Sat. Jun 15th, 2024

Christopher OrrVanessa Mobley

Crédito…Jason Mcdonald/Netflix, via Associated Press

Oscar Bait é a série de conversas de The Point sobre filmes indicados ao Oscar de melhor filme. Hoje, Christopher Orr, editor da Opinion que já foi crítico de cinema, discute “Maestro” com Vanessa Mobley, editora de OpEd.

Christopher Orreditor da Opinion

Acho justo dizer que “Maestro” está na classe média dos indicados ao Oscar deste ano em geral: não é um rolo compressor da temporada de premiações nem um indie adorado. Está concorrendo a vários prêmios importantes, mas é improvável que ganhe algum deles quando as estatuetas forem entregues em março.

Dito isto, você e eu gostamos bastante do filme.

Vanessa MobleyEditor de OpEd

Assisti pela segunda vez ontem à noite. Que filme íntimo é esse – tantas cenas são enquadradas em torno de Leonard Bernstein (Bradley Cooper) e Felicia Montealegre (Carey Mulligan) – tanto que parece que o resto do mundo está derretendo.

Não sei se o filme será levado a sério pela academia ou não, mas direi que não consigo imaginar um dos mandantes vencendo sem o outro. De alguma forma, Cooper e Mulligan traduziram para quem assiste ao filme o sentimento que Leonard e Felicia parecem ter um pelo outro – fascínio total.

Christopher Orr

Eu amo isso. Normalmente não sou fã de cinebiografias de artistas, que muitas vezes negligenciam a arte em favor de cenas de doenças mentais, vícios ou coisas do gênero – com a implicação de que é daí que vem a arte. Alguém poderia argumentar que “Maestro” faz algo semelhante com o casamento de Leonard e Felicia, suponho, mas tudo é tocado em um tom menor tão elegante e ambivalente.

Vanessa Mobley

Por favor, conte-me mais sobre por que você não é fã de cinebiografias de artistas. Eu admito que estou.

Christopher Orr

A criação de arte tende a ser altamente não cinematográfica, então muitas vezes você recebe acessos de raiva bêbados ou mulherengos desenfreados do artista ou qualquer outra coisa que seja mais dramática.

Mas deixe-me mudar de assunto por um momento e expressar meu profundo aborrecimento pelo fracasso da academia em nomear Cooper como melhor diretor. “Maestro” é um filme de autor! Esta é a segunda vez consecutiva, depois de “Nasce Uma Estrela”, que ele é esquecido como diretor. É bizarro.

Vanessa Mobley

Então talvez Cooper não seja Laurence Olivier ou Roberto Benigni (que levaram para casa o Oscar por atuar em filmes que dirigiram). Mas “Maestro” inteiro é dele tanto quanto “Barbie” é de Greta Gerwig.

Christopher Orr

E Gerwig também não foi indicado para melhor diretor. Uma categoria tremendamente frustrante.

Outra observação sobre Cooper como diretor: ele obtém ótimas atuações não apenas de si mesmo e de atores de primeira linha (Mulligan é sublime em “Maestro”), mas também de artistas que você talvez não espere, como Lady Gaga em “A Star Is Born”. e Sarah Silverman em “Maestro”.

Vanessa Mobley

Para um filme que passa do preto e branco ao colorido, do amor ao vitríolo e à reconciliação, “Maestro” é uma viagem. É um filme que me pareceu profundamente sentido – ao contrário da opinião de muitos críticos de cinema. (Do qual não sou um! Um humilde espectador.)

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *