Mon. Jul 22nd, 2024

Esta imagem do corpo de Aleksei A. Navalny num caixão, numa igreja no sul de Moscovo, transmite muitas das tradições da Igreja Ortodoxa Russa, uma instituição que se ligou estreitamente ao Kremlin, mas que também contou com figuras da oposição, incluindo o Sr. Navalny, entre os seus fiéis.

“Eu, para minha vergonha, sou um típico crente pós-soviético”, disse Navalny numa entrevista em 2012. “Eu faço jejum, fui batizado na igreja, mas raramente vou à igreja”.

Ser um cristão ortodoxo, disse ele, fez com que ele se sentisse “como se fizesse parte de algo grande e compartilhado”.

Ele acrescentou: “Gosto que existam éticas especiais e autocontenção. Ao mesmo tempo, não me incomoda nem um pouco o fato de existir num ambiente predominantemente ateísta. Até os 25 anos, antes do nascimento do meu primeiro filho, eu próprio era um ateu tão fervoroso que estava pronto para agarrar a barba de qualquer padre.”

Estas observações reflectiram as circunstâncias de muitos russos que atingiram a maioridade quando a União Soviética se desintegrou e a Igreja Ortodoxa Russa voltou a ganhar proeminência na vida pública.

Nas últimas duas décadas, a Igreja vinculou-se estreitamente às visões cada vez mais conservadoras e nacionalistas defendidas pelo Presidente Vladimir V. Putin. Isso forçou críticos como Navalny, e grupos de crentes progressistas, a tentar reconciliar a sua dissidência política e a sua fé.

A igreja no sul de Moscou onde a missa foi realizada – a Igreja do Ícone da Mãe de Deus Acalma Minhas Dores – não fica longe de onde Navalny morou até 2017 e onde sua família tinha um apartamento.

Na imagem, o pai do Sr. Navalny, Anatoly, está sentado de frente para o caixão. À direita dele está a mãe de Navalny, Lyudmila Navalnaya, e uma mulher que alguns relatos da mídia russa identificaram como sua sogra, uma parente que se manteve longe dos olhos do público.

A viúva do Sr. Navalny, Yulia Navalnaya, e seus filhos não pareciam estar presentes. A Sra. Navalnaya prometeu continuar as atividades políticas do seu marido, o que a expõe à prisão, e ela e os seus filhos já não vivem na Rússia. Seu irmão Oleg, que cumpriu pena de prisão no que foi amplamente visto como uma punição pelas atividades políticas de Navalny, também estava ausente.

A Igreja Ortodoxa Russa abraçou formalmente a invasão da Ucrânia por Putin, que Navalny denunciou veementemente. O Patriarca Kirill, o principal funcionário da Igreja, abençoou os soldados enviados para a guerra e disse que aqueles que lutam pelo seu país serão recompensados ​​no céu.

No entanto, a Igreja Ortodoxa é relativamente descentralizada, por isso, mesmo quando Putin reprimiu a oposição e a dissidência, os padres progressistas permanecem em algumas paróquias. Os padres que manifestaram oposição à guerra enfrentaram recriminações, em alguns casos expulsão, por parte das autoridades eclesiásticas, e até prisão.

A igreja onde ocorreram os ritos fúnebres de Navalny também pareceu apoiar a guerra. Imagens partilhadas nas suas páginas de redes sociais nas últimas semanas anunciaram que os paroquianos tinham doado um carro aos soldados que lutavam no que o Kremlin chama de “operação militar especial” e organizaram campanhas de escrita de cartas para as tropas. Também anunciava uma viagem de paroquianos e seus filhos a uma grande Catedral das Forças Armadas Russas, inaugurada em 2020 e que se tornou um símbolo da militarização da sociedade russa.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *