Sun. May 26th, 2024

Os cientistas políticos Chryl Laird e Ismail White utilizaram uma estratégia criativa há vários anos para estudar os padrões de voto dos negros americanos. Laird e White aproveitaram o fato de que algumas pesquisas são realizadas por meio de entrevistas pessoais — e acompanham o do entrevistador raça – enquanto outras pesquisas são feitas online.

Nas pesquisas online examinadas por Laird e White, cerca de 85% dos entrevistados negros identificaram-se como democratas. A proporção foi quase idêntica durante pesquisas presenciais feitas por entrevistadores não negros. Mas quando os entrevistadores negros realizaram pesquisas pessoais, mais de 95% dos entrevistados negros identificaram-se como democratas.

É um padrão fascinante: há algo em falar com uma pessoa da mesma raça que torna os negros americanos mais propensos a dizer que são democratas. Como concluíram Laird e White, votar nos democratas tem sido uma norma comportamental nas comunidades negras. As pessoas sentem pressão social dos seus vizinhos, familiares e amigos para apoiarem o Partido Democrata.

É claro que existe pressão social semelhante em outras comunidades. Um liberal que frequenta uma igreja evangélica branca do Sul – ou um conservador que vive num bairro nobre do Brooklyn – conhece o sentimento. E Laird e White enfatizaram no seu livro de 2020, “Steadfast Democrats”, que os negros americanos se comportaram racionalmente ao permanecerem unidos. Permitiu-lhes afirmar influência política apesar de serem um grupo minoritário. Considere que o vice-presidente do presidente Biden e sua única escolha para a Suprema Corte são ambos negros.

Ainda assim, a unidade política dos negros americanos é surpreendente em alguns aspectos. “Embora comprometidos com o Partido Democrata, os afro-americanos são, na verdade, um dos blocos mais conservadores de apoiadores democratas”, escreveram White e Laird.

Uma coisa importante sobre as normas comportamentais, porém, é que elas podem mudar. Se o voto republicano se tornar mais aceitável nas comunidades negras, o número de negros americanos moderados e conservadores que o fazem poderá aumentar rapidamente.

Este boletim informativo é o segundo de uma série de duas partes sobre a recente mudança para a direita dos eleitores negros, asiáticos e hispânicos. Hoje, quero examinar possíveis explicações.

A primeira é a dinâmica social descrita por White e Laird. Também se aplica aos eleitores asiáticos e hispânicos. Entre os grupos minoritários, votar nos republicanos recentemente parece ter se tornado mais aceitável.

“Os americanos não-brancos que anteriormente podem ter votado nos democratas por razões baseadas na identidade são cada vez mais propensos a votar com mais sinceridade de acordo com a sua ideologia conservadora”, disse Emily West, cientista política da Universidade de Pittsburgh, a Thomas Edsall do Times Opinion.

A segunda explicação é que o Partido Democrata de hoje está em descompasso com as opiniões de muitos eleitores de cor, especialmente dos eleitores da classe trabalhadora. Em algumas questões, o problema enquadra-se num enquadramento simples entre direita e esquerda: os democratas estão à esquerda da maioria dos eleitores.

Mesmo quando os Democratas eleitos são mais moderados, a imagem do partido é moldada por progressistas altamente qualificados que têm uma voz descomunal porque dominam o ensino superior, a indústria do entretenimento e partes dos meios de comunicação social e dos sectores sem fins lucrativos. Vale a pena lembrar, como relatou o Pew Research Center, que a fatia mais liberal dos americanos é desproporcionalmente branca:

Os eleitores negros costumam ser mais moderados. Eles são, em média, mais religiosos do que os democratas progressistas. A maioria dos eleitores negros é a favor de uma segurança fronteiriça mais rigorosa. Muitos apoiam expansões de escolas charter ou vouchers. Muitos são a favor da reforma policial e de mais policiamento. Muitos apoiam os direitos civis dos transamericanos – mas não permitem que todos os atletas escolham se participam em desportos femininos ou masculinos.

As minorias raciais, como disse Marc Hetherington, da Universidade da Carolina do Norte, a Thomas Edsall, “são muito mais preocupadas com a tradição e com a autoridade” do que os democratas brancos.

Outras questões políticas têm mais nuances do que um enquadramento direita-esquerda. Ro Khanna, um congressista democrata da Califórnia, sugeriu que os eleitores negros podem ficar frustrados com a falta de uma visão económica ousada do seu partido, e isso é plausível. Muitos eleitores da classe trabalhadora inclinam-se para a direita nas questões sociais e para a esquerda nas questões económicas (mas não tão à esquerda que fiquem intrigados com o socialismo). Eles são a favor de um salário mínimo mais elevado, de restrições comerciais e de um seguro de saúde governamental alargado.

Biden também favorece estas políticas. Mas os Democratas passaram a ser vistos como o partido do establishment, observa o meu colega Nate Cohn. Muitos eleitores da classe trabalhadora vêem os democratas como defensores socialmente liberais do status quo. Os republicanos, especialmente Donald Trump, parecem cada vez mais representar a mudança, por mais mal definida que essa mudança possa ser.

Minha lista aqui não é exaustiva. (Aqui está a lista de Nate.) Alguns eleitores negros, como os brancos, também parecem frustrados com os recentes aumentos de preços e preocupados com a idade de Biden. E os eleitores negros são obviamente um grupo politicamente diversificado, que inclui muitos liberais e que têm uma ampla gama de pontos de vista.

Mas esse é o ponto. Muitos democratas imaginaram que as pessoas de cor eram um grupo uniforme, leal e progressista, definido pela sua raça. Eles não são. O partido terá mais chances de conquistar seus votos se passar mais tempo ouvindo o que esses eleitores acreditam.

  • Este ano, os indicados republicanos ao Senado são muito ricos. O partido procurou candidatos que pudessem financiar as suas próprias campanhas para contrabalançar a vantagem dos democratas na angariação de fundos.

  • Os veículos eléctricos são fundamentais para a estratégia de Biden para combater as alterações climáticas. Trump intensificou suas críticas aos carros.

  • O novo acordo de angariação de fundos de Trump com o Comité Nacional Republicano garante que as doações vão primeiro para o PAC, que paga as suas contas legais, antes de irem para o partido.

  • No Labels, o grupo centrista que se comprometeu a realizar uma campanha presidencial de um terceiro partido, não conseguiu recrutar um candidato. Os prazos para aparecer nas cédulas estaduais estão se aproximando.

  • O senador Bob Menendez, de Nova Jersey, que enfrenta acusações federais de suborno, disse que não buscaria a reeleição como democrata. Ele deixou aberta a possibilidade de concorrer como independente.

  • O Congresso pretende aprovar hoje um projeto de lei para financiar o governo até setembro. Sem acordo, uma paralisação parcial do governo começará à meia-noite.

  • Dezesseis estados liderados pelos republicanos processaram a administração Biden por sua decisão de parar de aprovar licenças para novos terminais de gás natural.

  • Pouco antes do ataque ao Capitólio em 6 de janeiro, Trump disse a Mike Pence que certificar a vitória de Biden nas eleições de 2020 seria “um assassino de carreira política”, de acordo com um assessor.

O apoio crescente ao Partido Republicano entre as minorias raciais poderia ser uma coisa boa para a política americana, David Francês escreve.

Os Estados Unidos e a imprensa deveriam fazer tudo o que estiver ao seu alcance para conseguir a libertação dos dois jornalistas americanos na prisão russa, o conselho editorial do Times escreve.

Para os republicanos, a chave para ganhar o Senado é garantir que Trump se sinta apreciado. Até agora, está funcionando, Michelle Cottle escreve.

Aqui está uma coluna de Paul Krugman sobre por que os eleitores de Ohio gostam de Trump.

Para os pássaros: Alguns proprietários de papagaios recorreram a jogos infantis para celular para manter os animais de estimação entretidos.

Exército Fantasma: Um grupo especial de tropas americanas travou uma guerra psicológica contra os alemães na Segunda Guerra Mundial. Apenas alguns sobrevivem.

Processo: O Serviço Nacional de Parques está tentando eliminar o uso de dinheiro em alguns locais. Os visitantes que querem ficar fora do grid se opuseram.

Ótima leitura de hoje: Ele foi sem dúvida o pesquisador psicodélico mais famoso do mundo. Ele era um verdadeiro crente?

Vidas vividas: M. Emmet Walsh sempre impressionou, por menor que fosse o papel, como ator de filmes como “Blade Runner” e “Knives Out”. Ele morreu aos 88.

Torneio da NCAA: Oakland, o 14º colocado, venceu o 3º colocado, Kentucky. Jack Gohlke, de Oakland, acertou 10 arremessos de 3 pontos (e não tentou nenhum arremesso de 2 pontos).

Mais transtornos: Três cabeças-de-chave nº 11 – Duquesne, NC State e Oregon – também derrubaram oponentes com cabeças mais altas. Leia mais sobre os transtornos.

Colchetes quebrados: Um total de 2.400 leitores do Morning participaram do nosso grupo de torneio masculino. Depois de um dia, não restam colchetes perfeitos.

MLB: Shohei Ohtani e os Dodgers se recusaram a comentar um dia depois de um escândalo de apostas envolvendo o ex-tradutor do jogador.

Basquetebol: O G League Ignite – que já foi um caminho inovador para os alunos do ensino médio chegarem à NBA – será encerrado após esta temporada.

Beleza acessível: A Península de Monterey, na Califórnia, tem uma conotação de riqueza, com locais exclusivos como os campos de golfe de Pebble Beach e cidades como Carmel-by-the-Sea. Mas é possível desfrutar da bela zona costeira sem esgotar a sua conta bancária, escreve Elaine Glusac, colunista Frugal Traveller do The Times.

Ela sugere visitar no inverno – “uma época do ano tranquila e econômica” – e desfrutar de parques e reservas. Você pode encontrar hotéis desconhecidos na parte antiga de Monterey, como o Hotel Abrego (US$ 130 por noite), com uma caminhada fácil até o animado centro da cidade. E faça alarde no Aquário da Baía de Monterey, cujo ingresso vale US$ 60.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *