Mon. May 27th, 2024

O Kremlin alertou na terça-feira que a intervenção das tropas da NATO no terreno na Ucrânia levaria inevitavelmente a um confronto direto entre a Rússia e a aliança militar ocidental, descrevendo a discussão de tal possibilidade como “um novo elemento muito importante”.

O alerta surge um dia depois de o presidente Emmanuel Macron, da França, ter dito que “nada deve ser descartado”, quando lhe foi questionado sobre a possibilidade de enviar tropas ocidentais para a Ucrânia para ajudar a nação a defender-se contra a Rússia.

“Tudo é possível se for útil para alcançar o nosso objetivo”, disse Macron, falando após uma reunião com líderes europeus em Paris sobre o apoio futuro à Ucrânia. Ele disse que o objetivo era garantir que “a Rússia não possa vencer esta guerra”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri S. Peskov, disse que tal intervenção levaria a um confronto direto entre as tropas da OTAN e as forças russas.

“Neste caso, precisaríamos falar não sobre a sua probabilidade, mas sobre a sua inevitabilidade”, disse ele.

A sugestão do líder francês provavelmente não terá sucesso em Washington, onde a administração Biden fez de evitar o conflito direto entre as tropas russas e americanas a “estrela do norte” da sua resposta à invasão de Moscovo. O presidente Biden disse que Washington deve evitar o início da Terceira Guerra Mundial e um confronto direto entre potências nucleares.

As nações ocidentais inicialmente retiveram armas de longo alcance, tanques e outros equipamentos das tropas ucranianas por receios de que o conflito pudesse evoluir para um confronto direto entre a Rússia e a aliança militar ocidental.

O Kremlin, por seu lado, tem respondido frequentemente às acções ocidentais com ameaças provocativas de confronto, incluindo recordar regularmente aos seus adversários o seu arsenal nuclear.

Apesar dos avisos belicosos nos primeiros dias do conflito, o Kremlin absteve-se de conduzir ataques contra os aliados ocidentais da Ucrânia, apesar de carregamentos de material destinado às forças ucranianas chegarem regularmente da Polónia, um membro da NATO.

Na terça-feira, Peskov observou a “rica gama de opiniões sobre este tema” dentro da aliança ocidental e a falta de consenso – que Macron também observou nos seus comentários.

“Uma série de participantes neste evento em Paris mantém uma avaliação suficientemente sóbria dos perigos potenciais de tais ações e dos perigos potenciais do envolvimento direto num conflito quente – envolvimento no campo de batalha”, disse Peskov. “É claro que isto não é absolutamente do interesse destes países.”

Peskov disse que o facto de estar a ser discutida uma intervenção directa das tropas da NATO no terreno “é, obviamente, um novo elemento muito importante” que foi notado pelo Kremlin.

O líder francês descreveu a derrota da Rússia na Ucrânia como “indispensável” para a segurança europeia.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *