Mon. Jul 15th, 2024

No átrio do grande Biltmore Hotel em Coral Gables, Florida, onde uma nova força em expansão no ecossistema de direita de Washington, o Conservative Partnership Institute, realizava a sua conferência de Inverno, a antiga conselheira jurídica de Trump, Cleta Mitchell, estava exultante.

“Você ouviu ‘War Room’ hoje? Bannon estava pegando fogo!” ela disse a um amigo. Ela estava se referindo ao podcast apresentado por Stephen K. Bannon, o ex-conselheiro sênior de Trump na Casa Branca que havia condenado os senadores republicanos por apoiarem bilhões de dólares em ajuda à Ucrânia e a Israel naquele dia.

Mitchell estava entre os cerca de 150 doadores e ativistas conservadores que se reuniram em Coral Gables no início deste mês para celebrar a ascensão de um grupo que se tornou uma sinecura bem remunerada para os aliados de Trump e uma incubadora para as políticas que o ex-presidente poderia seguir se fosse eleito. . Os participantes carregaram sacolas de presentes sob o sol quente e trocaram roupas de golfe por trajes de negócios em um jantar onde aplaudiram enquanto dois oradores negros – Ben Carson, o ex-secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano, e o deputado Byron Donalds da Flórida – exaltavam os valores conservadores enquanto condenando as políticas de identidade racial da esquerda.

O principal executivo do grupo, Jim DeMint, ex-senador americano pela Carolina do Sul, estava lá, assim como Mark Meadows, ex-chefe de gabinete do presidente Donald J. Trump, que recebe US$ 847 mil anualmente como conselheiro sênior da organização. Mais de uma dúzia de membros do House Freedom Caucus também compareceram, assim como Mollie Hemingway, editora-chefe do site de jornalismo de direita The Federalist, cuja empresa-mãe CPI ajuda a financiar.

A mensagem da conferência foi “enfrentar o Pântano” de uma organização sem fins lucrativos com um orçamento anual de 36 milhões de dólares de doadores privados que agora funciona como um centro nevrálgico de serviço completo para a actividade de direita e um terreno fértil para a próxima geração de leais a Trump. .

Os legisladores podem realizar arrecadações de fundos em suas salas de eventos; enviar seus funcionários para sessões de treinamento no refúgio do grupo em Maryland; fazem seus sucessos nos telejornais em seu estúdio; ou receber, por mensagem de texto, perguntas de acompanhamento para os legisladores fazerem às testemunhas durante as audiências no Congresso. Os doadores podem canalizar o seu dinheiro através do instituto para uma série de causas conservadoras, desde a promoção de valores cristãos na educação até à ajuda no pagamento de honorários advocatícios incorridos pelo que o grupo chama de “servidores públicos da América em Primeiro Lugar”.

“Estamos apenas fazendo o que os outros vêm fazendo há décadas”, disse Robert Bruce, empresário aposentado da aviação do Texas e doador do CPI, em entrevista dois dias após a conferência. “Há um vazio em Washington, DC, e o CPI o preencheu dando um refúgio aos conservadores.”

A organização pretende ser muito mais que um refúgio. Um dos grupos que formou e financiou, a American Accountability Foundation, afirma na sua declaração de missão que procura “promover mensagens conservadoras” atacando agressivamente os nomeados para a administração Biden. Outro fruto, o Centro para a Renovação da América, pretende enfrentar o que chama de “revolução cultural” esquerdista, bem como uma “burocracia federal acordada financiada pelos contribuintes”.

Os críticos dizem que, ao incubar estes e outros grupos, o CPI está a entrar em conflito com leis que proíbem organizações sem fins lucrativos isentas de impostos de se envolverem em actividades partidárias. Hoje, uma organização de vigilância, Campaign for Accountability, e um grupo de investigação progressista sem fins lucrativos, Accountable.US, apresentaram uma queixa formal sobre o grupo ao Internal Revenue Service, argumentando que as ofertas de fundos e serviços do grupo são reservadas a um único partido político.

O grupo de vigilância também pediu ao IRS que investigasse se o CPI se envolveu em atividades de lobby não declaradas, doando quase 2 milhões de dólares a uma organização relacionada, o Compass Legal Group, que apoiava legislação conservadora tanto a nível estadual como federal.

Altos funcionários da CPI não quiseram comentar.

Os objectivos originais do CPI eram modestos. Fundada no verão de 2017 por altos funcionários da conservadora Heritage Foundation, incluindo o seu presidente recentemente deposto, Sr. DeMint, descreveu-se como um sistema de apoio “para promover políticas conservadoras no Congresso”. Em 2018, o grupo organizou uma feira de empregos para ajudar a preencher vagas na Casa Branca de Trump, segundo reportagem da CNN da época. A sua receita operacional cresceu a um ritmo constante, embora lento: 4,3 milhões de dólares em 2018, 5,3 milhões de dólares em 2019, 6,2 milhões de dólares em 2020.

Em 2021, a receita anual do grupo aumentou para US$ 45,7 milhões. O aumento resultou de uma confluência de fatores, de acordo com uma análise dos documentos da organização, bem como entrevistas com atuais e antigos aliados da CPI. Após a derrota de Trump nas eleições de 2020 e o subsequente impeachment, o grupo posicionou-se como o veículo pronto para o combate à indignação da ala MAGA do Partido Republicano. O seu relatório anual de 2021, de 48 páginas, prometia que estava a “mudar a forma como os conservadores lutam”, usando a palavra “luta” ou “lutou” 27 vezes ao todo.

Também recrutou o que o relatório descreveu como heróis de Trump, começando com Meadows, que se tornou sócio sênior uma semana depois de Trump deixar o cargo. O ex-chefe de gabinete da Casa Branca “ajudou a incubar e lançar” vários grupos relacionados que seriam chefiados por colegas proeminentes ex-alunos de Trump, disse o relatório de 2021.

Entre eles: a America First Legal Foundation, uma empresa conservadora litigiosa liderada pelo ex-assessor político sênior da Casa Branca e redator de discursos Stephen Miller; o Center for Renewing America, um centro de mensagens sobre a guerra cultural cujos principais funcionários incluem Russell Vought, ex-diretor do Escritório de Gestão e Orçamento, e Kash Patel, ex-assessor de segurança nacional; e a Election Integrity Network, liderada por Mitchell, cujo papel nos esforços de Trump para anular os resultados eleitorais de 2020 levou à sua saída abrupta do escritório de advocacia Foley & Lardner de Washington, dois meses antes de a CPI a contratar.

Entre os doadores do grupo estão nomes conhecidos da comunidade conservadora, incluindo a filantropa Rebecca Dunn, o bilionário de private equity John W. Childs e a Servant Foundation, o grupo sem fins lucrativos por trás dos anúncios “He Gets Us” que foram ao ar durante o Super Bowl.

Mas muitos têm um perfil mais discreto. Bruce, o ex-empresário da aviação, disse na entrevista que era um doador de longa data da Heritage e foi persuadido pelos ex-alunos desse grupo a fazer do CPI o seu principal beneficiário de caridade. Outro texano que é ex-executivo-chefe de software, Mike Rydin, doou US$ 25,6 milhões para a organização em 2021. A CPI usou quase um terço desse valor no final do ano para comprar um pavilhão de caça de 2.200 acres em Cambridge, Maryland. , a cerca de 145 quilômetros de carro a leste de Washington. O “Camp Rydin” serve agora como centro de conferências e alojamento para membros conservadores do Congresso e seus funcionários, que, de acordo com as regras éticas, não podem aceitar viagens num raio de 80 quilómetros do Capitólio.

Bruce disse que ele e Rydin incentivaram o grupo a criar uma presença duradoura em Washington, dizendo: “Você precisa conseguir imóveis. Esse precisa ser seu objetivo número 1.” Os dois homens forneceram dinheiro para comprar uma casa geminada, posteriormente apelidada de Rydin House, na esquina da atual sede do CPI na Avenida da Independência, no Capitólio.

Vários pequenos doadores, com fundos correspondentes fornecidos por um punhado de doadores mais ricos, como Rydin, contribuíram para comprar quatro propriedades adjacentes na vizinha Avenida Pensilvânia, rebatizada como Patriots’ Row pela literatura do CPI. Os responsáveis ​​do grupo descreveram estas aquisições como uma cidade autossustentável dentro de uma cidade para os conservadores. Os planos de longo prazo para os edifícios incluem um restaurante de propriedade do CPI e um estúdio de televisão para substituir o agora situado no subsolo do CPI.

Um terceiro inquilino, a Capitol Hill Christian Academy, afiliada ao CPI, deve abrir suas portas para alunos do jardim de infância em setembro, a poucos passos de dois antigos bares do Capitólio, o Tune Inn e o Hawk & Dove.

A elegante sede de três andares do CPI na Avenida da Independência, a poucos passos do Capitólio e originalmente construída como um edifício bancário há cerca de um século, tornou-se um espaço seguro para a irmandade conservadora. Os funcionários legislativos podem desfrutar de happy hours no pátio isolado e os membros podem realizar reuniões de campanha nas salas de conferências sem receio de que as suas conversas acabem nos meios de comunicação social.

Ainda assim, o crescimento generosamente financiado pelo CPI em Washington irritou vários colegas conservadores, embora aqueles que partilharam as suas dúvidas não o fizessem oficialmente, por medo de serem alvo do grupo.

Embora atenda ao House Freedom Caucus, que se reúne na sede da CPI todas as semanas em que o Congresso está em sessão, cerca de um terço deles não paga a taxa anual de adesão de 5.000 dólares, de acordo com os registos da Comissão Eleitoral Federal. Um membro do Freedom Caucus que não é membro do CPI expressou consternação com os elevados salários pagos ao Sr. Meadows e outros executivos. Outro membro conservador da Câmara descreveu Camp Rydin como um luxo impróprio, especialmente quando o dinheiro poderia ser gasto protegendo a magra maioria do partido na Câmara em distritos contestados.

Mas é o estatuto do CPI como organização sem fins lucrativos que tem levantado as questões mais incisivas. Ao contrário de algumas instituições de caridade, que podem envolver-se em alguma actividade política, uma organização sem fins lucrativos isenta de impostos como a CPI não pode ser partidária. Dito isto, é permitido que tais grupos sejam ideológicos, de acordo com Anna Massoglia, gerente editorial e de investigações do grupo de vigilância OpenSecrets.

“Essa é a área cinzenta que o CPI consegue explorar”, disse Massoglia em entrevista. “É uma área sobre a qual o IRS não emitiu orientações extensas.”

A CPI aproveitou esta zona cinzenta. Durante os últimos três anos, ajudou a lançar um escritório de advocacia para conservadores (Compass Legal Group), um centro de colocação de pessoal para candidatos conservadores a emprego (American Moment) e um centro de mídia para aspirantes a jornalistas conservadores (American Creative Network). Também se juntou à Heritage Foundation na liderança do Projecto 2025, um esforço para formar o que espera que sejam os nomeados presidenciais para a próxima administração republicana.

Alguns dos seus esforços foram encobertos, no entanto. Como o The Guardian relatou pela primeira vez, uma contribuição de um milhão de dólares para o CPI em julho de 2021 do Save America PAC, afiliado a Trump, foi seguida por associados do CPI que criaram uma empresa de fachada que, sob a direção da Sra. resultados no Arizona conduzidos pelo grupo Cyber ​​​​Ninjas.

Outra operação da CPI, não relatada anteriormente, ocorreu em 2022. Naquele ano, o grupo criou a Personnel Policy Operations, uma organização sem fins lucrativos criada para “educar e defender os funcionários públicos conservadores do America First e seus conselheiros”. A missão incluía ajudar a financiar a defesa legal de indivíduos sujeitos a uma “expurga esquerdista”, incluindo o Sr. Meadows.

O CPI contribuiu com 1,15 milhões de dólares para o fundo de defesa legal e, por sua vez, o fundo de defesa emitiu uma única subvenção, totalizando 1,13 milhões de dólares, para uma empresa recém-formada chamada Fundo de Defesa dos Direitos Constitucionais. Um ano depois, a empresa foi dissolvida.

O tesoureiro da extinta empresa, Thomas Datwyler, desempenhou a mesma função para a empresa de fachada que doou US$ 1 milhão para a auditoria do Arizona um ano antes.

“Você olha para todos esses grupos de fachada falsos e as sinecuras que eles forneceram aos desgraçados leais a Trump, como Mark Meadows e Jeffrey Clark, e quando você junta tudo isso, parece mais uma operação política sorrateira do que uma” organização sem fins lucrativos honesta, disse o senador Sheldon Whitehouse, presidente democrata do Subcomitê de Tributação Financeira e Supervisão do IRS. Em dezembro de 2022, o Sr. Whitehouse enviou uma carta de quatro páginas ao CPI solicitando detalhes sobre vários empreendimentos do grupo. Whitehouse disse que ainda não recebeu resposta.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *