Fri. Apr 19th, 2024

Há um ano, na sexta-feira, Ella Milman e Mikhail Gershkovich receberam um telefonema assustador do editor-chefe do The Wall Street Journal. O filho deles, Evan, correspondente estrangeiro do The Journal que estava em missão de reportagem na Rússia, faltou ao check-in diário de segurança.

“Esperávamos que fosse algum tipo de erro, que tudo ficasse bem”, lembrou Gershkovich, mais velho. Mas a surpreendente realidade tornou-se clara: as autoridades russas detiveram Evan e acusaram-no de espionagem para o governo americano, tornando-o no primeiro repórter americano detido sob acusação de espionagem na Rússia desde o fim da Guerra Fria.

Desde a sua prisão, Gershkovich, 32 anos, está detido na notória prisão de segurança máxima de Lefortovo, em Moscovo, a mesma instalação que contém as pessoas acusadas do ataque mortal numa sala de concertos na cidade este mês. O Journal e o governo dos EUA negaram veementemente que o Sr. Gershkovich seja um espião, dizendo que ele era um jornalista credenciado que fazia o seu trabalho.

Na terça-feira, a detenção de Gershkovich foi prorrogada por mais três meses. A data do julgamento não foi definida.

“Todo dia é muito difícil – todos os dias sentimos que ele não está aqui”, disse Milman. “Queremos ele em casa e já faz um ano. Cobrou um preço.”

Roger Carstens, enviado especial do governo Biden para assuntos de reféns, disse que o governo dos EUA tem “esforços intensivos” em andamento para garantir a libertação de Gershkovich, bem como a libertação de outro americano detido, Paul Whelan, um veterano da Marinha que também é acusado de espionagem.

“O jornalismo não é um crime”, disse Carstens num comunicado. “Evan Gershkovich estava fazendo o seu trabalho e não deveria ter sido detido pela Rússia.”

Comentários públicos recentes do presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, sobre uma possível troca de prisioneiros podem ser motivo para algum otimismo, disse Jay Conti, conselheiro geral da Dow Jones, empresa-mãe do The Journal.

Numa entrevista com o ex-apresentador da Fox News, Tucker Carlson, no mês passado, Putin sugeriu que queria trocar Gershkovich por Vadim Krasikov, um cidadão russo preso na Alemanha por assassinar um alvo num parque de Berlim.

As primeiras conversações entre autoridades americanas e alemãs exploraram se Berlim estaria disposta a libertar o assassino se a Rússia libertasse o líder da oposição Aleksei A. Navalny, além de Gershkovich e Whelan. Mas Navalny morreu em circunstâncias misteriosas numa prisão no Ártico no mês passado, inviabilizando essa possibilidade.

“Não creio que seja segredo que não há muitos russos importantes sob custódia dos EUA e, portanto, isso torna qualquer acordo potencial muito mais complicado”, disse Conti. “Acho que o governo dos EUA tem sido ativo em seus esforços para tentar trazer Evan para casa, mas obviamente é necessário um parceiro disposto e é necessário fechar um acordo para fazer isso.”

Enquanto está na prisão, Gershkovich joga uma lenta partida de xadrez com seu pai pelo correio e segue recomendações de livros de amigos, disseram seus pais. Ele também acompanha os aniversários das pessoas e eventos marcantes, organizando através de outras pessoas o envio de flores, inclusive para sua mãe e irmã no Dia Internacional da Mulher deste mês.

“É um lugar muito pequeno e muito isolado, com uma pequena janela e muito pouco tempo ao ar livre”, disse o pai sobre a cela do filho. “Sabemos que é preciso muita coragem, esforço e força para nos mantermos juntos, para fazer exercício, para meditar, para ler livros, para escrever cartas, para nos encorajar a permanecer fortes e esperar pelo melhor.”

Gershkovich troca cartas semanalmente com sua família, bem como com amigos e amigos por correspondência em todo o mundo. Um grupo de amigos dele criou um site onde as pessoas podem enviar cartas, que serão traduzidas para o russo, conforme exigido por lei, e enviadas ao Sr. Gershkovich, que adora recebê-las, disse sua mãe.

“Ele está lutando. Ele está mantendo o ânimo”, disse Milman.

Gershkovich cresceu em Princeton, NJ, filho de emigrados judeus que fugiram da União Soviética na década de 1970. Seus pais disseram que ele estava curioso sobre sua herança russa desde muito jovem e falava russo em casa. Ele também tinha interesse em pessoas e passou a estudar filosofia e inglês no Bowdoin College, no Maine, graduando-se em 2014. Jornalismo parecia a escolha perfeita.

Depois de quase dois anos como assistente de notícias no The New York Times, Gershkovich mudou-se para a Rússia no final de 2017 para trabalhar como repórter do The Moscow Times. Ele trabalhou na Agence France-Presse antes de ingressar no The Journal em janeiro de 2022, um trabalho que seus pais disseram que ele adorava.

Depois de a Rússia ter invadido a Ucrânia em Fevereiro de 2022, Gershkovich deixou Moscovo, juntamente com a maioria dos jornalistas estrangeiros, e mudou-se para Londres. Mas ele voltava frequentemente à Rússia para relatar viagens.

O Wall Street Journal tem trabalhado arduamente para manter a situação de Gershkovich nas manchetes, disse Emma Tucker, editora-chefe. A redação exibe uma grande foto dele, e os colegas usam broches “Free Evan”. A página inicial do Journal apresenta atualizações sobre o caso de Gershkovich, e a empresa organizou campanhas de redação de cartas, tempestades nas redes sociais e até uma maratona de leitura de 24 horas das reportagens de Gershkovich.

“Temos que manter a pressão”, disse Tucker. “Nós nos recusamos a desistir.”

A sua detenção marcou um momento particularmente assustador na repressão de Putin aos meios de comunicação independentes e à dissidência. Embora centenas de jornalistas russos independentes tenham sido expulsos do país, Putin até então não tinha preso nenhum jornalista ocidental sob acusações que os levassem à prisão.

As autoridades russas prenderam Whelan em 2018, acusando-o de espionagem, acusações que ele e o governo dos EUA negam. No início de 2022, as autoridades russas prenderam a jogadora de basquete Brittney Griner, acusando-a de contrabando de drogas. Mais tarde, trocaram-na por um traficante de armas condenado, Viktor Bout, cujo repatriamento de uma prisão americana perseguiam há anos.

A libertação de Griner no final de 2022 e o desequilíbrio da troca – um jogador de basquete pego com um pouco de óleo de haxixe para um traficante de armas – levantaram preocupações de que Putin teria como alvo outros americanos, percebendo que eles poderiam ser usados ​​como alavanca para garantir altos -perfil, russos perigosos capturados no Ocidente.

A prisão do Sr. Gershkovich ocorreu alguns meses depois. Teve amplas implicações na cobertura da Rússia, uma vez que muitas das principais redações retiraram os seus jornalistas do país e reavaliaram o risco de qualquer reportagem na região. Outra jornalista, Alsu Kurmasheva, uma cidadã russo-americana que trabalha para a emissora financiada pelos EUA Radio Free Europe/Radio Liberty, foi detida em Outubro quando viajava para a Rússia para visitar a sua mãe. Ela foi acusada de não se registrar como agente estrangeira e continua detida.

Gulnoza Said, coordenador do programa para a Europa e Ásia Central no Comité para a Proteção dos Jornalistas, disse numa entrevista que os jornalistas na Rússia sabiam agora que estavam “sob constante risco”.

“Antes do caso de Evan, aos correspondentes estrangeiros que poderiam ter sido considerados demasiado críticos em relação às políticas russas foi negada a extensão do seu visto ou acreditação”, explicou a Sra. Said. “Ficou claro que as autoridades russas não vão parar por nada na sua repressão aos meios de comunicação independentes.”

Os pais de Gershkovich disseram que dedicaram seu tempo para manter o governo Biden focado nele, reunindo-se com o presidente Biden, o secretário de Estado Antony J. Blinken e Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Biden. Eles viajaram para Davos, na Suíça, este ano para o Fórum Econômico Mundial, e foram convidados no discurso sobre o Estado da União de Biden em 7 de março, quando o presidente disse que os Estados Unidos estavam trabalhando “24 horas por dia” para trazer Gershkovich lar.

“Sabemos que eles estão engajados e que o presidente Biden está comprometido, mas gostaríamos de ver uma resolução o mais rápido possível”, disse Milman.

Espera-se que a data do julgamento de Gershkovich seja marcada nos próximos meses, disse Conti, conselheiro geral da Dow Jones. Um julgamento seria realizado a portas fechadas, com pouca transparência no processo.

Até então, disseram os pais de Gershkovich, eles continuam esperando por sua libertação.

“Temos que ser otimistas para continuar”, disse seu pai. “Não temos outras habilidades para lidar com isso.”

Paulo Sonne relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *