Fri. Feb 23rd, 2024

Pelo menos 25 pessoas morreram no domingo, quando projéteis de artilharia atingiram um mercado em Donetsk, uma cidade no leste da Ucrânia ocupada por forças russas, disse o chefe pró-Moscou da região, culpando as forças ucranianas pelo ataque.

Se confirmado, o episódio seria um dos mais graves dos últimos meses envolvendo civis numa área controlada por Moscou. As autoridades ucranianas não responderam imediatamente a um pedido de comentários e não foi possível confirmar de forma independente o ataque.

Denis Pushilin, líder pró-Moscou na parte da região controlada pela Rússia, disse no aplicativo de mensagens Telegram que 20 pessoas também ficaram feridas no mercado, que fica no distrito de Kirovsky e a sudoeste do centro da cidade. A área fica a cerca de 13 quilômetros a leste da linha de frente da guerra.

O prefeito pró-Rússia de Donetsk, Aleksei Kulemzin, disse no Telegram que o mercado “foi atacado no domingo, quando está mais movimentado”, chamando-o de “horrível”.

A Rússia anexou Donetsk e Luhansk, bem como duas outras regiões da Ucrânia no outono de 2022, cerca de sete meses após o início da sua invasão em grande escala. A Ucrânia e a maioria dos governos internacionais condenaram as anexações como ilegais, mas segundo Moscovo, Donetsk faz agora parte do território soberano da Rússia e os cidadãos da região são russos.

Como resultado, Moscovo apresenta qualquer ataque a civis como um ataque através de uma fronteira nacional que, segundo ela, mina a reivindicação da Ucrânia sobre eles.

Em contraste, as autoridades ucranianas dizem que limitam os seus ataques a alvos militares no que descrevem como territórios temporariamente ocupados, para evitar atingir os seus próprios cidadãos.

As autoridades das regiões de Donetsk e Luhansk realizaram referendos em 2022 e afirmaram que os resultados mostraram que uma grande maioria dos residentes queria aderir à Rússia. Mas as votações foram amplamente denunciadas como uma farsa e não está claro qual a percentagem da população que apoia Moscovo. Ao mesmo tempo, grupos de direitos humanos acusam as autoridades pró-Moscou de deter e torturar pessoas que suspeitam se oporem ao domínio russo.

Cerca de 10 mil civis foram mortos na Ucrânia desde que a Rússia iniciou a sua invasão em grande escala, há cerca de dois anos, e cerca de 18 mil ficaram feridos, segundo dados das Nações Unidas. A grande maioria das vítimas ocorreu em bombardeios e outros ataques. Num incidente ocorrido em Outubro numa aldeia na região de Kharkiv, na Ucrânia, 52 pessoas morreram quando um míssil atingiu um café onde estava a decorrer um velório. A Ucrânia considera estes ataques crimes de guerra.

A explosão do mercado de domingo ocorre em um momento incerto na região de Donetsk. A Rússia, que controla efectivamente a cidade de Donetsk desde 2014, combateu no ano passado uma contra-ofensiva na região que tinha como alvo a cidade de Bakhmut e pretendia retomar outros territórios no sul e no leste do país.

No Outono, a Rússia intensificou a sua própria ofensiva em torno das cidades de Marinka e Avdiivka, que ficam perto dos subúrbios ocidentais de Donetsk.

Os militares ucranianos afirmaram nas últimas semanas que praticamente retiraram as suas forças de Marinka, uma cidade que, tal como Avdiivka, está em ruínas após meses de bombardeamentos.

Embora isto tenha proporcionado uma vitória ao Kremlin, o progresso em direcção ao seu objectivo geral no leste da Ucrânia de assumir o controlo de todas as regiões de Donetsk e Luhansk, que em conjunto são conhecidas como Donbass, tem sido lento. Analistas militares dizem que, apesar dos combates intensos e das baixas substanciais de ambos os lados, um avanço russo no curto prazo parece improvável.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *