Tue. May 28th, 2024

O presidente Biden disse na quinta-feira que ele e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, estavam se encaminhando para uma “reunião de chegada a Jesus” sobre a crise humanitária em Gaza, de acordo com um clipe de áudio dos comentários do presidente postado nas redes sociais na sexta-feira.

O comentário de Biden destaca as tensões crescentes entre ele e Netanyuhu nas últimas semanas, à medida que o número de mortos de civis em Gaza aumentou inexoravelmente e Biden ficou sob pressão política interna e externa para fazer mais para obrigar Israel a concordar com um cessar-fogo.

Nos últimos dias, Biden expressou esperança de que pelo menos um acordo de cessar-fogo de seis semanas fosse estabelecido até o Ramadã, o mês sagrado muçulmano que começa em poucos dias. Mas Israel e o Hamas chegaram a um impasse nas negociações para recuperar reféns vulneráveis ​​feitos durante o ataque de 7 de Outubro em Israel, em troca de um cessar-fogo permanente e da retirada das tropas israelitas de Gaza.

Na sexta-feira, quando questionado por repórteres se um acordo ainda poderia ser alcançado até o Ramadã, Biden disse: “Parece difícil”.

Os comentários anteriores do presidente “venha a Jesus” foram capturados em um microfone quente durante o que Biden considerou ser uma conversa privada com o senador Michael Bennet, democrata do Colorado, após o discurso sobre o Estado da União.

De acordo com uma gravação da conversa, Bennet encorajou o presidente a “continuar a pressionar” a questão da assistência humanitária a Gaza enquanto Israel trava a sua guerra contra o Hamas, uma guerra para a qual os Estados Unidos forneceram financiamento e armamento.

“Eu disse a ele: ‘Bibi’ – e não repita isso – mas ‘você e eu teremos uma reunião de vir a Jesus’”, disse Biden, referindo-se ao primeiro-ministro pelo apelido.

Biden foi informado por um assessor que seu microfone ainda estava ligado e que a conversa estava sendo gravada. “Estou com um microfone quente aqui?” disse Biden. “Bom. Isso é bom.”

Biden tinha acabado de usar o seu discurso no horário nobre ao Congresso para apelar vigorosamente a Israel para reduzir as baixas civis e permitir maiores quantidades de alimentos, medicamentos e outras ajudas no enclave sitiado. As autoridades de saúde de Gaza afirmam que 30 mil pessoas foram mortas na ofensiva israelense em Gaza, a maioria delas civis. Milhões de residentes foram deslocados e centenas de milhares enfrentam a fome.

“No entanto, Israel também tem a responsabilidade fundamental de proteger civis inocentes em Gaza”, disse Biden no seu discurso. “Esta guerra teve um impacto maior sobre civis inocentes do que todas as guerras anteriores em Gaza juntas.”

Biden apoiou fortemente o direito de Israel de invadir Gaza depois que os combatentes do Hamas cruzaram a fronteira em 7 de outubro e mataram mais de 1.200 israelenses, segundo as autoridades israelenses, em cidades fronteiriças, enquanto cometiam atrocidades e faziam reféns.

Os Estados Unidos continuaram a fornecer armas a Israel e a bloquear resoluções da ONU que exigem um cessar-fogo, apoiando a posição de Netanyahu de que um cessar-fogo permanente seria uma vitória para o Hamas, que os Estados Unidos consideram um grupo terrorista.

Mas o custo civil da campanha de bombardeamento de Israel, juntamente com os níveis crescentes de fome e doenças em Gaza, provocou indignação internacional, e aumentaram os apelos para que os Estados Unidos usassem a sua influência sobre Israel para conseguir um cessar-fogo. Em casa, Biden enfrentou uma rebelião sobre a questão por parte de democratas de tendência esquerdista e árabes-americanos que foram importantes para sua coalizão vencedora em 2020, principalmente no estado de batalha de Michigan.

O discurso de Biden na quinta-feira parecia ter como objetivo, em parte, consertar essas barreiras. Ele também anunciou que os militares dos EUA construiriam um cais flutuante ao largo de Gaza.

“À liderança de Israel, digo o seguinte: a assistência humanitária não pode ser uma consideração secundária ou uma moeda de troca”, disse Biden no seu discurso. “Proteger e salvar vidas inocentes tem que ser uma prioridade.”

Biden astutamente reconheceu seu comentário ao senador Bennet quando questionado sobre isso antes de embarcar no Força Aérea Um na sexta-feira. “Eu não disse isso”, disse ele, e depois disse aos repórteres: “Vocês me espionaram”.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *