Fri. Jul 19th, 2024

Yukihiro Shimura sempre chega primeiro. Ele silenciosamente veste seu uniforme de beisebol. Ele varre o campo de terra meditativamente. Ele pega cascas de coco e cocô de cachorro. E, por fim, ao terminar, faz uma reverência ao único campo de beisebol do Rio de Janeiro.

Então sua equipe desajustada – incluindo geólogo, designer gráfico, professor de inglês, estudante de cinema, dublador e entregador de motocicleta – começa a se formar. A maioria está na faixa dos 20 e 30 anos e alguns ainda estão aprendendo o básico de arremessar, pegar e balançar um taco.

Não foi o que o Sr. Shimura imaginou quando se inscreveu para este show. “Na minha opinião, a faixa etária seria de 15 a 18 anos”, disse ele. “Eu deveria ter perguntado.”

Nas últimas duas décadas, Shimura, 53 anos, foi um dos melhores treinadores de beisebol do ensino médio do Japão. Agora ele está a mais de 16 mil quilômetros de casa, em uma missão de dois anos do governo japonês para espalhar o evangelho do beisebol.

O desafio é que o Japão o enviou para a terra do futebol.

Apesar de ser o maior país da América Latina – a região que impulsionou o crescimento do beisebol nas últimas décadas – o Brasil está perplexo com o esporte. Os brasileiros dizem que, comparado ao seu passatempo nacional, o beisebol tem muitas regras, muitos equipamentos e muita permanência.

Como resultado, embora muitos brasileiros usem bonés do New York Yankees, muitas vezes eles não têm ideia de que a insígnia representa o famoso time de beisebol do Bronx. E enquanto a Liga Principal de Beisebol inicia mais uma temporada nos Estados Unidos na quinta-feira, muitos brasileiros realmente pensam no beisebol como um esporte em grande parte japonês.

Isto porque a maioria das pessoas que jogam basebol aqui fazem parte da maior diáspora japonesa do mundo, segundo o governo japonês, estimada em cerca de dois milhões de imigrantes japoneses no Brasil e seus descendentes, uma comunidade que começou com a migração económica no início do século XX. É também porque Shimura é o mais recente de uma longa linha de treinadores japoneses que vieram ao Brasil para ensinar beisebol.

Os treinadores são contratados por um programa do governo japonês que envia especialistas japoneses e dinheiro ao redor do mundo para ajudar projetos de infraestrutura e ambientais, bem como para ensinar exportações culturais, como culinária japonesa, língua e kendo.

Há nove treinadores de beisebol no Brasil na coorte atual. Como sempre, quase todos estão em São Paulo, onde vive a maior comunidade japonesa fora do Japão.

“Na verdade, fiquei surpreso que o nível do beisebol no Brasil seja bastante alto”, disse Shimura, observando que a seleção brasileira de beisebol terminou em um surpreendente segundo lugar nos Jogos Pan-Americanos do ano passado. “Mas isso é só em São Paulo.”

O Sr. Shimura não foi designado para lá. Em vez disso, ele é o segundo técnico japonês do programa na meca do samba e do futebol no Brasil: o Rio.

A vida do Sr. Shimura girou em torno do beisebol. Ele disse que se apegou ao esporte quando criança, como uma fuga das provocações que sofreu por compartilhar seu nome de nascimento com um dos comediantes pastelão mais famosos do Japão, Ken Shimura. (Mais tarde, ele mudou seu nome.)

Depois descobriu-se que ele era muito bom no esporte – um defensor externo que sabia jogar, rebater e correr – e se matriculou em uma escola de beisebol de elite para perseguir o sonho de jogar nas principais ligas do Japão.

Mas ele nunca passou do circuito semiprofissional. Nessa liga, cada time pertence a uma grande empresa japonesa e os jogadores dividem seu tempo entre o beisebol e o trabalho. Shimura tocava instrumentos musicais Kawai, construindo pianos pela manhã e praticando à tarde.

Depois de sete anos, ele passou a ser treinador, eventualmente para uma escola secundária, onde liderou times no prestigiado torneio nacional de beisebol do Japão. Mas ele disse que nunca teve um desafio como o que enfrenta no Rio.

Quando decidiu ir para o exterior, deixando a esposa e os filhos adultos por dois anos, ele esperava retribuir enquanto se aventurava. Ele sonhava em desenvolver jovens jogadores talentosos em um centro de beisebol como a República Dominicana.

Em vez disso, ele começou a instruir adultos que haviam pegado uma bola de beisebol pela primeira vez, em alguns casos, apenas algumas semanas antes. O time carioca compete periodicamente contra outros cinco times da periferia carioca, onde há mais diamantes de beisebol e onde Shimura também treina nos finais de semana.

“Para ser honesto, eu pensei: ‘Ai. Por que eu fiz isso?’”, lembrou ele em sua esparsa e meticulosamente organizada unidade de aluguel no Rio, completa com um fogão elétrico. (Ele recebe uma bolsa do governo japonês para cobrir suas despesas de subsistência.) “Mas então houve um ponto de inflexão. Eu disse, não vou me concentrar no que está faltando aqui. Vou me concentrar no que pode ser construído.”

Então o Sr. Shimura começou com o básico. Em um treino recente, usando uma mistura de japonês, português básico e pantomima, ele demonstrou posturas sobre como colocar bolas rasteiras e lançar para uma base.

Enquanto ele corria e saltitava pelo campo, ficou claro que ele tinha mais energia do que os jogadores. E ele falava constantemente, oferecendo encorajamento positivo e em voz alta, mesmo que os jogadores não tivessem certeza do que ele estava dizendo.

“É preciso decifrar”, disse Aluísio Carvalho, 23 anos, professor que usava boné do Toronto Blue Jays. “Mesmo que você não entenda uma palavra do que ele disse, quando ele demonstra o movimento você pelo menos tem uma noção do que fazer.”

Os jogadores começaram a usar algumas palavras japonesas – shoto para shortstop e fasto para primeira base, por exemplo – e mesmo agora às vezes se curvam em campo, espelhando seu treinador.

Shimura também tentou transmitir algumas características do beisebol japonês. Ele passou um tempo tentando explicar por que o trabalho em equipe é importante, desenhando diagramas de jogadas. Ele mostrou a seus alunos como fazer a manutenção do campo e dos equipamentos. E ele demonstrou como respeitar árbitros e competidores. “Quero ensinar mais do que apenas beisebol”, disse ele.

Os brasileiros disseram que se sentiram atraídos pelo beisebol por filmes americanos ou animes japoneses – um deles disse que sua introdução ao esporte foi um desenho animado do Pica-pau – e então se apaixonaram pela novidade e pelo ritmo do jogo assim que o experimentaram. “Você pode ser magro e brincar, ou pode ser gordo”, disse Luan David, 18 anos, que estuda sommelier.

Os jogadores disseram que foram inspirados pela energia e positividade ininterruptas do Sr. Shimura. “Ele é muito mais um treinador motivacional do que estritamente profissional”, disse Rafael Dantas, 29 anos, trabalhador de tecnologia da informação e arremessador. “Mais emocional do que regulamentado. E para o nível que estamos jogando, isso vale muito mais.”

“Ele é um verdadeiro professor”, acrescentou. “Um verdadeiro sensei.”

Dantas é um dos jogadores mais antigos, tendo sido apresentado ao beisebol pela primeira vez em um evento cultural japonês no Rio, há oito anos. Ele e outros jogadores mais experientes compõem o núcleo do time – os “Cariocas” – que joga em um campo de beisebol de terra ao longo da pitoresca lagoa do Rio e com vista para suas famosas serras. O local atrai muita curiosidade de transeuntes que nunca viram beisebol ao vivo. Em parte, é por isso que o Sr. Shimura está treinando tantos novatos.

Marcio Ramos, 44 anos, entregador de motocicleta, estava em seu quinto treino. Ele havia aparecido para fazer perguntas semanas antes – o máximo que sabia sobre beisebol era assistindo ao filme de Brad Pitt, “Moneyball” – e agora aprendera a rebater com Shimura. “Ele fala a linguagem universal do esporte”, disse Ramos. “Você basicamente traduz o que ele quer sem entender o que ele diz.”

Poucos minutos depois, Ramos acertou uma bola por cima da cerca pela primeira vez. O Sr. Shimura gritou de alegria. “Músculo!” — disse Shimura, correndo para apertar o bíceps do Sr. Ramos.

“Tento ficar feliz com as pequenas coisas que podem ser alcançadas”, disse Shimura. “Quando eles melhoram aos poucos, é aí que encontro minha alegria.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *