Tue. May 21st, 2024

A China aprovou revisões a uma já rigorosa lei de segredos de Estado, alargando o âmbito do tipo de informação que seria considerada um risco para a segurança nacional na segunda maior economia do mundo.

As mudanças elevam os riscos para as empresas estrangeiras que operam no país. Ao longo do último ano, a China tem como alvo consultores e executivos empresariais em casos de espionagem, como parte de um esforço para limitar a disseminação de informações procuradas por investidores e empresas estrangeiras.

As alterações à lei dos segredos de Estado, que foram aprovadas pelo principal órgão legislativo da China na terça-feira e entrarão em vigor em maio, incluem um novo conceito jurídico denominado “segredos de trabalho”. É definida como informação que não é segredo oficial de Estado, mas que “causará certos efeitos adversos se vazada”, segundo o texto da lei.

“A lei é vaga e a definição de segredo de Estado tão ampla que poderia incluir qualquer coisa que o partido-Estado decida que deveria”, disse Diana Choyleva, economista-chefe da Enodo Economics, uma empresa de investigação com sede em Londres focada na China. “Também complicará ainda mais a vida das empresas estrangeiras e dos seus funcionários baseados na China.”

Choyleva disse que muitas empresas ficarão presas num estado de “paralisia” enquanto esperam para ver como a China aplicará as novas disposições da lei.

É o exemplo mais recente da vigilância intensificada do país em relação à segurança do Estado sob a liderança de Xi Jinping. Nos últimos anos, a China fortaleceu progressivamente as suas leis de segurança nacional e de partilha de dados, ao mesmo tempo que alertava para os riscos da espionagem sob o manto dos negócios.

Mas o fortalecimento das leis de segurança nacional da China abalou muitas empresas e investidores estrangeiros. Muitas das alterações exercem critérios pouco claros e abrangentes sobre o que constituiria um risco para a segurança nacional, levantando a possibilidade de as regras poderem ser aplicadas arbitrariamente.

A repressão ampliou os desafios de investir na China numa altura em que o investimento directo estrangeiro no país caiu para os níveis mais baixos em três décadas, à medida que as empresas estão cada vez mais relutantes em suportar as compensações de operar na China por uma economia que já não crescendo aos trancos e barrancos.

Jens Eskelund, presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China, observou que as alterações à lei dos segredos de Estado ocorreram uma semana depois de o gabinete do país, o Conselho de Estado, ter dito que uma das prioridades do ano era atrair mais investimento estrangeiro através de reforçando a confiança dos investidores.

“O âmbito das questões consideradas ‘sensíveis’ parece estar em constante expansão, o que torna mais difícil para as empresas o acesso à informação necessária para a tomada de decisões de investimento relacionadas com as suas operações na China”, disse ele numa declaração escrita.

A lei dos segredos de Estado foi aprovada pela primeira vez em 1988 e depois alterada em 2010, quando a China impôs requisitos mais rigorosos às empresas de Internet e telecomunicações para cooperarem com a polícia, autoridades de segurança do Estado e procuradores na investigação de fugas de segredos de Estado.

O Partido Comunista da China, no poder, determinou que a lei precisava de ser actualizada devido aos avanços na ciência e na tecnologia que criaram “novos problemas e desafios” na manutenção da confidencialidade, disse um funcionário da Administração Nacional de Protecção de Segredos de Estado à imprensa estatal.

A China também revisou a sua lei de contraespionagem no ano passado para expandir a definição do que poderia ser interpretado como espionagem. Estipulou que o compartilhamento de “documentos, dados, materiais e objetos” poderia ser considerado espionagem se a informação tivesse “uma relação com a segurança e os interesses nacionais”.

A série de mudanças legais coincide com um maior escrutínio sobre os negócios em toda a economia. Os executivos chineses do sector financeiro estão a ser alvo de campanhas anticorrupção abrangentes. As autoridades governamentais visaram empresas de consultoria e assessoria com ligações estrangeiras no ano passado através de uma série de rusgas, detenções e prisões como parte da aplicação de leis de contra-espionagem.

Além disso, Pequim deteve executivos estrangeiros e acusou-os de espionagem, ao mesmo tempo que utilizou amplamente a sua autoridade para impedir que outros deixassem o país. Em Janeiro, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse que um consultor britânico que desapareceu da vista do público em 2018 foi condenado a cinco anos de prisão em 2022 por “comprar e fornecer ilegalmente inteligência a uma organização ou indivíduo fora da China”.

A China tem procurado educar os seus cidadãos sobre os riscos de segurança nacional presentes na economia através de uma série de banda desenhada do Ministério da Segurança do Estado da China. A série online é baseada em investigações reais de espionagem, disse o ministério.

Na última edição publicada esta semana, um investigador especial da agência disfarça-se para se infiltrar numa empresa de consultoria na China e obter provas de que esta empresa contactava ilegalmente especialistas em indústrias sensíveis. O investigador está perseguindo um “peixe grande”, um espião estrangeiro chamado “Jason”, que faz parte da rede de associados do proprietário da empresa. Na cena final, o investigador encontra uma lista de especialistas na sala de documentação da empresa, mas é descoberto por um colega.

A história em quadrinhos não identifica a empresa como estrangeira ou nacional. No ano passado, as autoridades chinesas invadiram os escritórios da empresa de consultoria Capvision Partners, que oferecia um serviço de matchmaking para ligar clientes que procuravam informações a uma lista de “especialistas” de vários setores.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *