Mon. Feb 26th, 2024

No filme “Quase Famosos”, de 2000, a comédia dramática de Cameron Crowe sobre músicos de rock da década de 1970, a personagem interpretada por Zooey Deschanel a certa altura dá alguns conselhos ao irmão mais novo. “Ouça ‘Tommy’ com uma vela acesa e você verá todo o seu futuro”, diz ela.

Vou pegar emprestado esse pensamento para o boletim informativo de hoje: olhe para este mapa anotado com – ou sem – uma vela acesa e você verá todo o seu futuro.

Criado pela minha colega Lauren Leatherby, jornalista visual do Times que tem feito reportagens sobre as mudanças demográficas mundiais, o gráfico mostra como se prevê que o número de pessoas em idade ativa em todo o mundo mude até 2050.

A população em idade activa da Europa diminuirá. O mesmo acontecerá com o Brasil, a China, o Chile, o Japão e a Rússia, entre outros. E essa mudança poderá ter consequências extremamente negativas para essas sociedades, sem mitigação.

“População em idade ativa” pode soar técnico e abstrato. Mas estas são as pessoas que trabalham nos nossos escritórios e fábricas, trabalham nas quintas, tratam dos doentes, cuidam dos muito idosos e dos muito jovens. São eles que têm filhos e os criam; que constroem coisas novas e consertam as antigas.

Quando essa população diminui, essas atividades tornam-se mais difíceis, mais caras e menos frequentes. A economia desacelera. Menos trabalhadores sendo pagos gera menos receitas fiscais. À medida que a população envelhece, mais pessoas dependem de programas governamentais de segurança social para financiar as suas reformas e cuidados de saúde, colocando ainda mais pressão sobre esses programas vitais.

Esta é principalmente uma história sobre taxas de natalidade. À medida que os países ficam mais ricos, as pessoas têm menos filhos; e acontece que quando a taxa de natalidade cai, é realmente difícil recuperá-la. Embora vários países tenham tentado aumentar a fertilidade através de incentivos fiscais, bónus em dinheiro e até prémios por heroísmo concedidos a mulheres que têm muitos filhos, nenhum desses programas fez mais do que uma diferença marginal.

Mas se olharmos um pouco mais para o mapa, veremos o fenómeno que permitiu a alguns países ricos amortecer o golpe da mudança demográfica: a imigração.

A Austrália, o Canadá e os Estados Unidos têm pequenos pontos verdes, denotando um crescimento modesto nas suas populações em idade activa. Isto deve-se em grande parte ao facto de esses países acolherem números relativamente elevados de imigrantes, que não só aumentam os números da população directamente quando chegam, mas também tendem a ter mais filhos do que a população nativa. Nos Estados Unidos, por exemplo, o modesto aumento nos nascimentos desde a década de 1970 foi inteiramente impulsionado pelos nascimentos de mães imigrantes. No Canadá, a imigração é o único motor do crescimento populacional, de acordo com estatísticas governamentais.

A imigração, para ser claro, só poderá ser uma solução parcial para esta mudança demográfica. Para colocar os números em perspectiva, só para se manter estável até 2050, a Europa teria de absorver cerca de metade de todo o crescimento da população em idade activa na Índia, o país mais populoso do mundo. A China, enfrentando um défice ainda maior, poderá assumir todo o crescimento do Paquistão e tudo o da Nigéria — o país mais populoso de África — e ainda estar dois milhões abaixo do ponto onde se encontra actualmente.

Ao mesmo tempo, este mapa sugere fortemente que a capacidade de atrair e integrar um grande número de imigrantes será uma importante vantagem competitiva para os países nas próximas décadas.

Contudo, fazê-lo exigirá a superação de barreiras políticas que surgem, em parte, das mesmas mudanças demográficas.

Rafaela Dancygier, cientista política da Universidade de Princeton, estuda as políticas de imigração e integração, incluindo o que alimenta a ascensão de partidos de extrema direita anti-imigrantes. Ela descobriu que muitas das áreas da Europa onde as políticas anti-imigração estão em ascensão partilham certas características: têm populações envelhecidas, menos trabalhadores e menos crianças.

“Quando as pessoas falam sobre o envelhecimento da população em geral, referem-se a isto como um fenómeno nacional”, disse ela numa entrevista. “E isso é claro. Mas há algumas áreas em países, muitas vezes fora das cidades, onde isso já é extremamente pronunciado. Porque os jovens estão a sair, as pessoas em idade activa estão a sair.”

Os jovens deslocam-se para as cidades e regiões mais ricas em busca de trabalho, enquanto as gerações mais velhas ficam para trás nas cidades e regiões em processo de despovoamento, tornando essas áreas um microcosmo de como poderá ser o futuro envelhecido. (Meu colega Jason Horowitz escreveu recentemente sobre uma dessas cidades na Itália.)

Esta mudança não é necessariamente inevitável. No Canadá, o governo está agora a prosseguir políticas para aumentar os níveis de imigração, a fim de evitar parte do seu declínio demográfico.

Mas as aldeias e cidades envelhecidas da Europa, e as antigas regiões industriais em declínio, oferecem uma ideia da razão pela qual muitos países têm sido lentos em seguir o exemplo de países como o Canadá. Dancygier e outros descobriram que as áreas que atravessam o despovoamento são particularmente receptivas à política de extrema-direita – colocando as políticas para aumentar a imigração ainda mais fora do alcance político, mesmo quando se tornam mais necessárias do ponto de vista económico.

O processo, disse ela, é mais ou menos assim: à medida que as áreas despovoam, o estado tende a retirar os seus serviços da região. As escolas fecham porque há menos crianças. Trens e linhas de ônibus são cancelados ou são menos frequentes. Hospitais fecharam. É uma versão local do tipo de tensão que os países envelhecidos enfrentarão a nível nacional se houver menos trabalhadores para sustentar mais reformados.

Isso torna a vida mais difícil em termos práticos, disse ela, mas há também um efeito psicológico: as pessoas sentem-se negligenciadas e subvalorizadas pela elite política.

Os partidos de extrema-direita “são muito bons a detectar o problema e a aproveitar as queixas dos eleitores que vivem nestas áreas”, disse ela. Mas estes partidos não oferecem soluções realistas para os problemas do declínio demográfico. Em vez disso, transformam os imigrantes em bodes expiatórios, culpando os requerentes de asilo e outros estrangeiros pelos problemas da região.

Isto cria um ciclo vicioso em que os problemas do despovoamento acabam por alimentar partidos políticos cujas políticas tornam, na verdade, mais difícil de combater o despovoamento – um ciclo fatal do qual pode ser difícil escapar.

Existem mudanças que podem ajudar. A imigração em grande escala sem investimento em habitação e serviços públicos é um problema; as políticas concebidas para ajudar a integração dos imigrantes podem criar ligações entre os habitantes locais e os recém-chegados, reduzindo o preconceito e o medo. A divulgação desses sucessos e dos benefícios que os imigrantes proporcionam às suas comunidades e à economia em geral pode constituir um contrapeso às narrativas políticas sobre fronteiras não controladas.

No futuro, à medida que as disparidades de oportunidades económicas entre os continentes diminuem, o recrutamento de imigrantes poderá tornar-se mais difícil. Os países que são actualmente relativamente pobres, mas cujas populações deverão crescer rapidamente, incluindo grande parte do Sul da Ásia e da África Subsariana, poderão ser capazes de tirar partido do seu “dividendo demográfico” para fazer crescer rapidamente as suas economias. Como os trabalhadores têm melhores opções em casa, estarão menos interessados ​​em imigrar para outro lugar.

Consideremos o exemplo do México. Embora já tenha sido a maior fonte de imigrantes para os Estados Unidos, a imigração líquida tem sido essencialmente zero desde cerca de 2009. (Muitos imigrantes de outros países passaram pela fronteira entre os EUA e o México durante esse período, mas isso é uma questão separada.) A queda na taxa líquida do México deve-se, em parte, ao facto de os Estados Unidos se terem tornado menos hospitaleiros para com os mexicanos, especialmente aqueles que não tinham documentos. Mas também é porque a economia mexicana melhorou. Os trabalhadores que antes poderiam ter vindo para os Estados Unidos em busca de oportunidades agora podem encontrá-las em casa.

Por enquanto, as disputas políticas sobre até que ponto fechar as fronteiras e manter os migrantes afastados estão a dominar o debate público em muitos países. Mas outra conversa está atrasada. A realidade das regiões já despovoadas, representadas pelos círculos laranja que proliferam no mapa, proporciona um vislumbre do futuro dos países ricos: populações envelhecidas e menos trabalhadores e crianças, uma tendência que gera divisões políticas que tornam difícil mudar de rumo. É um desafio que os decisores políticos terão de enfrentar, mais cedo ou mais tarde.


By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *