Wed. Feb 21st, 2024

Prestar testemunho, de perto e muitas vezes com grande risco, é a essência de um despacho e, em 2023, os nossos correspondentes enviaram 80 deles de 37 países, captando a experiência humana de quase todos os ângulos: o bom, o mau e o doloroso. .

Num ano marcado por conflitos, dezenas de envios vieram diretamente de zonas de guerra: de uma rara viagem ao interior de Gaza, onde vimos uma cidade totalmente desfigurada; de um kibutz devastado em Israel, onde mais de 60 pessoas foram assassinadas em 7 de outubro; e da Cisjordânia, onde “não existe dormir à noite”.

E recebemos vários relatórios comoventes da Ucrânia, onde rostos estóicos começaram a rachar sob o impacto emocional da guerra. Os efeitos dessa guerra estão a ser sentidos a nível mundial, desde Bali, onde expatriados russos e ucranianos tentam conviver, até cidades na Polónia e na República Checa abaladas pelos combates.

Em seis despachos provenientes do Afeganistão, explorámos as consequências de outra guerra, apenas recentemente terminada; também corremos para o local remoto de um terremoto devastador que aumentou a miséria de um país já devastado.

Não faz muito tempo, o bairro de Cabul conhecido como Zona Verde fervilhava com a trilha sonora de um esforço de guerra multibilionário no Afeganistão. Veículos blindados rugiam pelas ruas, enquanto o baque surdo dos helicópteros americanos ecoava pelo céu.

Mas hoje em dia há outro tipo de agitação na vizinhança: o Taliban está se aproximando e se tornando seu.

-Por Christina Goldbaum

A Itália se apaixonou por “Mare Fuori”, um melodrama televisivo sobre os internos de um centro de detenção juvenil que passam o tempo se beijando – quando não se esfaqueiam ocasionalmente.

A figurinista do espetáculo, Rossella Aprea, disse que como não havia uniforme em uma verdadeira prisão juvenil italiana, ela poderia usar a imaginação. “Muitos tops curtos pretos e super justos”, disse ela. “Pele, pele, pele.”

—Por Jason Horowitz; fotografias de Gianni Cipriano

Bonés de beisebol com o logotipo do New York Yankees estão por toda parte no Brasil. Mas muitos brasileiros não têm ideia do que esse logotipo representa.

“É futebol americano?” perguntou Carlos Henrique, 20 anos, que vendia os bonés na Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. Mas a resposta não importava tanto quanto a popularidade do boné, seu best-seller. “Só sei que chama a atenção”, disse ele. “E fica bem em todos.”

—Por Jack Nicas; fotografias de Dado Galdieri

As viagens de metrô em Seul são gratuitas para maiores de 65 anos e, por isso, alguns aposentados passam os dias andando de trem até o fim da linha.

“Você lê e cochila”, disse Jeon Jong-duek, 85 anos, professor de matemática aposentado. “Não há um canto de Seul que eu não vá.”

— Por Victoria Kim; fotografias de Chang W. Lee

Nadar em Paris é uma experiência cultural completa, oferecendo vistas íntimas da psique francesa, que está quase nua nas raias de natação, nos vestiários e nos chuveiros (principalmente mistos).

Veja a Piscine des Amiraux, construída em 1930. É uma piscina longa e fina, com paredes cobertas de azulejos brancos do metrô. Olhe para cima e você verá uma clarabóia, acima de dois anéis de varandas ladeadas por portas verdes de vestiários individuais. Você pendura suas coisas em ganchos em forma de âncora e, quando termina de nadar, um grumete vem e abre a porta para você.

Tudo parece nadar de volta no tempo.

— Por Catherine Porter; fotografias de Dmitry Kostyukov

As crianças gritavam, o mar rugia e um alto-falante portátil tocava uma canção de amor. Empoleirada em um cachorro-quente inflável gigante, uma criança remava pelas águas rasas. Esta poderia ser qualquer praia em qualquer lugar em um fim de semana de verão, se você fechasse os olhos com força suficiente para bloquear a luz da lua. Mas era meia-noite em Dubai.

“Dubai à noite é muito bonito”, disse Mamadoto Momo, um salva-vidas senegalês que trabalha na praia das 18h às 6h.

— Por Vivian Nereim; fotografias de Andrea DiCenzo

O que você precisa entender sobre uma missão de atirador de elite é que desde o minuto em que ela começa até o minuto em que termina, tudo o que você faz é para matar outro ser humano.

Mas quase ninguém diz isso. Por isso foi um pouco surpreendente quando um soldado decidiu explicar os seus cálculos morais ao matar tropas russas: Ele estava a dizer a parte calma em voz alta.

— Por Thomas Gibbons-Neff; fotografias de David Guttenfelder

No Budismo do Himalaia, os papéis religiosos das freiras há muito são restringidos por regras e costumes. Mas uma seita está mudando isso, misturando meditação com artes marciais e ativismo ambiental.

“O Kung Fu ajuda-nos a quebrar barreiras de género e a desenvolver confiança interior”, disse Jigme Rabsal Lhamo, uma freira budista. “Também ajuda cuidar dos outros durante as crises.”

— Por Sameer Yasir; fotografias e vídeos de Saumya Khandelwal

As ovelhas vieram espalhadas pela encosta, emergindo através da névoa baixa onde a terra verde tocava o céu cinzento, descendo pelos campos abaixo.

Eles estavam prontos para o grande momento: a Semana da Lã de Shetland finalmente havia chegado.

— Por Megan Specia; fotografias de Andrew Testa

Embora a repressão do governo aos letreiros de néon resulte de preocupações ambientais e de segurança, a campanha evoca o desvanecimento da própria Hong Kong: a triste alegoria do declínio de uma cidade eléctrica, a extinção literal do seu clarão impetuoso.

“O néon é uma espécie de emblema da cidade, uma personificação das histórias de Hong Kong”, disse Cardin Chan, que dirige um grupo dedicado à conservação de sinais condenados. “Mas não é apenas o néon que está passando por uma transformação. É a cidade inteira, certo?

— Por Hannah Beech; fotografias de Anthony Kwan

No estado austríaco da Caríntia, onde a lei favorece as abelhas locais de cor clara, os produtores de mel consideraram “muito escuro” o risco de erradicação.

“É fanatismo racial”, disse Sandro Huter, um apicultor que foi instruído a substituir suas rainhas escuras por rainhas cinza-claras.

— Por Denise Hruby; fotografias de Ciril Jazbec

Os sul-africanos estão a saborear a segunda vitória consecutiva no Campeonato do Mundo, produzindo uma unidade racial que nem Hollywood conseguiu criar e uma fuga aos problemas do país.

“É mais do que apenas rúgbi”, disse François Pienaar, capitão do time que venceu a primeira Copa do Mundo de rúgbi da África do Sul em 1995. “É uma nação. É uma questão de esperança. Trata-se de construir um futuro para todos no nosso país.”

– Por John Eligon; fotografias de João Silva

Um terreno sombrio e nevado perto do Mar Negro é o local de descanso final para cada vez mais soldados das forças mercenárias de Wagner, um testemunho das enormes baixas que a Rússia está a sofrer na sua invasão.

“Senhor, tenha piedade”, cantava um padre enquanto abençoava os corpos dos soldados russos caídos com incenso, com a batina fustigada por um vento gelado.

— Por Valerie Hopkins; fotografias de Nanna Heitmann

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *