Mon. May 27th, 2024

O tribunal superior das Nações Unidas ouviu na segunda-feira um último dia de argumentos sobre a legalidade da ocupação de décadas dos territórios palestinos por Israel, audiências que aumentaram a pressão sobre Israel num momento em que a atenção se concentra na guerra em Gaza.

As audiências, que começaram na segunda-feira passada, são a primeira vez que o tribunal, o Tribunal Internacional de Justiça, é chamado a emitir um parecer consultivo sobre a questão, que tem sido objecto de anos de debates e resoluções nas Nações Unidas. O tribunal provavelmente levará meses antes de emitir uma opinião.

As sessões da semana passada, realizadas no Palácio da Paz em Haia, centraram-se na legalidade daquilo que os representantes dos palestinianos disseram ser a “ocupação, colonização e anexação prolongadas” por parte de Israel dos territórios palestinianos, particularmente da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental.

Os representantes, incluindo uma equipa de advogados proeminentes, disseram que Israel abusou dos direitos palestinos impunemente. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Autoridade Palestiniana, Riyad al-Maliki, disse que Israel sujeitou os palestinianos a décadas de discriminação, deixando-os com a escolha de “deslocamento, subjugação ou morte”.

Israel não compareceu às audiências, mas numa petição escrita rejeitou as questões levantadas no processo por considerá-las tendenciosas.

As audiências durante seis dias, que incluíram oradores de mais de 50 países, fazem parte de um esforço global concertado para examinar a legalidade das políticas de Israel em relação aos palestinianos.

O processo ganhou urgência devido à guerra de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza. As autoridades de saúde em Gaza afirmam que a campanha militar de Israel matou mais de 29 mil pessoas, a maioria mulheres e crianças, e provocou o que as Nações Unidas consideram um desastre humanitário.

Desde o início da guerra, as forças israelitas também detiveram centenas de palestinianos em ataques na Cisjordânia. A violência mortal contra os palestinos por parte dos colonos israelenses aumentou e os ataques palestinos aos israelenses também aumentaram.

Os Estados Unidos têm sido um defensor ferrenho de Israel a nível internacional e, na quarta-feira passada, disseram ao tribunal que Israel enfrentava “necessidades de segurança muito reais”. Também vetou uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que apelava a um cessar-fogo, argumentando que a moção poderia ter perturbado as negociações para libertar os reféns detidos pelo Hamas e garantir uma suspensão temporária dos combates.

Mas a campanha militar de Israel em Gaza apresentou um dilema à administração do Presidente Biden, que continuou a fornecer ajuda militar a Israel, ao mesmo tempo que expressou preocupação crescente com o tratamento que dispensa aos palestinianos.

Biden disse que o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu foi “exagerado” na condução da guerra em Gaza. E na sexta-feira, o secretário de Estado Antony J. Blinken disse que o governo americano estava a inverter uma política da administração Trump e consideraria agora os novos colonatos israelitas nos territórios palestinianos como “inconsistentes com o direito internacional”.

O último dia de audiências de segunda-feira no tribunal da ONU está programado para incluir argumentos de representantes da Turquia, Espanha, da União Africana e da Organização de Cooperação Islâmica, que representa 57 estados membros, a maioria países de maioria muçulmana.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *