Mon. Jun 24th, 2024

O Instagram não permite que crianças menores de 13 anos tenham contas, mas os pais podem administrá-las – e muitos o fazem para filhas que desejam ser influenciadoras nas redes sociais.

O que muitas vezes começa como um esforço dos pais para impulsionar a carreira de modelo de uma criança, ou ganhar favores de marcas de roupas, pode rapidamente cair em um submundo sombrio dominado por homens adultos, muitos dos quais admitem abertamente em outras plataformas que sentem atração sexual por crianças, descobriu uma investigação do The New York Times.

Milhares de contas ditas dirigidas por mães examinadas pelo The Times oferecem informações perturbadoras sobre como as redes sociais estão a remodelar a infância, especialmente para as raparigas, com incentivo e envolvimento direto dos pais.

Quase um em cada três pré-adolescentes lista a influência como objetivo de carreira, e 11% dos nascidos na Geração Z, entre 1997 e 2012, descrevem-se como influenciadores. Mas especialistas em saúde e tecnologia alertaram recentemente que as redes sociais apresentam um “risco profundo de danos” para as raparigas. As comparações constantes com os seus pares e os filtros que alteram o rosto estão a gerar sentimentos negativos de autoestima e a promover a objetificação dos seus corpos, descobriram os investigadores.

A busca pela fama online, especialmente através do Instagram, impulsionou o fenômeno muitas vezes tóxico, descobriu o Times, incentivando os pais a mercantilizar as imagens de suas filhas. Estas são algumas descobertas importantes.

As crianças influenciadoras podem obter rendimentos de seis dígitos com assinaturas mensais e outras interações com seguidores, de acordo com entrevistas. Alguns podem exigir US$ 3.000 das empresas por um único cargo. O grande número de seguidores impressiona as marcas e aumenta as chances de obter descontos, produtos e outros incentivos financeiros, e as próprias contas são recompensadas pelo algoritmo do Instagram com maior visibilidade na plataforma.

Um cálculo realizado por uma empresa de dados demográficos de audiência encontrou 32 milhões de conexões com seguidores masculinos entre as 5 mil contas examinadas pelo The Times. Além disso, uma análise usando softwares de classificação de imagens do Google e da Microsoft indica que postagens sugestivas têm maior probabilidade de receber “curtidas” e comentários.

Alguns dos seguidores masculinos bajulam, intimidam e chantageiam as meninas e seus pais para obter imagens mais ousadas, e alguns foram condenados por crimes sexuais. O Times monitorou conversas separadas no Telegram, o aplicativo de mensagens, onde homens fantasiam abertamente sobre abusar sexualmente de crianças que seguem no Instagram e elogiam a plataforma por disponibilizar as imagens tão facilmente.

“É como uma loja de doces ????????????”, escreveu um deles. “Deus abençoe as instantâneas ????”, escreveu outro.

A Meta, controladora do Instagram, descobriu que 500.000 contas infantis do Instagram tinham interações “inapropriadas” todos os dias, de acordo com um estudo interno de 2020 citado em processos judiciais. A política da plataforma proíbe criminosos sexuais condenados, e a empresa disse que removeu duas contas depois que o The Times as apontou.

Em comunicado, Andy Stone, porta-voz da Meta, disse que os pais são responsáveis ​​pelas contas e seu conteúdo e podem excluí-las a qualquer momento. “Qualquer pessoa no Instagram pode controlar quem pode marcá-los, mencioná-los ou enviar mensagens, bem como quem pode comentar em suas contas”, acrescentou, observando um recurso que permite aos pais proibir comentários que contenham determinadas palavras.

Uma mãe na Austrália, cuja filha tem agora 17 anos, disse temer que uma infância passada a usar biquínis online para homens adultos a tenha deixado marcada. Ela alertou as mães para evitarem seus erros. “Tenho alimentado estupidamente e ingenuamente um bando de monstros, e o arrependimento é enorme”, disse ela. Mas uma mãe no Alabama disse que os pais não podiam ignorar a realidade desta nova economia. “As redes sociais são o caminho do nosso futuro e sinto que elas ficarão para trás se não souberem o que está acontecendo”, disse ela.

Mesmo as imagens mais perturbadoras de crianças influenciadoras sexualizadas tendem a cair numa área legal cinzenta. Para cumprir a definição federal da chamada pornografia infantil, a lei geralmente exige uma “exibição lasciva” da área anal ou genital, embora os tribunais tenham decidido que o requisito pode ser cumprido sem nudez ou roupa transparente.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *