Mon. May 27th, 2024

Os Estados Unidos planejam impor sanções a mais de 500 alvos na sexta-feira em sua resposta à Rússia pela morte do líder da oposição Aleksei A. Navalny, o maior pacote individual em uma enxurrada de restrições econômicas desde a invasão da Ucrânia pelo país, há dois anos. , de acordo com uma porta-voz do Departamento do Tesouro.

As novas medidas, que deverão ser implementadas pelos Departamentos do Tesouro e de Estado na manhã de sexta-feira, surgem depois de a Casa Branca ter sinalizado esta semana que estava a preparar penas “graves” após a recente morte de Navalny numa prisão russa. Não está claro quais os sectores ou indivíduos que a administração Biden planeia atingir, uma variável crucial na amplitude e eficácia finais das sanções.

À medida que a guerra se aproxima do seu terceiro ano, a administração Biden torna-se cada vez mais dependente da utilização dos seus instrumentos financeiros para tentar prejudicar e isolar a economia da Rússia. Trabalhou com aliados do Grupo dos 7 para limitar o preço a que o petróleo russo pode ser vendido nos mercados globais, congelou centenas de milhares de milhões de dólares de activos do banco central russo e promulgou restrições comerciais para tentar bloquear o fluxo de tecnologia. e equipamento que a Rússia utiliza para abastecer as suas forças armadas.

Os Estados Unidos têm estado em estreita coordenação com a Europa nos seus esforços para isolar a Rússia da economia global. Esta semana, a União Europeia revelou a sua 13ª parcela de sanções à Rússia, proibindo quase 200 pessoas e entidades que têm ajudado a Rússia a adquirir armas de viajar ou fazer negócios dentro do bloco. A Grã-Bretanha também anunciou sanções esta semana a empresas ligadas à cadeia de fornecimento de munições da Rússia, bem como a seis russos acusados ​​de dirigir a prisão do Ártico onde Navalny morreu.

Apesar do esforço para exercer pressão económica sobre a Rússia, esta resistiu em grande parte às restrições. A China, a Índia e o Brasil têm comprado petróleo russo em quantidades recorde, e os gastos no esforço de guerra estimularam a economia russa, que o Fundo Monetário Internacional disse no mês passado estar a crescer mais rapidamente do que o esperado.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *