Sun. Apr 14th, 2024

Enquanto o sermão sobre o mês sagrado muçulmano do Ramadã soava nos alto-falantes da mesquita de Al Aqsa, Yousef al-Sideeq, de 13 anos, sentou-se em um banco do lado de fora dos portões do complexo.

“Na maioria das sextas-feiras eles me impedem de entrar, sem motivo algum”, disse o jovem morador de Jerusalém, referindo-se à polícia israelense.

Todas as sextas-feiras, Yousef visita a Cidade Velha de Jerusalém para rezar em Al Aqsa, o terceiro local mais sagrado para os muçulmanos e parte do complexo sagrado para o povo judeu, que o chama de Monte do Templo. Mas desde os ataques liderados pelo Hamas em 7 de Outubro e o subsequente bombardeamento de Gaza por Israel, as forças policiais israelitas fortemente armadas que guardam muitos dos portões da Cidade Velha impediram-no de entrar no complexo, disse ele.

Ele conseguiu entrar apenas duas vezes.

O acesso muçulmano à mesquita tem sido um ponto de discórdia, já que Israel exerceu um controle mais rígido sobre o complexo nos últimos anos, uma das muitas restrições que os palestinos que vivem sob décadas de ocupação israelense tiveram de suportar.

Quando o Ramadão começa, muitos também temem as restrições adicionais que Israel poderá impor, se houver alguma, ao local religioso, que pode atrair 200 mil pessoas num dia, não apenas de Jerusalém, mas da Cisjordânia ocupada por Israel e de Israel como um todo.

A polícia israelense disse que as pessoas estavam “entrando após verificações de segurança reforçadas que são realizadas devido à realidade atual, juntamente com esforços para evitar quaisquer distúrbios”. Mas não responderam a perguntas específicas sobre se existia uma política que impedia certos fiéis, especialmente homens jovens, de entrar na mesquita na sexta-feira.

Disseram que estavam “mantendo um equilíbrio entre a liberdade de culto e o imperativo de garantir a segurança”.

Na noite de domingo, a mídia palestina e israelense informou que policiais impediram muitos palestinos de entrar em Al Aqsa para realizar orações pelo início do Ramadã. Ambas as mídias citou um vídeo que mostrava oficiais com cassetetes perseguindo e espancando alguns palestinos.

Israel disse que não houve mudança no status quo, que permite que apenas os muçulmanos rezem no complexo. O local é reverenciado pelos judeus como o local de dois templos antigos, e pelos muçulmanos como o Santuário Nobre, o complexo que contém a Mesquita Al Aqsa e outros importantes espaços de oração islâmica. O complexo inclui o Domo da Rocha, uma sala de orações com cúpula dourada.

Israel capturou Jerusalém Oriental, incluindo a Cidade Velha e o complexo de Aqsa, da Jordânia em 1967 e mais tarde anexou-a. Grande parte do mundo considera-o território ocupado e não reconhece a soberania israelita sobre Jerusalém Oriental.

Muitos palestinos dizem que o seu acesso ao complexo de Al Aqsa tornou-se cada vez mais restrito em favor dos judeus, que consideram o Monte do Templo o lugar mais sagrado do judaísmo.

Os incidentes no complexo têm sido por vezes a faísca para conflitos mais amplos. A segunda intifada, ou revolta palestina, foi desencadeada em 2000, quando Ariel Sharon, que mais tarde se tornou primeiro-ministro de Israel, visitou Al Aqsa cercado por centenas de policiais. Os confrontos no complexo em maio de 2021 contribuíram para a eclosão de uma guerra de 11 dias entre Israel e o Hamas.

O Hamas, o grupo armado palestiniano que controla Gaza há anos, convocou o seu ataque de 7 de Outubro ao sul de Israel como Inundação de Al Aqsa, dizendo que era em parte uma resposta aos “planos de judaização” na mesquita.

O ataque matou cerca de 1.200 pessoas e cerca de 200 pessoas foram feitas reféns, segundo as autoridades israelenses. O ataque de Israel a Gaza na sua guerra contra o Hamas matou mais de 30.000 palestinos, segundo autoridades de saúde de Gaza.

Nos últimos anos, fiéis judeus têm orado dentro do complexo de Aqsa. Os mais extremistas procuram construir um terceiro templo judaico no local do Domo da Rocha.

Alguns dos episódios mais provocativos foram ataques ao complexo de Aqsa por forças policiais empunhando bastões, disparando gás lacrimogêneo e balas com pontas de esponja, que entraram em confronto com palestinos que atiraram pedras e soltaram fogos de artifício.

“A inundação de Al Aqsa surgiu como uma resposta às violações dos colonos contra Al Aqsa”, disse Walid Kilani, porta-voz do Hamas no Líbano, referindo-se aos fiéis judeus.

Os policiais israelenses “invadiram a mesquita e insultaram as orações muçulmanas ali”, acrescentou. “Tivemos que retaliar, pois Al Aqsa é o nosso local sagrado e é mencionado no Alcorão.”

Nas primeiras semanas da guerra, apenas muçulmanos com 60 anos ou mais foram autorizados a entrar, disse Mohammad al-Ashhab, porta-voz do Waqf – um fundo islâmico que administra a mesquita e que é financiado e supervisionado pela Jordânia.

A participação na oração de sexta-feira, um dia sagrado muçulmano, caiu de 50 mil para apenas 1.000, disse ele.

Embora a situação tenha melhorado desde então, disse ele, muitos muçulmanos ainda são impedidos de comparecer.

Muitos palestinos temem pelo futuro de Al Aqsa, especialmente enquanto o governo mais direitista de Israel está no poder.

Na semana passada, o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que tinha decidido não impor novas restrições a Al Aqsa durante o Ramadão e permitiria um número de fiéis semelhante ao dos anos anteriores.

Além das restrições israelitas de longa data aos muçulmanos provenientes da Cisjordânia ocupada, Itamar Ben-Gvir, o ministro da segurança nacional de extrema-direita, apelou ao governo para impor limites este ano aos cidadãos palestinianos de Israel.

Ainda assim, a linguagem ambígua da decisão do governo israelita preocupa alguns. Grupos de direitos humanos temem que a liberdade de culto possa ser restringida sob o pretexto de segurança e proteção.

“A declaração de Netanyahu não garante, na verdade, total liberdade de acesso dos muçulmanos a Al Aqsa, mas antes condiciona-a às necessidades de segurança”, disse Ir Amim, um grupo de direitos humanos israelita que se concentra em Jerusalém, num comunicado após a decisão. “Isso, por sua vez, pode levar a uma decisão de aplicar, em última instância, restrições coletivas à entrada durante o Ramadã.”

“Nossa liberdade de culto retrocedeu”, disse al-Ashhab.

Para chegar ao complexo da mesquita de Al Aqsa, os fiéis muçulmanos tiveram que passar na sexta-feira por pelo menos três camadas de barricadas policiais, onde as autoridades impediram a entrada de pessoas, verificaram identidades ou revistaram malas. Muitos chegaram com tapetes de oração nas mãos.

AbdulAziz Sbeitan, 30 anos, estava correndo por um cemitério muçulmano nos limites da Cidade Velha, tendo sido impedido de entrar no Portão do Leão, uma das sete entradas do bairro histórico. Ele estava ao telefone com amigos que tentavam entrar por outros portões.

O nativo de Jerusalém sempre compareceu à oração de sexta-feira em Al Aqsa, mas desde 7 de outubro não conseguiu entrar nenhuma vez. Toda sexta-feira ele tenta vários portões.

Às vezes, ele acompanha uma mulher mais velha ou meninas em um esforço para passar, mas sempre a polícia o empurra para trás, disse ele.

“É a casa de Deus e a casa dos nossos antepassados”, disse Sbeitan enquanto caminhava rapidamente em direção ao Portão de Herodes. “Como muçulmanos, é importante; Al Aqsa é para os muçulmanos.”

Ao chegar ao Portão de Herodes, ele viu muitos jovens sendo rejeitados, em alguns casos empurrados violentamente pela polícia.

Sr. Sbeitan praguejou baixinho enquanto acendia um cigarro, observando. Ao seu redor, outros jovens ofereciam conselhos e, em alguns casos, desânimo.

“Venha, vamos tentar outro portão”, disse um deles ao amigo.

“Gente, tentamos todos os portões, eles não deixam vocês entrar”, disse outro homem. “Eles nos deixaram entrar uma vez e, assim que passamos pelo portão, nos empurraram de volta.”

Ele disse que a polícia israelense lhe disse que os jovens não estavam autorizados a entrar. Como muitos outros, o homem, um morador de Jerusalém de 28 anos, não quis revelar seu nome por medo de represálias por parte da polícia.

Não foram apenas os jovens solteiros que foram barrados. Pais com filhos pequenos e algumas mulheres também foram rejeitados.

“Está tudo de acordo com os caprichos deles”, disse uma mulher enquanto se afastava depois de ser impedida de entrar pelo Portão do Leão.

Quando o chamado para a oração soou dentro de Al Aqsa, Yousef, de 13 anos, juntou-se a uma reunião improvisada de dezenas de jovens que não conseguiram entrar.

Nas últimas semanas, aqueles que eram impedidos de rezar dentro de Al Aqsa reuniam-se nas ruas e conduziam os seus próprios sermões e orações. Mas na sexta-feira tudo parecia ainda mais difícil quando a polícia israelense os empurrou para longe de Lion’s Gate e para fora dos muros da Cidade Velha.

Implacável, um homem começou o chamado para a oração, às vezes quase inaudível devido ao som de sirenes e buzinas ao longo da rua, ônibus passando e a polícia gritando.

Logo, outro homem pisou em uma barreira de pedra na calçada e começou a fazer um sermão improvisado.

“Não libertaremos a Palestina?” disse o homem, que se identificou apenas como Yousef, temendo represálias apesar do risco que já havia corrido ao liderar um sermão.

Quando ele terminou, mais policiais fortemente armados saíram de dois veículos.

O homem parecia imperturbável. Ele então liderou dezenas – a maioria adolescentes e homens na faixa dos 20 e 30 anos – em oração em uma calçada lotada de Jerusalém, cercada por duas igrejas e pelo Túmulo da Virgem. A Cúpula da Rocha dourada, o centro do complexo de Aqsa, mal era visível acima das muralhas da Cidade Velha.

Abu Bakr Bashir contribuiu com reportagens de Londres.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *