Fri. Feb 23rd, 2024

Os procuradores-gerais do Tennessee e da Virgínia entraram com uma ação na quarta-feira contra a NCAA, dizendo que o órgão que regula o atletismo universitário não tem o direito de bloquear a prática cada vez mais comum de impulsionadores ricos pagarem para atrair recrutas de alto nível.

A ação foi movida um dia após a divulgação de que a NCAA estava investigando o programa de futebol da Universidade do Tennessee por violações de recrutamento envolvendo um grupo de doadores que organiza o pagamento de atletas. Poderia desencadear uma ampla batalha jurídica sobre a própria natureza do atletismo universitário, que está no meio de uma rápida transição de um sistema amador rigidamente policiado para um tipo de mercado profissional sem restrições.

A força motriz por trás dessa mudança foram os coletivos de doadores, que são grupos de ex-alunos e outros incentivadores que doam dinheiro que é usado para compensar atletas de ponta, às vezes em valores que se aproximam dos níveis profissionais. Eles fazem isso explorando as novas regras de “semelhança de nome-imagem” da NCAA, ou NIL, que pretendiam permitir que os atletas fossem pagos por endossos, mas na prática permitem que quase qualquer pessoa os pague, e por quase qualquer motivo.

Com efeito, os colectivos pagam salários disfarçados de endossos e desempenham agora um papel central no processo de cortejamento de jogadores de futebol, basquetebol e outros desportos.

A ação busca remover uma das poucas regras da NCAA que limitam esses coletivos – e um dos últimos vestígios do modelo amador.

Essa regra é que os coletivos não podem recrutar alunos do ensino médio ou transferir alunos para brincar na escola escolhida, oferecendo-lhes dinheiro.

Os procuradores-gerais, abordando a questão antes mesmo de a NCAA divulgar acusações específicas contra a Universidade do Tennessee, disseram que a restrição equivalia a uma restrição ilegal ao comércio. Eles argumentam que os coletivos deveriam ser livres para superar uns aos outros por recrutas, da mesma forma que as escolas fazem com os melhores treinadores.

“Esta proibição de recrutamento de NIL limita a competição”, disseram os procuradores-gerais no processo, afirmando que o limite “diminui artificialmente a compensação de NIL que os atletas universitários poderiam obter de outra forma num mercado livre”.

A NCAA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A ação foi movida pelo procurador-geral do Tennessee, Jonathan Skrmetti, um funcionário nomeado pelos republicanos que adotou frequentemente posições jurídicas conservadoras em seus 17 meses no cargo. Os relatórios divulgados na terça-feira sobre o inquérito da NCAA sobre a Universidade do Tennessee trouxeram uma resposta contundente da escola e provocaram indignação entre sua base de fãs.

O coletivo de doadores que está no centro do caso do Tennessee pagou para levar um quarterback do ensino médio ao campus em um jato particular, de acordo com uma pessoa familiarizada com o caso. O coletivo do Tennessee emitiu um comunicado dizendo que havia seguido as regras da NCAA e que seu contrato com o quarterback – que poderia permitir que ele ganhasse US$ 8 milhões – não exigia que ele frequentasse o Tennessee.

A participação da Virgínia no processo levantou a possibilidade de que vários outros estados com programas atléticos em escolas estaduais de alto nível pudessem aderir à ação legal. O procurador-geral da Virgínia, Jason S. Miyares, é um republicano eleito.

Os coletivos surgiram pela primeira vez em 2021, quando a NCAA – tendo perdido uma série de processos judiciais que corroeram a sua autoridade reguladora – recusou-se a desafiar uma série de leis estaduais que permitiam aos jogadores lucrar com o seu nome, imagem e semelhança.

Desde então, durante grande parte do tempo, houve poucas evidências de que a NCAA estivesse tentando policiar esses coletivos. O New York Times contou mais de 140 coletivos que operam atualmente em escolas de todo o país, com orçamentos que podem chegar a 10 milhões de dólares ou mais.

Em apenas alguns anos, dizem os treinadores e jogadores universitários, o dinheiro oferecido pelos coletivos tornou-se o fator dominante no recrutamento e retenção de atletas. No ano passado, por exemplo, o quarterback titular da Universidade de Iowa disse ao The Times que havia sido transferido da Universidade de Michigan depois que o coletivo de Iowa lhe fez uma oferta por escrito descrevendo quanto ele receberia.

Autoridades de atletismo universitário reclamaram que a NCAA permitiu que o sistema de semelhança de nome-imagem se tornasse um sistema disfarçado de pagamento por jogo.

Muitas leis estaduais, incluindo uma promulgada há quase dois anos no Tennessee, ecoam a proibição da NCAA de pagamentos pay-for-play. A lei do Tennessee afirma que a compensação não pode ser fornecida em troca do desempenho atlético, a fim de “manter uma separação clara entre o atletismo intercolegial amador e os esportes profissionais”.

Isso contrastou com o argumento apresentado pelo procurador-geral do Tennessee no processo de quarta-feira, que parecia aceitar que os coletivos estavam pagando jogadores para jogarem em suas escolas. O procurador-geral disse que os atletas têm o direito de maximizar esses pagamentos, pesquisando as escolas para descobrir onde receberiam mais.

“Muito poucos atletas universitários se tornam ‘profissionais’ em seu esporte e, portanto, seu valor NIL atinge o máximo durante sua curta carreira universitária”, afirma o processo. “Sua capacidade de negociar o melhor acordo NIL é crítica.”

O resultado foi uma sorte inesperada para muitos jogadores, mas também um mercado caótico que carecia das regras, dos sindicatos e dos salários mínimos que regem os mercados de trabalho do desporto profissional. Neste mercado semi-subterrâneo de agente livre, os atletas universitários tinham pouca noção do seu valor real.

Nas últimas semanas, a NCAA também deu alguns sinais de que está tentando controlar os coletivos.

O presidente da NCAA, Charlie Baker, propôs que as escolas fossem autorizadas a celebrar acordos NIL diretamente com os atletas – uma medida que poderia diminuir o impacto dos coletivos e poderia ser codificada pela associação ainda este ano. Um importante comitê da NCAA propôs este mês outras regras que tornariam a regulamentação mais rígida, incluindo exigir que os atletas relatassem quaisquer negócios acima de US$ 600 e forçar as escolas a se desassociarem ainda mais dos reforços que estiverem envolvidos em irregularidades.

A ala de fiscalização da NCAA multou a Florida State University depois que um treinador de futebol trouxe um potencial estudante transferido para se encontrar com um coletivo. E está investigando a Universidade da Flórida, onde um coletivo ofereceu US$ 13,85 milhões a um quarterback do ensino médio – mas depois não pagou.

A ação movida na quarta-feira busca estabelecer uma decisão legal que permitiria esse tipo de transação, inaugurando uma era em que os atletas universitários são tratados como profissionais antes mesmo de irem para a faculdade.

By NAIS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *