Wed. Jun 19th, 2024

Mais de 1.500 médicos internos e residentes na Coreia do Sul abandonaram o trabalho na terça-feira, interrompendo um serviço essencial para protestar contra o plano do governo de resolver a escassez de médicos admitindo mais estudantes na faculdade de medicina.

Embora a Coreia do Sul se orgulhe do seu sistema de saúde acessível, tem um dos menores números de médicos per capita do mundo desenvolvido. O rápido envelhecimento da sua população sublinha a necessidade urgente de mais médicos, segundo o governo, especialmente nas zonas rurais do país e em áreas como a medicina de emergência.

Os manifestantes, que são médicos em formação e cruciais para manter os hospitais a funcionar, dizem que a escassez de médicos não se estende a toda a indústria, mas está confinada a especialidades específicas, como cuidados de emergência. Eles dizem que o governo está ignorando as questões que tornaram o trabalho nessas áreas pouco atraente: condições de trabalho duras e baixos salários para estagiários e residentes.

Pesquisas descobriram que, numa determinada semana, os médicos em formação trabalham regularmente em vários turnos que duram mais de 24 horas, e que muitos trabalham mais de 80 horas por semana.

Os médicos que protestam também afirmam que, ao aumentar o número de médicos, o governo corre o risco de criar mais concorrência que poderá levar ao tratamento excessivo dos pacientes.

No início deste mês, a administração do presidente Yoon Suk Yeol anunciou um plano para aumentar a cota de admissão nas escolas de medicina do país em 65 por cento. As licenças para exercer a medicina são regulamentadas pelo Ministério da Saúde e Bem-Estar. O plano foi imediatamente criticado pelos médicos, que saíram às ruas com cartazes que diziam “fim dos cuidados de saúde”. Médicos estagiários em cinco dos maiores hospitais de Seul, onde vive a maior parte da população do país, apresentaram demissões na segunda-feira e deixaram seus cargos às 6h da terça-feira.

Os centros médicos já relatavam interrupções nas operações na tarde de segunda-feira, incluindo o Severance Hospital, um dos maiores do país, que disse ter cortado os serviços e cancelado metade de todos os procedimentos cirúrgicos planejados.

“Os médicos não são escravos do país”, disse Park Dan, chefe da Associação de Residentes Internos da Coreia, num comunicado no Facebook na semana passada. Ele pediu demissão do emprego na ala de emergência do Hospital Severance na segunda-feira.

As autoridades instaram os médicos a permanecerem em seus cargos, alertando sobre as repercussões legais para aqueles que não cumprirem. Na segunda-feira, o Ministério da Saúde suspendeu as licenças de dois membros da Associação Médica Coreana que estavam entre os maiores críticos do plano do governo. A associação, o maior grupo de médicos do país, não quis comentar.

As leis permitem que o governo obrigue alguns médicos a voltar ao trabalho se temerem a interrupção dos cuidados. As autoridades disseram que contarão com operadores de telemedicina e até com médicos militares até que o assunto seja resolvido.

Há um amplo apoio público na Coreia do Sul para aumentar a quota das escolas médicas, que se manteve essencialmente inalterada desde 2006. O país tem cerca de 2,6 médicos por 1.000 pessoas, em comparação com uma média de 3,7 nos países pertencentes à Organização para a Cooperação Económica e Desenvolvimento.

O plano de Yoon aumentaria as admissões em faculdades de medicina de 3 mil para cerca de 5 mil por ano. Se a quota de admissões não for aumentada, prevêem as autoridades, até 2035 o país terá cerca de 10.000 médicos a menos do que necessita.

Esta não é a primeira vez nos últimos anos que o governo pressiona por mais médicos. Em 2020, a administração do presidente Moon Jae-in propôs aumentar as admissões nas escolas de medicina em 4.000 em 10 anos. O plano foi suspenso após uma reação da comunidade médica e uma greve de um mês dos médicos.

Source link

By NAIS

THE NAIS IS OFFICIAL EDITOR ON NAIS NEWS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *