Sat. Jun 15th, 2024

Nesta época do ano, a chuva deve inundar grandes áreas da floresta amazônica. Em vez disso, uma seca severa manteve as chuvas sob controle, criando condições secas para incêndios que engolfaram centenas de quilômetros quadrados de floresta tropical que normalmente não queimam.

Os incêndios transformaram o fim da estação seca na parte norte da gigantesca floresta tropical numa crise. Os bombeiros têm lutado para conter enormes incêndios que enviaram fumaça sufocante para cidades em toda a América do Sul.

Um número recorde de incêndios até agora este ano na Amazônia também levantou questões sobre o que pode estar reservado para a maior floresta tropical do mundo quando a estação seca começar em junho, na parte sul da selva, muito maior.

No mês passado, Venezuela, norte do Brasil, Guiana e Suriname, que abrangem vastas extensões do norte da Amazônia, registraram o maior número de incêndios em fevereiro, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, que monitora incêndios na floresta tropical há 25 anos. anos. Os incêndios também atingiram as terras altas dos Andes na Colômbia, bem como partes do território amazônico daquele país.

Os incêndios na Amazónia, que atingem nove países sul-americanos, são o resultado de uma seca extrema alimentada pelas alterações climáticas, dizem os especialistas.

A região vem sentindo os efeitos de um fenômeno climático natural conhecido como El Niño, que pode agravar as condições de seca que foram intensificadas este ano por temperaturas extremamente elevadas.

Isso tornou a floresta tropical mais vulnerável a incêndios que se espalham rapidamente, disse Ane Alencar, diretora científica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia no Brasil.

“O clima está deixando as florestas da América do Sul mais inflamáveis”, disse ela. “Está criando oportunidades para incêndios florestais.”

À medida que os países continuam a queimar combustíveis fósseis e o planeta atinge as temperaturas médias mais elevadas medidas pelos cientistas, espera-se um ano cansativo de incêndios em todo o mundo. Fortes incêndios já devastaram grandes partes dos Estados Unidos e da Austrália, e prevê-se uma temporada pior para o Canadá, onde foram queimados mais hectares no ano passado do que alguma vez tinha sido registado.

Mais um ano de incêndios devastadores poderá ser especialmente prejudicial na Amazónia, que armazena grandes quantidades de dióxido de carbono nas suas árvores e no solo. É também o lar de 10% das plantas, animais e outros organismos vivos do planeta.

Se a desflorestação, os incêndios e as alterações climáticas continuarem a piorar, grandes extensões de floresta poderão transformar-se em pastagens ou ecossistemas enfraquecidos nas próximas décadas. Isso, dizem os cientistas, desencadearia um colapso que poderia enviar para a atmosfera emissões globais de carbono equivalentes a até 20 anos, um enorme golpe na luta para conter as alterações climáticas.

Uma vez ultrapassado este ponto de inflexão, “pode ser inútil tentar fazer alguma coisa”, disse Bernardo Flores, que estuda a resiliência dos ecossistemas na Universidade Federal de Santa Catarina, no Brasil.

Em janeiro, os incêndios florestais queimaram quase 4.000 milhas quadradas da Amazônia brasileira, um aumento de quase quatro vezes em relação ao mesmo mês do ano passado, de acordo com o Mapbiomas, um coletivo de organizações sem fins lucrativos e instituições de pesquisa focadas no clima.

Em fevereiro, mais de dois terços dos incêndios no Brasil ocorreram em Roraima, o estado mais ao norte do país. Eles queimaram casas e plantações de subsistência em diversas aldeias indígenas, deixando uma névoa espessa sobre as áreas rurais e criando uma qualidade do ar perigosa na capital do estado, Boa Vista.

Como resultado da seca prolongada, a vegetação desta parte da Amazônia tornou-se “combustível”, explicou o Dr. Alencar. “Roraima é como um barril de pólvora neste momento.”

Os investigadores dizem que a maioria dos incêndios que varrem a região foram inicialmente provocados por agricultores que utilizaram o método de “corte e queima” para permitir o crescimento de nova erva em pastagens degradadas ou para limpar totalmente terras recentemente desmatadas.

Alimentados pelas condições secas e pelas temperaturas abrasadoras, muitos destes incêndios queimam descontroladamente, espalhando-se por quilómetros para além da área que foi originalmente incendiada.

“Os incêndios são contagiosos”, disse Flores. “Eles modificam o ecossistema por onde passam e aumentam o risco para as áreas vizinhas, como um vírus.”

Em Roraima, os incêndios queimaram principalmente áreas do Lavrado, uma região única semelhante a uma savana situada na Amazônia, disse Erika Berenguer, pesquisadora associada sênior da Universidade de Oxford e da Universidade de Lancaster.

Este ecossistema, conhecido pelas suas pastagens abertas e uma rara população de cavalos selvagens, sobrepõe-se a várias áreas protegidas, incluindo a Reserva Indígena Yanomami, onde a mineração ilegal e a destruição da floresta levaram a uma crise humanitária.

Após meses de chuvas escassas, a densa floresta tropical, que normalmente é úmida demais para pegar fogo, também se tornou mais suscetível às chamas.

Em Roraima, os incêndios já se espalharam para florestas protegidas e terras indígenas na região Sul do estado, segundo Haron Xaud, professor da Universidade Federal de Roraima e pesquisador da Embrapa Roraima, instituto de monitoramento das queimadas.

Embora os incêndios sejam comuns nas florestas boreais mais secas do Canadá e de outras partes do Hemisfério Norte, eles não ocorrem naturalmente na floresta amazônica, muito mais úmida. As florestas tropicais não estão adaptadas aos incêndios, disse o Dr. Xaud, “e degradam-se muito mais rapidamente, especialmente se o fogo se tornar recorrente”.

Alguns dos incêndios florestais iniciados por seres humanos na Amazónia transformaram-se em “megaincêndios”, normalmente definidos como incêndios que queimam mais de 100.000 acres de terra ou que têm um efeito invulgarmente significativo nas pessoas e no ambiente. Esses tipos de incêndios, disse Flores, se tornarão mais frequentes à medida que o planeta aquecer e o desmatamento prejudicar a capacidade de recuperação da Amazônia.

Fatores ambientais já estão mudando a Amazônia. As estações secas estão a tornar-se mais longas e a precipitação média durante esses períodos, quando as chuvas diminuem mas não param completamente, já caiu um terço desde a década de 1970, disse o Dr. Berenguer. Isso tornou os El Niños cada vez mais perigosos.

“Quando você tem todos esses fatores juntos, você tem as condições para uma tempestade perfeita – isto é, a tempestade de fogo perfeita”, disse o Dr.

Os incêndios na região amazônica tiveram um efeito marcante nas emissões de carbono. Em Fevereiro, os incêndios florestais no Brasil e na Venezuela emitiram quase 10 milhões de toneladas de carbono, o maior valor já registado para um mês e quase o mesmo que a Suíça emite num ano, de acordo com dados do Serviço Europeu de Monitorização da Atmosfera Copernicus.

O padrão do El Niño deverá diminuir em alguns meses, trazendo algum alívio para a Amazônia.

Mas incêndios mais devastadores poderão surgir se o solo ressecado não receber chuvas suficientes nos meses mais chuvosos que se avizinham, disse o Dr. Alencar.

“A questão é se a floresta conseguirá se recuperar antes da estação seca, se a Amazônia conseguirá recarregar as baterias”, disse ela. “Agora, tudo depende das chuvas.”

Simão Posada contribuiu com reportagens de Bogotá, Colômbia.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *