Fri. Apr 19th, 2024

Pep Guardiola provavelmente admitiria, em um momento de descuido, que tem uma ligeira tendência à hipérbole. Com os olhos arregalados e a voz sem fôlego, ele cantará louvores a algum adversário irremediavelmente derrotado que seu time do Manchester City acabou de derrotar por 6 a 1, com as camisas de seus jogadores imaculadas de suor. “Gente”, ele dirá, “gente, eles são tão bons. Tão Tão bom.”

De onde vem esse reflexo é uma questão de interpretação. A explicação mais provável é que Guardiola é assim: apaixonado, intenso e profundamente entusiasmado, ainda, pelo seu esporte. Pode haver apenas uma pitada de nobreza nisso também, um pouco de clemência bem-intencionada do grande conquistador do futebol. E é fácil imaginar se Guardiola se ressente do quanto do seu sucesso – e do City – é apresentado como uma inevitabilidade económica, e por isso sente a necessidade de obter a sua refutação primeiro.

Seja qual for a verdade, o efeito é o mesmo: às vezes, pode ser difícil ter certeza absoluta quando Guardiola está sendo sincero e quando está se entregando a algum leve dourado.

Imediatamente após o derby de Manchester no domingo, por exemplo, ele sugeriu que Phil Foden poderia ser o “melhor” jogador da Premier League. Não é de forma alguma uma afirmação ultrajante. Foden, de 24 anos, tem se destacado pelo City nesta temporada, a melhor campanha de sua jovem carreira. Ele brilhou em vários papéis e merece uma parte considerável do crédito pelo fato de o City não parecer sentir falta de Kevin De Bruyne enquanto ele estava ferido.

Mas, ao mesmo tempo, há uma boa chance de Guardiola estar exagerando, só um pouquinho. Não porque não aprecie o brilhantismo de Foden, mas porque ele – mais do que ninguém – deveria estar ciente de que Foden nem mesmo é o melhor jogador de seu time. O melhor jogador do Manchester City e o melhor jogador da Premier League é Rodri.

Ele é o único indivíduo que completa o City. Ele é o único jogador para quem Guardiola não tem um substituto plug-and-play. Se Foden não estiver disponível, o City pode sempre embaralhar seu baralho brilhante e colocar Jeremy Doku, Jack Grealish, Julián Álvarez ou Bernardo Silva, o canivete suíço preeminente do jogo, em seu lugar.

Sem Rodri no meio-campo, porém, a equipe de Guardiola fica de alguma forma diminuída. Os números confirmam isso. Quando o espanhol está presente, como estará no encontro potencialmente decisivo com o Liverpool, em Anfield, no domingo, o City simplesmente não perde.

A última vez que Rodri jogou e o Manchester City perdeu foi em fevereiro de 2023. Desde então, ele disputou 60 partidas. Ele não experimentou a derrota em nenhum deles. O ponto comum a todas as derrotas do City nesta temporada – para o Wolves, para o Arsenal e para o Aston Villa – foi a ausência de Rodri.

Isso não quer dizer que ele não receba o crédito que merece. A maioria dos torcedores – tanto do City quanto de seus rivais – está bem ciente da importância de Rodri, e não apenas por causa de seu hábito útil de marcar gols cruciais em jogos de alto risco. Ele é um dos principais candidatos a ganhar pelo menos um dos prêmios individuais que decoram a temporada da Premier League, os prêmios de jogador do ano entregues por torcedores, escritores e pelos próprios jogadores.

E ainda assim, apresentá-lo, um meio-campista defensivo, como o “melhor” jogador da liga parece, na melhor das hipóteses, contra-intuitivo e, na pior das hipóteses, totalmente pretensioso.

Em parte, claro, isso acontece porque a palavra em si não é desesperadamente útil no contexto do desporto como um todo. O melhor jogador é aquele com mais talento? É aquele que tem o maior impacto ou o maior rendimento? Ou é, como Guardiola provavelmente quis dizer com Foden, aquele que está em melhor forma?

Mas essa falta de clareza também é uma prova do facto de que tendemos a atribuir maior valor às competências que podemos ver e compreender facilmente e (cada vez mais) quantificar, em detrimento daquelas que são um pouco mais difíceis de identificar. Para uma geração de fãs criados em ligas de fantasia e videogames, onde pontos são ganhos e decisões tomadas com base nas métricas do jogador, o fato de ninguém ter números melhores do que Erling Haaland encerra o debate.

Numa era em que tudo é transmitido – e mesmo o que não é é cortado e compartilhado, pequeno e comestível, online – é possível atribuir um valor estético à visão de Foden passando por um defensor com os ombros caídos. e um movimento dos quadris, para vê-lo exercer seu comando gentil sobre uma bola obediente e afirmar que ele é o mais talentoso.

O conjunto de habilidades de Rodri não é tão adequado para esses medidores. Seu passe é imaculado, é claro, e ao mesmo tempo visível e quantificável, mas a maneira como ele controla o espaço, ou altera o ritmo do jogo, é muito mais difícil de medir.

O mais complicado de tudo, porém, é o fato de que a genialidade de Rodri não é — como Haaland ou Foden — fazer as coisas acontecerem. Ele é contratado, pelo menos em parte, para garantir que isso não aconteça.

Esse, claro, sempre foi o problema não apenas dos meio-campistas defensivos, mas também dos defensores e goleiros de todos os matizes: o cérebro está programado para dar mais peso às coisas que pode ver do que às que não pode.

O sucesso de um defensor reside em tornar as coisas hipotéticas, e é difícil basear um julgamento concreto – o tipo necessário para afirmar que alguém é o melhor naquilo que faz – em golos que não foram marcados. Mas todos estes também são talentos, não menos influentes nos resultados dos jogos de futebol do que a finalização de Haaland ou a técnica de Foden. Eles simplesmente não são tratados como tal.

Esta temporada ofereceu uma ilustração perfeita de por que vale a pena corrigir esse preconceito. O desafio relativamente improvável do Liverpool pelo título da Premier League foi construído, em grande parte, na indomabilidade do zagueiro Virgil van Dijk e, antes da lesão que garantirá sua ausência contra o City neste fim de semana, do goleiro Alisson Becker. Ambos reivindicam o título de melhor jogador da Premier League. Nenhum dos dois foi descrito como tal.

O Arsenal, que espera conquistar o seu primeiro título da liga em duas décadas, baseou a sua forma recente tanto no seu ataque fanfarrão – é a primeira equipa a marcar cinco ou mais golos em três jogos consecutivos fora de casa na história inglesa – como numa defesa particularmente mesquinha. O técnico Mikel Arteta saberá, pela amarga experiência do ano passado, quão prejudicial seria uma lesão para William Saliba, Gabriel ou, agora, Declan Rice.

Seria falso fingir que estes são os jogadores cujas contribuições para um jogo fazem o coração disparar. São, e sempre serão, pessoas como Haaland e Foden que lançam os feitiços mais deslumbrantes, que enchem os estádios e vendem os contratos de transmissão, que prendem as multidões à beira dos seus assentos. Afinal, o que eles fazem pode parecer a mais pura e limpa manifestação de talento: uma espécie de magia, algo sobrenatural e inexplicável.

Mas existem muitos tipos diferentes de talentos e muitas maneiras diferentes de ser o melhor. O que van Dijk e Alisson e, acima de tudo, Rodri fazem pode não ser tão emocionante, tão pulsante ou tão delicado como marcar um golo, mas isso não deve reduzir o seu valor. Afinal, o que poderia ser mais mágico do que fazer algo desaparecer?


Nenhum time valoriza tanto a Liga dos Campeões quanto o Real Madrid. Nenhuma equipa tem uma identidade tão ligada ao que costumava ser a Taça dos Campeões Europeus. E então talvez não tenha sido surpreendente ver o Real Madrid fazendo o seu melhor para acabar com o tédio que se instalou nas oitavas de final deste ano, tentando o seu melhor para ser eliminado pelo RB Leipzig esta semana. Falhou, claro, mas o esforço foi admirável.

Fora isso, esta semana foi uma procissão: o Bayern de Munique afastando a Lazio, o Paris St.-Germain ultrapassando a Real Sociedad, o Manchester City flutuando através do FC Copenhagen – “Gente, pessoal, eles são tão bons” – todos testemunharam como completamente, a competição foi estripada pela elite e pela desigualdade financeira que ela gerou.

A esperança de uma ruptura com a realidade recente vem dos jogos da próxima semana – os jogos entre Inter de Milão e Atlético Madrid e Barcelona e Nápoles devem ser convincentes – e da possibilidade de um empate mais equilibrado nos quartos-de-final. À medida que os riscos aumentam, as equações mudam: o Bayern de repente parece ser pelo menos uma espécie de ameaça, apenas em virtude da sua experiência. O peso do talento do PSG e sua vibração feliz de desmobilização dão ao time, sob o comando de Luis Enrique, uma vantagem irregular.

Isso pode, evidentemente, ser uma tentativa, mas é do interesse de todos os envolvidos que algo inesperado ocorra, e rapidamente. A Liga dos Campeões deveria ser marcada, mas esta semana – estas últimas semanas – foi intensamente esquecível. E isso representa um problema real tanto para os clubes como para a UEFA.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *