Sun. Apr 14th, 2024

Corpos foram recuperados, flores foram colocadas e dedos apontados no domingo, enquanto narrativas concorrentes tomavam forma sobre quem estava por trás do ataque terrorista a uma sala de concertos russa, onde pelo menos 137 pessoas foram mortas para desfrutar de uma noite de música.

O presidente Vladimir V. Putin deu a entender que a Ucrânia estava por trás do ataque de sexta-feira à noite. Ele não chegou a acusar Kiev diretamente, mas no domingo alguns de seus aliados não demonstraram tal escrúpulo.

Autoridades americanas disseram que o ataque parecia ser obra de uma ramificação do Estado Islâmico e que não há evidências que liguem Kiev a ele. Mas muitos comentadores nacionalistas russos e falcões ultraconservadores defendem a ideia de que a Ucrânia é a culpada óbvia.

Um analista pró-Kremlin que frequenta regularmente a televisão estatal russa, Sergei A. Markov, escreveu numa publicação no Telegram que o Kremlin deve trabalhar para isolar a liderança ucraniana, “ligando o acto terrorista não ao ISIS, mas ao governo ucraniano como tanto quanto possível.”

Os meios de comunicação estatais russos mal mencionaram que o próprio ISIS alegou ser responsável pelo ataque à Crocus City Hall, uma sala de concertos nos arredores de Moscovo. A ramificação do ISIS que as autoridades americanas acreditam estar ligada ao ataque, o Estado Islâmico Khorasan, conhecido como ISIS-K, tem estado activo no Paquistão, Afeganistão e Irão.

No final do domingo, quatro homens que pareciam ter sido espancados apareceram num tribunal russo e foram acusados ​​de cometer um ataque terrorista.

Três dos homens disseram ao tribunal que eram do Tajiquistão e, de acordo com os meios de comunicação russos, o quarto suspeito também o é. O Estado Islâmico atraiu milhares de adeptos de países da Ásia Central, incluindo o Tajiquistão.

Todos os quatro suspeitos tinham hematomas visíveis e um deles tinha bandagens na cabeça. Outro teve que ser levado para dentro e para fora do tribunal. Vídeos que pretendem mostrar os homens sendo brutalizados enquanto eram interrogados têm circulado amplamente nas redes sociais russas.

No domingo, uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria V. Zakharova, disse que o Ocidente estava a apontar para o ISIS-K para transferir a culpa para a Ucrânia. A Rússia não apresentou qualquer prova do envolvimento da Ucrânia e as autoridades ucranianas rejeitaram as acusações.

O mesmo aconteceu com a administração Biden.

“Não há nenhuma evidência – e, de fato, o que sabemos ser o caso é que o ISIS-K é, na verdade, segundo todos os relatos, responsável pelo que aconteceu”, disse a vice-presidente Kamala Harris no domingo no programa “This Week” da ABC. ”

As reacções ao ataque reflectem, em parte, o estado de ansiedade em que a Rússia tem vivido desde que as suas forças invadiram a Ucrânia.

Nos últimos dois anos, os meios de propaganda têm competido para promover uma narrativa, teoria da conspiração ou especulação após outra, e agora alguns analistas e críticos do Kremlin dizem que Putin pode falsamente atribuir o ataque a Kiev para justificar outra escalada na sua situação. guerra.

No sábado, Putin prometeu punir os perpetradores – “quem quer que sejam, quem quer que os tenha enviado”. Ele não fez menção ao ISIS-K.

A Rússia observava um dia nacional de luto no domingo pelas vítimas do ataque de fogo.

Sob um céu cinzento, russos atordoados foram depositar flores e acender velas em um memorial montado fora da sala de concertos. Dezenas de pessoas esperavam em uma longa fila pela sua vez, muitas segurando buquês vermelhos, enquanto o trabalho continuava dentro do salão para desmontar os restos do palco. As bandeiras foram hasteadas até meio mastro em edifícios em todo o país, e a mídia estatal divulgou um vídeo de Putin acendendo uma vela memorial em uma igreja.

Um importante órgão de aplicação da lei russo, o Comitê de Investigação, disse no domingo que 137 corpos foram recuperados nas instalações carbonizadas, incluindo os de três crianças. Afirmou que 62 vítimas foram identificadas até agora e que testes genéticos estão em andamento para identificar o restante. Muitas das mais de 100 pessoas feridas no ataque estavam em estado crítico.

Os nomes dos homens descritos como os quatro principais suspeitos foram divulgados quando foram levados ao tribunal para serem acusados. Um porta-voz do tribunal os identificou como Dalerjon Mirzoyev, 32; Saidakrami Rachabalizoda, 30; Shamsidin Fariduni, 25; e Muhammadsobir Fayzov, 19.

Numa Rússia abalada pelo pior ataque terrorista que a atingiu em mais de duas décadas, não era apenas a Ucrânia que estava sob escrutínio. Alguns comentadores criticaram os serviços de segurança russos por não terem conseguido evitar a tragédia, e havia questões abertas sobre se a Rússia tinha dado seguimento adequado a um aviso dos Estados Unidos sobre a ameaça de um ataque.

As teorias da conspiração abundavam.

Ativistas linha-dura anti-Kremlin, falando do estrangeiro, especularam que o Estado russo poderia ter orquestrado o ataque para culpar a Ucrânia ou apertar ainda mais os parafusos da repressão dentro do país.

Alguns legisladores no Parlamento já argumentavam que o governo precisava de ser duro com os migrantes. Os legisladores também se comprometeram a discutir se a pena capital deveria ser introduzida na Rússia.

Aleksei Venediktov, jornalista e comentador russo e antigo editor da influente estação de rádio Ekho Moskvy, disse que “diferentes forças políticas estão a começar a usar” o ataque. “O Kremlin, acima de tudo”, disse ele numa entrevista transmitida no YouTube. “Mas outros também, que dizem que tudo foi organizado pelo Kremlin.”

Alguns activistas nacionalistas afirmaram que a desorientação poderia ter sido o objectivo final dos agressores.

Yegor S. Kholmogorov, um comentarista nacionalista russo, escreveu em seu blog no aplicativo de mensagens Telegram que a sociedade russa estava “fortemente unida pela guerra e pela vitória do presidente Vladimir V. Putin nas eleições” antes do ataque. Agora, lamentou, a Rússia transformou-se numa “sociedade dividida”.

Enquanto a Rússia lamentava, a guerra na Ucrânia continuava.

A Força Aérea da Ucrânia disse ter abatido 43 dos 57 mísseis e drones russos lançados durante a noite contra diferentes partes do país. E os militares ucranianos afirmaram ter atingido dois grandes navios de desembarque que faziam parte da Frota Russa do Mar Negro. Não houve comentários imediatos das autoridades militares russas.

Neil MacFarquhar e Matthew Mpoke Bigg relatórios contribuídos.

Source link

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *