Sat. Jun 15th, 2024

A evidência de que os smartphones prejudicam a saúde mental das crianças continuou a crescer nos últimos anos.

Os sentimentos de solidão e tristeza começaram a aumentar há mais de uma década, mais ou menos na mesma altura em que os smartphones e depois as redes sociais se tornaram omnipresentes. A quantidade de tempo que os adolescentes passam socializando pessoalmente diminuiu na mesma linha do tempo. O mesmo acontece com o número de horas que eles dormem.

A pesquisa acadêmica aponta em uma direção semelhante. Muitos estudos encontraram uma correlação entre a quantidade de tempo que os adolescentes – especialmente as meninas – passam em smartphones e a probabilidade de ficarem deprimidos ou com baixa autoestima. Um estudo do ano passado descobriu uma relação impressionante entre a idade em que alguém possuiu um smartphone pela primeira vez e a saúde mental dessa pessoa quando jovem:

Ainda há muito que os pesquisadores não entendem sobre a tecnologia digital, e algum uso de smartphones é claramente necessário e saudável. Mas a noção de que os smartphones são benéficos ou inofensivos para a saúde mental em geral – um argumento que os executivos da tecnologia às vezes usam – parece muito mais fraca do que antes.

Dois dos meus colegas, Jennifer Valentino-DeVries e Michael H. Keller, publicaram uma nova investigação sobre um exemplo extremo dos problemas que as redes sociais podem causar às crianças. O artigo examina contas do Instagram que os pais administram para suas filhas, muitas vezes na esperança de transformar as meninas em influenciadoras ou modelos. Muitas dessas contas atraíram seguidores de homens que reconhecem em outras plataformas que se sentem sexualmente atraídos por crianças.

Como Jennifer e Michael escrevem:

Milhares de relatos examinados pelo The Times oferecem informações perturbadoras sobre como as redes sociais estão a remodelar a infância, especialmente para as raparigas, com incentivo e envolvimento direto dos pais. Alguns pais são a força motriz por trás da venda de fotos, sessões de bate-papo exclusivas e até mesmo dos collants e trajes de torcida usados ​​pelas meninas para seguidores em sua maioria desconhecidos. Os clientes mais dedicados gastam milhares de dólares cultivando relacionamentos com menores de idade. …

Interagir com os homens abre a porta ao abuso. Algumas bajulam, intimidam e chantageiam meninas e seus pais para obter imagens cada vez mais ousadas. O Times monitorou conversas separadas no Telegram, o aplicativo de mensagens, onde homens fantasiam abertamente sobre abusar sexualmente de crianças que seguem no Instagram e elogiam a plataforma por disponibilizar as imagens tão facilmente.

Obviamente, muitos pais postam fotos de seus filhos pequenos de maneira inofensiva – para que familiares e amigos possam se manter atualizados. Mas o artigo de Jennifer e Michael evitou focar nesses casos, examinando apenas contas que tinham pelo menos 500 seguidores e postaram várias imagens de crianças em trajes justos ou reveladores.

Entre os pontos principais do artigo:

  • Algumas crianças cobram assinaturas mensais para suas imagens e ganham rendimentos de seis dígitos.

  • “Com a sabedoria e o conhecimento que tenho agora, se pudesse voltar atrás, definitivamente não faria isso”, disse um dos pais. “Tenho alimentado estupidamente e ingenuamente um bando de monstros, e o arrependimento é enorme.”

  • O Times encontrou homens que usavam páginas infantis do Instagram para satisfazer suas fantasias e que trocavam informações sobre pais considerados receptivos à venda de “conjuntos privados” de imagens.

  • Um estudo interno da Meta – empresa controladora do Facebook e do Instagram, dirigida por Mark Zuckerberg – descobriu que 500 mil contas infantis do Instagram tinham interações “inapropriadas” todos os dias, mostram os registros judiciais.

  • Meta não agiu mesmo depois de receber vários relatos de pais sobre comportamento preocupante. Em vez disso, a empresa às vezes restringia os pais que tentavam bloquear muitos seguidores. Ex-funcionários da Meta descreveram a empresa como sobrecarregada pelo problema, apesar de já saberem disso há anos.

  • Um porta-voz da Meta contestou a sugestão de que os esforços de segurança e proteção da empresa eram subfinanciados, dizendo que 40 mil funcionários trabalharam neles. Ele também disse que a Meta relatou mais imagens suspeitas de abuso infantil às autoridades a cada ano do que qualquer outra empresa.

  • “A Bíblia diz: ‘A riqueza dos ímpios está reservada para os justos’”, disse o proprietário de uma pequena empresa de roupas que conta com jovens influenciadores em seu marketing online. “Então, às vezes você tem que usar as coisas deste mundo para chegar onde precisa estar, desde que não prejudique ninguém.”

Você pode ler a investigação aqui.

Amor de dia bissexto: Para casais que não gostam de aniversários, um casamento no dia 29 de fevereiro é uma proposta atraente.

Ascensão e queda: Louise Blouin ascendeu aos níveis mais altos da sociedade e tornou-se conhecida como magnata do mundo da arte. Este mês ela estava no tribunal de falências.

Vozes no azul: Experimentos incomuns sugerem como as baleias de barbatanas cantam.

Vidas vividas: Hydeia Broadbent, nascida com VIH, tinha 6 anos quando começou a falar na televisão sobre a sua luta contra o vírus, com o objectivo de educar o público. Ela morreu aos 39 anos.

Revelador: Há um descontentamento crescente na MLB em relação aos uniformes desta temporada, especialmente as calças – algumas das quais parecem transparentes.

Mets de Nova York: Kodai Senga vai perder o início da temporada devido a uma distensão no ombro.

NFL: O Kansas City Chiefs contratou o apostador Matt Araiza, que não joga na liga desde que um processo de 2022 o acusou de agressão sexual. Nenhuma acusação foi apresentada.

Equipe de infância: Um bilionário comprou uma fatia do Manchester United. Agora ele tem que consertar isso.

Futebol: Dani Alves, que já foi estrela do Barcelona e da seleção brasileira, foi condenado a quatro anos e meio de prisão por agressão sexual.

Um podcast privado: As notas de voz estão se tornando uma forma comum de conversar com amigos, especialmente entre os jovens. Eles também são profundamente divisivos. “Se tenho que ouvir uma música por mais de um minuto, fico distraída e paro de absorvê-la”, disse Iris Meines, 29 anos, que acrescentou que muitas vezes fazia anotações enquanto ouvia para acompanhar.

Elaine Swann, especialista em etiqueta, disse que as notas de voz devem ser usadas apenas nos casos em que “o tom é necessário, mas a conversa não é”, como um pedido de desculpas. “Exercite o autocontrole”, disse ela. “Não invada a vida de alguém com uma nota de voz prolixa.”

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *