Mon. May 27th, 2024

Foram necessários 19 meses de promessas quebradas e retórica beligerante para que a Hungria finalmente ratificasse a entrada da Suécia na OTAN.

Porquê toda esta lentidão, perguntaram-se muitos observadores, quando a Hungria iria aprovar a adesão do país nórdico à aliança militar?

Esta questão deixou perplexos até mesmo os membros do partido que governa a Hungria, o Fidesz, segundo Peter Ungar, um legislador da oposição. Ele disse que foi abordado por um legislador do Fidesz, no período que antecedeu a votação de segunda-feira no Parlamento para aceitar a expansão da OTAN, e perguntou: “’Que diabos está acontecendo com a Suécia?’”

O facto de um membro do partido do governo do primeiro-ministro Viktor Orbán ter procurado uma explicação de um político rival é uma medida de quão perplexos até mesmo os aliados do líder húngaro, sem falar nos seus oponentes, ficaram com o facto de o seu país ter adiado a expansão da NATO.

“A coisa toda é incompreensível”, disse Ungar, um progressista húngaro cuja mãe, Maria Schmidt, é uma conservadora proeminente e aliada de longa data de Orbán. “Ninguém entende qual era o problema”, acrescentou Ungar.

Ele recusou-se a nomear o membro do Parlamento que o procurou, dizendo que o Fidesz exige lealdade inquestionável e aceitação das decisões de Orbán, por mais desconcertantes que possam parecer. (O governo não respondeu a um pedido de comentário.)

Quando o Parlamento finalmente votou na segunda-feira, deu um apoio esmagador à adesão da Suécia. Zoltan Kovacs, secretário de Estado das Comunicações Internacionais, declarou que era um “momento histórico”, observando que “a Hungria tem interesse na segurança da Europa” e que a Suécia será “um aliado forte e confiável”.

A fiabilidade da Hungria, contudo, é mais questionável.

O governo apresentou as candidaturas da Finlândia e da Suécia à NATO ao Parlamento em Julho de 2022, mas demorou a submetê-las a votação. A Finlândia foi aceite pela Hungria em Março do ano passado, mas o Parlamento demorou mais 11 meses a chegar à Suécia.

Orbán e representantes do governo apresentaram uma série de explicações inconstantes e por vezes rebuscadas para o atraso, incluindo queixas sobre referências à Hungria em manuais escolares utilizados nas escolas suecas.

Alguns críticos do governo, como Peter Kreko, diretor do Political Capital, um grupo de pesquisa crítico do Fidesz, culparam o ego de Orbán e o seu desejo, como líder de um pequeno país com pouca influência económica ou militar, de estar no centro. de atenção.

Mais críticos inclinados à conspiração suspeitavam de um acordo secreto entre Orbán e o presidente Vladimir V. Putin da Rússia, apontando para o fato de que, dos 27 líderes nacionais da União Europeia, apenas o da Hungria se encontrou e foi fotografado apertando a mão de Putin desde então. o início da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, há dois anos.

Mas não há provas de que a aproximação de Orbán com a Rússia seja algo mais do que uma expressão do seu desejo frequentemente declarado de manter boas relações com Moscovo, uma importante fonte de energia, e evitar envolver-se na guerra vizinha na Ucrânia. .

Essa posição, que vai contra a de outros líderes europeus que vêem o apoio à Ucrânia como um imperativo moral e de segurança, ajudou o Fidesz a uma vitória esmagadora, a quarta consecutiva, nas últimas eleições gerais da Hungria, em Abril de 2022.

A teoria do ego talvez tenha mais base. A estagnação da Hungria colocou certamente os holofotes, embora pouco lisonjeiros, sobre Orbán e o seu país, que tem apenas 10 milhões de habitantes e representa apenas 1% da produção económica da União Europeia.

Alarmada com o longo atraso, uma delegação bipartidária de senadores dos Estados Unidos deslocou-se a Budapeste, a capital húngara, no início deste mês para mostrar que a Hungria estava a ser levada a sério. Todos os ministros do governo e legisladores do Fidesz recusaram reunir-se com os senadores, um desprezo que o governo e a sua máquina mediática celebraram como prova de que a Hungria toma as suas próprias decisões e não será pressionada.

“Não vale a pena visitar senadores americanos para tentar exercer pressão”, disse o combativo ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Peter Szijjarto.

Recebendo uma recepção mais calorosa foi o primeiro-ministro da Suécia, Ulf Kristersson, que viajou a Budapeste na sexta-feira para dissuadir Orban de sua posição desafiadora de um contra todos sobre a adesão da Suécia. Para ajudar a fazer isso, trouxe consigo promessas de aumento da cooperação militar e industrial entre os países.

Logo após sua chegada a Budapeste, a Saab, uma empresa aeronáutica sueca, anunciou que havia assinado um contrato com o Estado sueco para a entrega de quatro novos caças Gripen à Hungria.

Kristersson, que anteriormente tinha dito que visitaria Budapeste apenas depois de a Hungria ter ratificado a adesão do seu país à NATO, também trouxe consigo a promessa de que a Saab abriria um centro de investigação na Hungria.

Talvez mais importante, porém, seja o facto de a visita do primeiro-ministro sueco ter proporcionado a Orbán a satisfação de acertar contas pessoais antigas. Enquanto servia como membro do Parlamento Europeu em 2019, Kristersson ajudou a desferir um golpe humilhante em Orban ao apoiar os apelos à expulsão do Fidesz de um poderoso bloco de legisladores centristas e conservadores.

Para evitar a humilhação de ser expulso, o Fidesz retirou-se.

Agoston Mraz, diretor do Instituto Nezopont, um centro de pesquisa que realiza pesquisas de opinião para o governo, disse que o aspecto mais importante da visita de Kristersson não foi apenas a expansão da cooperação militar, mas que o primeiro-ministro sueco teve que sorrir para as câmeras com o Sr. .Orbán.

“Ele não é um grande fã de Orbán, mas para ser aceito na OTAN ele precisa sorrir”, disse Mraz.

Sem isso, acrescentou, Orbán teria dificuldade em explicar aos seus principais eleitores no interior por que razão, depois de tantos meses de atrasos, a Hungria abandonou as suas objecções à Suécia e deixou-a aderir à NATO. “Tinha que ser explicado e a explicação é que existe um acordo com o primeiro-ministro sueco”, disse.

O acordo sobre a cooperação militar, em preparação há muitos meses, teve pouco a ver com a adesão da Suécia à aliança ocidental e, segundo diplomatas e analistas, ficou ligado à questão da NATO apenas para que Orbán pudesse apontar para um benefício concreto. da sua política de obstrução.

Essa política, pelo menos inicialmente, enquadrava-se num padrão familiar, particularmente evidente nas repetidas batalhas da Hungria com a União Europeia, de desafiar a opinião dominante e de afirmar a soberania húngara. A Hungria também bloqueou durante meses um pacote de ajuda financeira à Ucrânia, mas cedeu sob forte pressão em 1 de Fevereiro, algumas semanas depois de a União Europeia ter libertado 10 mil milhões de dólares em financiamento congelado para a Hungria.

Entretanto, o governo cobriu o país com cartazes com uma fotografia de Ursula Von der Leyen, a presidente do braço executivo da UE em Bruxelas, e apelando aos cidadãos para resistirem à pressão externa: “Não vamos dançar ao som deles”.

À medida que o tempo se arrastava, porém, e a Turquia, o único outro obstáculo que bloqueava a adesão da Suécia, ratificou a admissão da nação nórdica em Janeiro, os atrasos contínuos da Hungria, apesar da promessa feita por Orbán, em 24 de Janeiro, de aceitar a Suécia “na primeira oportunidade possível”. ”, causou perplexidade crescente, mesmo entre alguns aliados do governo.

Quando os legisladores da oposição convocaram uma sessão extraordinária do Parlamento em 5 de Fevereiro para que pudesse finalmente ser realizada uma votação sobre a admissão da Suécia, o Fidesz boicotou a sessão.

Mraz, um apoiante do Fidesz com ligações à sua liderança, disse que o boicote reflecte simplesmente a realidade política interna da Hungria. “Vivemos numa democracia polarizada e isso significa que a oposição não decide a data da aceitação da Suécia”, disse ele.

Mas a Hungria, reconheceu, foi apanhada de surpresa pela rapidez com que a Turquia, um parceiro económico e político próximo, depois de mais de um ano de impasse, ratificou rapidamente a entrada da Suécia. “Não foi confortável para Orbán que a sua promessa de que a Hungria não seria a última não pudesse ser cumprida”, disse Mraz.

Mas, no final, Orban conseguiu o que queria, incluindo uma grande porção de torta humilde comida por Kristersson e uma história plausível para contar aos seus apoiadores.

“O estilo húngaro de fazer política”, disse Mraz, “é ser barulhento e lutar”. Outros, especialmente os escandinavos e os responsáveis ​​da UE em Bruxelas empenhados na procura de consenso, poderão não gostar da abordagem húngara. Mas, disse Mraz, “funciona”.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *