – um aumento que desaparecerá nos próximos meses.

Goldman também destacou que o maior componente do Índice de Preços ao Consumidor – 27% da cesta! — é um preço que ninguém realmente paga: aluguel equivalente aos proprietários, uma estimativa do que os proprietários seria estariam pagando se alugassem suas casas. Há razões para o Bureau medir os custos da habitação desta forma, mas também há razões para acreditar que, nos últimos anos, esse número se tornou enganador, distorcendo e exagerando as estimativas da inflação global. Acontece que o BLS também produz uma estimativa de preços excluindo a renda equivalente aos proprietários, correspondendo aproximadamente à forma como os países europeus medem a inflação. Este índice “harmonizado” aumentou apenas 2,3% em relação ao ano passado.

Se você acha tudo isso um pouco entorpecente, deixe-me contar um segredo – eu também, embora esta seja minha área. Mas o resultado final é importante: apesar de alguns números decepcionantes na semana passada, a narrativa básica não mudou. A economia dos EUA continua a parecer uma incrível história de sucesso.

Dizer isto leva, claro, à resistência dos republicanos que alegaram ad nauseam que as políticas “socialistas” de Biden seriam um desastre – e como escrevi recentemente, para essas pessoas acreditar é ver, continuam a insistir que a economia está terrível, mesmo quando, segundo todas as medidas objetivas, está indo muito bem. Também há alguma resistência por parte das pessoas de esquerda, que aparentemente acreditam que um presidente progressista não deveria ser autorizado a promover sucessos políticos até que tenha eliminado completamente a pobreza e a insegurança – isto é, nunca.

O facto, porém, é que Biden implementou uma agenda muito ambiciosa – grandes melhorias no Obamacare, alívio da dívida estudantil, grandes gastos em infra-estruturas, promoção em grande escala de semicondutores e energia verde que levaram a um aumento no investimento industrial. Muitas vozes alertaram que ele estava a exagerar, que a economia pagaria um preço elevado.

Mas isso não aconteceu. Acontece que podemos, de facto, dar-nos ao luxo de fazer muito para melhorar a vida dos americanos e investir no futuro.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *