Sat. Jun 15th, 2024

As fábricas de filmes de Hollywood funcionam com base na sabedoria convencional – noções arraigadas, baseadas na experiência, sobre que tipos de filmes têm probabilidade de estourar nas bilheterias globais.

Este ano, o público virou de cabeça para baixo muitas dessas chamadas regras.

Os super-heróis há muito são vistos como a forma mais confiável de ocupar lugares. Mas personagens como Capitão Marvel, Flash, Homem-Formiga, Shazam e Besouro Azul não conseguiram entusiasmar os espectadores. No fim de semana, “Aquaman e o Reino Perdido”, que custou mais de US$ 200 milhões para ser produzido e dezenas de milhões a mais para ser comercializado, chegou a desastrosos US$ 28 milhões em vendas de ingressos nos Estados Unidos e no Canadá. Os espectadores estrangeiros arrecadaram outros US$ 80 milhões.

Enquanto isso, o maior filme de bilheteria do ano, “Barbie”, com US$ 1,44 bilhão em vendas mundiais de ingressos, foi dirigido por uma mulher, baseado em um brinquedo muito feminino e pintado com spray de rosa – ingredientes que a maioria dos estúdios tem. há muito visto como limitante do apelo do público. Uma velha máxima da indústria cinematográfica afirma que as mulheres irão ao cinema de “homens”, mas não o contrário.

“O filme Super Mario Bros.” arrecadou US$ 1,36 bilhão, um resultado de segundo lugar que também surpreendeu Hollywood; os estúdios têm uma história conturbada com adaptações de jogos. “Oppenheimer”, um drama de três horas sobre um físico, completou os três primeiros, arrecadando US$ 952 milhões e contradizendo a crença predominante de que, na era do streaming, filmes para adultos não são viáveis ​​nos cinemas.

“Sem dúvida, a mudança está em andamento – o público está com um humor diferente”, disse David A. Gross, consultor de cinema que publica um boletim informativo sobre números de bilheteria. “O país e o mundo não estão no mesmo lugar. Tivemos sete anos de política divisiva, uma pandemia grave, duas guerras graves, alterações climáticas e inflação. Os espectadores parecem menos interessados ​​em serem dominados pelo espetáculo e em salvar o universo do que em receber conversas, entreter-se e inspirar-se.”

As maiores surpresas de bilheteria do ano caíram na categoria “falado com”. “Sound of Freedom”, um drama policial que custou US$ 15 milhões para ser feito, atendeu à extrema direita, um público amplamente ignorado por Hollywood, e gerou US$ 248 milhões em vendas de ingressos, no mesmo nível de “The Eras Tour”, que teve como alvo Taylor. Fãs de Swift e também custou cerca de US$ 15 milhões.

“Sound of Freedom” veio da Angel Studios, uma empresa independente em Provo, Utah, que apoiou o filme com um programa pouco ortodoxo “Pay It Forward”, que permitiu aos apoiadores comprar ingressos online para aqueles que de outra forma não poderiam vê-lo. Numa grande ruptura com as normas de Hollywood, Swift eliminou a empresa intermediária (um estúdio) e fez um acordo de distribuição diretamente com a AMC Entertainment, a maior operadora de teatro do mundo.

“Nosso telefone está fora do gancho desde o dia em que anunciamos o projeto ‘Eras ​​Tour’”, disse Adam Aron, presidente-executivo da AMC, aos investidores em uma teleconferência em novembro, referindo-se a oportunidades de “conteúdo alternativo”.

A Comscore, que compila dados de bilheteria, projetou no domingo que as vendas de ingressos na América do Norte para o ano atingiriam cerca de US$ 9 bilhões, um aumento de 20% em relação a 2022. (Antes da pandemia, os cinemas norte-americanos vendiam com segurança cerca de US$ 11 bilhões em ingressos anualmente.) O preço médio de um ingresso geral para adultos nos Estados Unidos era de US$ 12,14, acima dos US$ 11,75, de acordo com a EntTelligence, uma empresa de pesquisa.

As vendas mundiais de bilhetes deverão ultrapassar os 33 mil milhões de dólares, um aumento de 27%, em parte devido ao aumento na América Latina. (Antes da pandemia, as vendas mundiais de bilhetes ultrapassavam facilmente os 40 mil milhões de dólares anuais.)

A recuperação de Hollywood da pandemia deverá estagnar em 2024. Com menos filmes programados para lançamento – os fluxos de estúdio foram interrompidos pelas recentes greves – as vendas de ingressos cairão de 5 a 11 por cento no próximo ano, dependendo do mercado, de acordo com projeções de Gower. Street Analytics, uma empresa de pesquisa de bilheteria.

Ler folhas de chá de bilheteria é como pontificar sobre o simbolismo em obras de ficção: qualquer teoria parcialmente plausível funciona. Mas os chefes dos estúdios precisam de algo, qualquer coisa, para orientá-los enquanto fazem julgamentos de bilhões de dólares para as próximas temporadas.

Aqui estão cinco lições deste ano:

As pessoas buscam a nostalgia em momentos de estresse, e filmes que lembram o público do passado – ao mesmo tempo que conseguem se sentir revigorados – têm tido sucesso. “Barbie”, “The Super Mario Bros. Movie”, “A Pequena Sereia”, “Wonka” e o sentimento retrô “Teenage Mutant Ninja Turtles: Mutant Mayhem” permitiram que as pessoas revisitassem suas infâncias. “Insidious: The Red Door” teve sucesso ao trazer de volta as estrelas originais da franquia.

“Indiana Jones and the Dial of Destiny” poderia ter aproveitado a nostalgia para se tornar um sucesso. Em vez disso, Harrison Ford, 81 anos, bufando e bufando, simplesmente lembrou aos fãs da Indy que eles também estão envelhecendo. “Dial of Destiny” custou à Disney US$ 295 milhões para ser feito e arrecadou flácidos US$ 384 milhões. (Os cinemas ficam com cerca de 50% das vendas de ingressos.)

Dramas sofisticados, com orçamentos modestos e voltados ao público mais velho vêm dando sinais de vida após dois anos nas bilheterias UTI

A era do streaming transferiu para sempre a maior parte da exibição de filmes de prestígio para casa, dizem analistas. Mas os cinemas obtiveram um mínimo de sucesso em 2023 com ofertas como “Vidas Passadas”, um drama melancólico com alguns diálogos coreanos, e a animação “O Menino e a Garça”, de Hayao Miyazaki. A “Asteroid City” sob medida administrou US$ 54 milhões.

Os primeiros resultados de bilheteria também foram promissores para filmes orientados ao Oscar, como “Poor Things”, um romance surreal de ficção científica, e “American Fiction”, uma sátira sobre um escritor que monta um livro de memórias falso que gira em torno de estereótipos raciais.

Na última década, Hollywood manteve o interesse do público em sequências, tornando cada episódio mais inchado e muitas vezes sem sentido do que o anterior. Maior! Mais rápido! Mais!

Essa estratégia pode precisar ser repensada – é simplesmente muito cara, dizem os analistas, especialmente com os espectadores chineses desanimando com os sucessos de bilheteria norte-americanos. “Fast X”, o décimo filme da série “Velozes e Furiosos”, custou cerca de US$ 340 milhões e arrecadou US$ 705 milhões em todo o mundo, incluindo US$ 140 milhões na China. Em comparação, “Velozes e Furiosos 7” de 2015 custou US$ 190 milhões e arrecadou US$ 1,5 bilhão, incluindo US$ 391 milhões na China.

O sétimo espetáculo “Missão: Impossível” de Tom Cruise, lançado em julho depois de “Barbie” e “Oppenheimer”, custou cerca de US$ 290 milhões para ser produzido e arrecadou US$ 568 milhões, incluindo US$ 49 milhões na China. A sexta “Missão: Impossível” em 2018 custou US$ 178 milhões e gerou US$ 792 milhões, com os compradores chineses de ingressos contribuindo com US$ 181 milhões.

Cada vez mais, as sequências e spinoffs de franquias precisam parecer novas para ter sucesso. A Lionsgate, por exemplo, se aprofundou na organização criminosa clandestina High Table em “John Wick: Capítulo 4” e apresentou aos fãs de “Jogos Vorazes” um novo enredo (e elenco) na prequela “A Balada de Pássaros e Cobras”. Ambos os filmes foram sucessos. A Lionsgate até reviveu sua franquia de terror “Jogos Mortais”, mudando a narrativa de volta no tempo.

“Cada um desses filmes fez algo diferente do anterior”, disse Adam Fogelson, vice-presidente do Lionsgate Motion Picture Group. “Não era apenas ‘gastar mais, aumentar, aumentar o volume e colocar mais ação’”.

Horror continuou a ter um desempenho confiável, com “Five Nights at Freddy’s” e “M3gan” iniciando novas franquias para a Universal e sua afiliada Blumhouse. Juntos, os dois filmes custaram US$ 32 milhões. Eles arrecadaram um total combinado de US$ 469 milhões. Também notável foi “The Nun II”, que custou à Warner Bros. cerca de US$ 22 milhões e arrecadou US$ 366 milhões.

Os super-heróis podem estar caídos, mas não estão fora. A divertida e bem estabelecida série “Guardiões da Galáxia” da Marvel voltou para um terceiro capítulo e gerou US$ 846 milhões contra um orçamento de US$ 250 milhões. O ousado “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso”, da Sony, com influência de anime, custou cerca de US$ 150 milhões e arrecadou US$ 691 milhões.

A sabedoria convencional em Hollywood é que as estrelas de cinema são essencialmente parte do passado. O nome de uma celebridade acima do título não tem mais tanto peso entre os compradores de ingressos. A “propriedade intelectual” subjacente é o que preenche os assentos.

As pessoas pagam para ver a Barbie, não a Margot Robbie.

Só que a Mattel e vários estúdios tentaram durante pelo menos 20 anos transformar o brinquedo em uma estrela de cinema de ação ao vivo. Foi necessária a Sra. Robbie no papel (e Ryan Gosling como Ken) para finalmente fazer isso acontecer. Outros filmes que se beneficiaram do poder das estrelas em 2023 incluíram “Wonka”, com Timothée Chalamet, e “Creed III”, ancorado por Michael B. Jordan.

As estrelas não têm peso? Tente dizer isso aos produtores de “Gran Turismo”, “Haunted Mansion”, “Dumb Money” e “Strays”, que decepcionaram nas bilheterias e chegaram quando seus elencos foram impedidos de promover seu trabalho por causa do SAG- Greve AFTRA.

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *